Relações

Um terço dos utilizadores espia parceiros nas redes sociais

Num relatório da Kaspersky e da Toluna sobre segurança online, metade dos entrevistados admite também que partilha as palavras-passe e pins dos dispositivos com o parceiro.

Edward Miller/Keystone/Hulton Archive/Getty Images

Quem nunca viu uma conta de Facebook cujo nome é, por exemplo, “Paulo e Célia Silva” ou “Inácio e Sílvia Fonseca Ferreira” que atire a primeira pedra — estes casalinhos unificados não vasculham, por razões óbvias, as redes sociais do parceiro.

Pondo a vergonha alheia de parte, saiba que, segundo um relatório da Kaspersky e da Toluna, um em cada três utilizadores consultados admite espiar os parceiros online. Isto nas relações mais “estáveis” — nas que são de desconfiança e, portanto, instáveis, metade dos utilizadores admite ter uma costela de “KGB” amoroso.

Lê-se também no relatório de segurança online que “os casais infelizes são mais propensos a pensar (31%) que a sua privacidade se encontra em risco, isto em comparação com aqueles (15%) em relações mais felizes”. São precisamente os casais menos felizes que pretendem manter privadas algumas das suas atividades: 76% em oposição a 54% dos entrevistados em relações “satisfatórias”. “Entr,e os principais temas ocultados estão as mensagens enviadas a outras pessoas, os gastos pessoais, alguns arquivos pessoais e os sites visitados”, escrevem a Kaspersky e a Toluna.

A privacidade e as atividades online são também motivo de desavença nos casais: um terço já discutiu após um dos parceiros ter visto algo que o outro não pretendia ter partilhado. O facto de metade dos casais partilhar as palavras-passe e pins dos seus dispositivos, e um em cada quatro utilizadores ter as suas contas guardadas nos dispositivos dos parceiros, não ajuda nada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpalma@observador.pt
Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus
1.316

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

Crónica

Tire o verbo odiar do seu vocabulário

Ruth Manus
1.693

As pessoas passaram a identificar-se mais pelos seus sentimentos negativos do que pelos positivos. É como se odiar ou não suportar coisas lhes desse mais credibilidade do que amar ou gostar de algo.

Crónica

Terei que me aguentar

Tiago Tribolet de Abreu
4.808

Aguentei o mais que pude (homem não chora, médico não chora), fiquei com ela o mais que pude, dei-lhe festas na cara, enquanto sentia o filho a chorar baixinho atrás de mim. 

Crónica

Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas

Ruth Manus
53.823

É muito fácil taxar uma mulher de chata, de neurótica, de mal humorada. O difícil é assumir que ela tem uma razão para estar assim. E que os outros poderiam colaborar para que ela não estivesse assim.

Emprego

Em casa de Ferraz, competitividade de pau

Luís Aguiar-Conraria

Declarações como as de Ferraz da Costa, do Fórum para a Competitividade, dão a entender que uma parte dos empresários continua viciada em baixos salários. Estava na altura de serem mais competitivos.

Startups

Foguetório empresarial

Maria João Marques

Não há nada que irrite mais o português médio que o arrojo e a ousadia alheia. O atrevimento, as ambiciosas ideias de uns têm o condão de iluminar o conformismo dos restantes, o que ninguém leva a bem

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site