Bolsa de Nova Iorque

Depois da pior semana em dois anos, Wall Street volta aos ganhos

Depois de ter evoluído com fortes flutuações durante toda a sessão, a bolsa de Nova Iorque terminou em alta. O ganho de 1,38% fecha a pior semanas nas bolsas americanas em dois anos.

JUSTIN LANE/EPA

@A bolsa nova-iorquina acabou esta sexta-feira por terminar em alta acentuada depois de ter evoluído com fortes flutuações durante toda a sessão, com os investidores agitados pelo regresso violento da volatilidade aos mercados desde o início da semana. Por trás do nervosismo estão o receio de que a aceleração da retoma económica na Europa e nos Estados Unidos leve os bancos centrais a reduzir as políticas de estímulo que duram já vários anos, sinalizando o regresso a um ciclo de subida das taxas de juro.

O índice mais emblemático de Wall Street, o seletivo Dow Jones Industrial Average fechou a ganhar 1,38%, para os 24.190,90 pontos, depois de ter estado a perder 2,1% durante o dia. No conjunto da semana, desvalorizou 5,21%, na que é a queda semanal mais acentuada em dois anos.  Já o índice Standard & Poors que junta as 500 maiores empresas da bolsa de Nova Iorque acumulou uma perda de 5,2% na semana, sobretudo concentrada em dois dias — segunda feira e quinta-feira. O suficiente para apagar os ganhos que tinham sido registados este ano.

O índice das empresas tecnológicos, o Nasdaq, terminou a sessão com uma valorização de 1,44%, para os 6.874,49 pontos, mas perdeu 5,06% na semana. As perdas alastraram ainda à Ásia e à Europa.

“Nada de novo justifica estes movimentos. O mercado está entregue a s próprio”, segundo Karl Haeling, do banco LBBW.

“Bem entendido que existem as preocupações com a aceleração da inflação, a subida das taxas de juro, o aperto das políticas monetárias, a chegada da reforma fiscal no pior momento do ciclo económico, etc, etc, (…)”, adiantou, explicando: “mas agora que se passou a uma outra fase, a descida é sobretudo alimentada pelo regresso da volatilidade, com os investidores a cederem ao seu próprio sentimento”.

O VIX, um instrumento que mede a volatilidade, também designado como “o índice do medo”, tinha permanecido inerte durante meses, raramente subindo acima de 15. Na terça-feira superou os 50 e neste dia esteve acima dos 40. Neste contexto, numerosos fundos e gestores de investimentos devem reajustar a sua exposição no mercado bolsista.

“A queda da bolsa era esperada há muito tempo, uma vez que o mercado subiu muito alto, demasiado depressa”, afirmou Phil Davis, do PSW Investments. “No imediato, não é de esperar uma enorme subida, porque os índices desceram para níveis mais razoáveis”, acrescentou.

“É impossível saber se isto vai acalmar ou não, se o doente já está completamente curado”, admitiu Gregori Volokhine, da Meeschaert Financial Services.

As fortes flutuações observadas no mercado, como a repentina subida dos índices na segunda-feira e este dia, são, não sua opinião, “a prova de que muitos dos movimentos não são orientados por decisões de investimento baseadas em elementos fundamentais, mas antes por ajustes técnicos efetuados por fundos hiperativos desde o início da semana”, avançou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Empreendedorismo

As duas características do empreendedor

José Miguel Pinto dos Santos

Se uma caraterística do verdadeiro empreendedor é a indiferença face à possibilidade de perder tudo o que investiu, a outra é estar preparado, e usar todo o engenho, para que isso não aconteça.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site