Presidente Trump

Trump quer limitar imigrantes que tenham recebido apoios públicos

O Departamento de Segurança Interna estará a preparar mudança nas regras para que apoios públicos recebidos pelos imigrantes passem a pesar na altura de determinar se podem ter residência permanente.

JIM LO SCALZO/EPA

A administração de Donald Trump quer tornar mais difícil a obtenção de residência permanente nos Estados Unidos aos aos imigrantes que tenham recebido qualquer tipo de apoios públicos, como o acesso à rede pré-escolar pública, mesmo que estes benefícios tenham sido dados aos filhos nascidos no país, ou seja, já com nacionalidade norte-americana, avança a agência Reuters.

Numa mudança radical na política que tem vindo a ser seguida nas últimas décadas nos Estados Unidos, um esboço das regras que estão a ser preparadas pelo Departamento de Segurança Interna vão dar às autoridades o poder de escrutinar todo o tipo de apoios públicos recebidos pelos imigrantes que pretenderem obter residência permanente.

As autoridades querem avaliar o custo para o erário público que estes cidadãos poderiam, em teoria, representar, caso obtivessem residência permanente ou fossem naturalizados norte-americanos.

Para isso, de acordo com a Reuters, as regras que a administração norte-americana estará a criar querem ter em conta todo o tipo de apoios, como o acesso à rede pré-escolar pública, apoio para a alimentação, descontos nas contas da eletricidade, água e gás e apoios para o pagamento de seguros de saúde.

“Não residentes que recebem apoio público não são autossuficientes e estão a contar com o governo federal, estatal e entidades locais para ter os recursos em vez das suas famílias, patronos ou organizações privadas. (…) O recebimento de fundos públicos da parte de um imigrante é feito à custa do dinheiro dos contribuintes e a disponibilidade de apoios públicos pode ser um incentivo para que estes imigrem para os Estados Unidos”, diz o documento citado pela agência Reuters.

De acordo com um porta-voz do Departamento de Segurança Interna, as autoridades estão empenhadas em fazer cumprir a lei existente que foi criada “com o propósito claro de proteger o contribuinte americano”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site