Incêndios

Vítimas dos incêndios de outubro querem ajuda do Estado para recuperar casas de segunda habitação

A associação de vítimas dos incêndios de outubro quer que o Governo contabilize as casas de segunda habitação destruídas pelo fogo. O conjunto de vítimas pede apoio do Estado para a reconstrução.

Ainda ninguém sabe quantas casas de segunda habitação foram atingidas pelas chamas em outubro

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal quer que o Governo faça um levantamento de todas as casas de segunda habitação destruídas pelos fogos de outubro. O conjunto de vítimas pede apoio do Estado para reconstruir estas casas de utilização temporária, que considera “fundamentais” para a economia destas regiões.

Em declarações à TSF, o presidente da associação sublinha que, enquanto se sabe que as chamas destruíram 1700 casas de primeira habitação, ninguém sabe quantas casas de habitação temporária foram atingidas pelos incêndios. Luís Lagos reitera que estas casas são essenciais para a sobrevivência de muitas aldeias, na sua maioria desertificadas.

A associação compara o apoio estatal dado às vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, em junho, com aquele garantido aos prejuízos dos fogos de outubro. Segundo Luís Lagos, foram impulsionados menos apoios às empresas atingidas e é necessário um fundo do Estado – tal como o de Pedrógão – para organizar e gerir as verbas e meios recebidos.

O apelo da Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal vai ser feito esta sexta-feira numa reunião com o primeiro-ministro. Os incêndios de 15 e 16 de outubro fizeram 45 mortos e queimaram mais de 200 mil hectares.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

A reforma mais difícil de Francisco

P. Miguel Almeida, sj

Juntemos a descentralização da autoridade eclesial a uma real importância dada à consciência dos fiéis e temos o fim do clericalismo. Esta é a grande bomba da reforma bergogliana.

Rui Rio

Isto começou mal e vai acabar mal

Rui Ramos

O destino de Rui Rio não é ser oposição ao governo, mas ao próprio PSD. Foi sempre assim quando, no passado, o PSD foi posto na situação em que Rio o colocou, de subordinação ao PS.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site