Hollywood

Salma Hayek sobre Harvey Weinstein: “Ele ameaçou matar-me”

A atriz já tinha tornado público, em dezembro, os comportamentos inapropriados de Harvey Weinstein. Agora, revela detalhes daquilo que aconteceu com o produtor durante a rodagem do filme "Frida".

NBCUniversal via Getty Images

Autor
  • Ana Luísa Alves

A atriz Salma Hayek diz que o produtor Harvey Weinstein ameaçou matá-la durante a rodagem do filme “Frida”, em 2002, além de outras ameaças de agressão física e psicológica.

Salma Hayek, de 51 anos, acusa o produtor de a ter arruinado e de ter ameaçado que a matava quando ela recusou os avanços de Weinstein na rodagem do filme, que a atriz protagonizou com ao interpretar a artista mexicana Frida Kahlo.

À conversa com Oprah Winfrey no Teatro Apollo, em Londres, a atriz disse que não queria entrar em detalhes, mas que se sentiu deprimida. “Eu estava paranóica, vivia com medo. Não conseguia ultrapassar aquilo”, referiu Salma Hayek, citada pelo site Stuff. 

Esta não foi a primeira vez que a atriz falou sobre aquilo que aconteceu com o produtor. Em dezembro, Salma Hayek foi contactada pelo jornal The New York Times para relatar o episódio de assédio de que foi vítima, mas, na altura, confessa que teve vergonha de o fazer.  “Acabei por não dizer nada, mas depois percebi que a minha dor era tão pequena comparada com outras histórias”

Ainda assim, acabou por escrever um artigo intitulado “Harvey Weinstein também é o meu monstro”, com detalhes dos comportamentos inapropriados de que tinha sido vítima por parte do produtor enquanto trabalharam juntos.

No artigo, Hayek diz que teve saber dizer “não” e que essa era provavelmente a “palavra que Weinstein mais odiava ouvir”. “Não a abrir-lhe a porta do hotel depois de certas horas, quando ele aparecia sem dizer nada, ou até em produções que eu fazia e ele nem estava envolvido”, acrescentou a atriz.

“Ele não foi o primeiro homem a fazer-me isto. Eu era realmente esperta com ele, soube tratar da situação. Talvez seja por isso que ele não me violou”, acrescentou a atriz, à conversa com a apresentadora norte-americana Oprah Winfrey.

Por saber repetir, e ter repetido, tantas vezes a palavra “não”, a atriz revela ainda que sentiu que o tinha enervado de tal maneira que Weinstein lhe chegou a dizer que a matava, e que Hayek não duvidou disso, adianta o jornal inglês The Telegraph.

Tal como Salma Hayek, mais de 70 mulheres, como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow ou Kate Beckinsale, acusam o produtor de cinema de as ter tido comportamentos inapropriados e de as ter assediado sexualmente. Mas, até agora, Harvey Weinstein negou todas as acusações de que é alvo, acrescenta o mesmo jornal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assédio Sexual

Legalizar o Harvey Weinstein nacional

José Maria Seabra Duque
114

Pelos vistos, é um abuso alguém pedir sexo em troca de favores, mas já não o é se for em troca de dinheiro. Defender a legalização da prostituição é defender os Harvey Weinstein nacionais.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site