Companhias Aéreas

Companhia aérea não deixou hamster entrar no avião, dona atirou-o pela sanita

921

Belen Aldecosea confirmou duas vezes se podia viajar com o seu hamster anão. Disseram que sim. Quando chegou ao aeroporto, não deixaram o animal passar e aconselharam-na a atirá-lo pela sanita.

O hamster anão servia como suporte emocional da jovem

Belen Aldecosea tem 21 anos e estuda numa universidade do Estado norte-americano da Florida. Foi visitar a família a Baltimore e, dias antes de apanhar o voo de regresso para a escola, ligou duas vezes para a Spirit Airlines a perguntar se podia levar consigo um convidado especial: Pebbles, um hamster anão que servia como suporte emocional de Belen. A companhia aérea garantiu que não havia qualquer problema.

Mas, quando chegou ao aeroporto de Baltimore, a Spirit Airlines não deixou o pequeno animal embarcar. Belen Aldecosea garante que um funcionário do aeroporto a aconselhou a atirar o hamster pela sanita ou libertá-lo na rua – isto caso quisesse entrar no avião, claro.

Sozinha e com aulas no dia seguinte, a jovem estudante passou horas às voltas no aeroporto sem saber o que fazer. Tentou várias vezes e sem qualquer sucesso alugar um carro, até que decidiu que a melhor opção era mesmo atirar o pequeno Pebbles pela sanita. 

Ele estava tão assustado. Eu estava tão assustada. Foi horrível tentar pô-lo na sanita. Fiquei 10 minutos a chorar na casa de banho. Achei melhor acabar com a vida dele ali do que deixá-lo à solta para acabar atropelado por um carro”, contou Belen Aldecosea ao Miami Herald.

A Spirit Airlines garante que a jovem não foi aconselhada a matar o próprio animal de estimação, ainda que peça desculpa pela informação errada. O porta-voz da companhia aérea diz que “em momento algum um dos nossos funcionários sugeriu a esta passageira atirar o animal pela sanita ou magoá-lo de qualquer outra forma”, acrescentando que é “incrivelmente desanimador saber que esta passageira decidiu acabar com a vida do próprio animal de estimação”.

Belen Aldecosea contou ao jornal norte-americano que depois do incidente, que ocorreu a 21 de novembro, enviou uma queixa por email à Spirit Airlines. De acordo com a jovem, a companhia aérea ofereceu-lhe um voucher com uma viagem grátis para várias cidades, que ela recusou. Agora, está a ponderar avançar com uma ação legal contra a empresa.

Pebbles, um hamster anão, foi parar à casa de Belen depois de um susto de saúde que tornou a estudante ansiosa e mentalmente instável. Aconselhada pelo médico, arranjou um animal de estimação, que estava oficialmente certificado como “animal de suporte emocional”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site