Tecnologia

Novo tipo de “pele eletrónica” pode ter aplicações na robótica e medicina

A "pele eletrónica" foi criada nos Estados Unidos e tem sensores que medem a pressão, temperatura, humidade e fluxo do ar. Esta "e-pele" pode ser utilizada na medicina e na robótica.

ANDY RAIN/EPA

Cientistas nos Estados Unidos criaram um novo tipo de “pele eletrónica” totalmente reciclável com aplicações na medicina ou robótica.

A “pele” consiste num polímero que contem nanopartículas de prata, que lhe conferem força, estabilidade química e condutividade elétrica. Sensores embutidos medem a pressão, temperatura, humidade e fluxo do ar.

“O que é único é que a composição química do polímero que usamos permite à ‘e-pele’ ser auto-regeneradora e completamente reciclável”, afirmou o investigador Jianliang Xiao, da universidade do Colorado, autor do estudo publicado no boletim científico Science Advances.

Outra vantagem da pele eletrónica é que pode adaptar-se a superfícies curvas, como braços humanos ou mãos robóticas. Quando se quer reciclá-la, é mergulhada numa solução que decompõe o polímero em elementos mais essenciais que são solúveis em etanol, deixando as partículas de prata no fundo da solução.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Redes Sociais

Hatebook

Laurinda Alves
138

Muitos haters gastam diariamente horas infinitas a ler tudo o que escrevem as pessoas que odeiam. Não lhes escapa uma linha pois sabem que não lhes pode escapar a oportunidade do seu instante de fama.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site