Sismo

Sismo dos Açores em 1980. A história do terramoto mais destrutivo dos últimos 200 anos em Portugal

188

Há 38 anos, um sismo matou 73 pessoas no Ano Novo de 1980 nos Açores. Foi o terramoto mais avassalador dos últimos 200 anos. "Ouvia gritos e casas a cair", lembraram os sobreviventes na época.

Sismos d'Oitenta

Às 15 horas, 42 minutos e 39 segundos do primeiro dia de 1980, a energia acumulada ao longo de milhões de anos numa falha transformante (que roça uma na outra) da Dorsal Médio-Atlântico, no limite entre a placa tectónica euroasiática e norte-americana, libertou-se e originou um terramoto de magnitude 7,2 na escala de Richter. O sismo começou no mar, precisamente nas coordenadas 38º 42,0′ N 27º 42,0′ W, entre as ilhas da Terceira, de São Jorrge e Graciosa e a apenas 10 quilómetros de profundidade. O evento matou 73 pessoas, feriu mais de 400 e deixou quase 30 mil desalojadas.

Foi de tal modo catastrófico que Ramalho Eanes, o então Presidente da República, declarou três dias de luto nacional e pediu auxílio à Marinha e à Força Aérea dos Estados Unidos destacadas na Base das Lajes para ajudar as autoridades portuguesas. Mas, se não fosse este sismo — o mais destrutivo dos últimos 200 anos em Portugal — a rede de estações sismográficas que esta segunda-feira nos ajudou a identificar a crise sísmica que tem sacudido os Açores ainda não existiria.

“A estrada parecia borracha”

Os Açores estavam habituados a abalos quase diários: assentes numa microplaca que baloiça entre outras três maiores — a africana, a a euroasiática e a norte-americana –, os açorianos sabiam que o afastamento entre as duas últimas e as tensões provocadas pela placa africana nas rochas em profundidade estavam na origem dos sismos registados na região. Mas Manuel António Arruda, agricultor, jurava nunca ter visto nada assim:

Os animais estavam inquietos. Pouco minutos depois corremos para a rua e neste momento já só ouvia gritos e barulho de casas a cair. A estrada parecia borracha, descia e subia aos solavancos”, recordou ele ao Correio dos Açores a 4 de janeiro daquele ano.

Outros testemunhos foram guardados num site desenvolvido por quatro estudantes da Universidade de Aveiro, todos açorianos da ilha Terceira, para manter viva a memória do sismo de 1980 no arquipélago. O de Maria João Borges é um deles: “Consigo ouvir o barulho que fez, parecia um avião a cair. Quando cheguei à porta da minha casa, vi o orfanato a desabar. Na altura, já estava casada e morava no desterro onde abaixo da minha casa morreram cinco pessoas da mesma família. Na minha habitação, a parede da frente separou-se das outras”.

Avelina Cota também contou aos estudantes o que se passou naquele Ano Novo de 1980: “A minha principal recordação é o barulho ensurdecedor, parecia um trovão que não parava de ressoar. Nem me apercebi do tremor da terra, vi mais do que senti, era como ver as imagens em câmara lenta e através de fumo”. Avelino estava a em casa de uma prima e estava prestes a cortar uma fatia de torta de cenoura para comer: “Quando ia cortar a torta, ouviu-se aquele ruído aterrador e corremos para a rua, desci as escadas, saltei o muro para a rua de minha casa e sempre a tremer, a ribombar. Foi horrível”. Dias depois, o pai de Avelino voltou à Terceira para ver como tinha ficado a casa da sobrinha:

Não conseguimos chegar ao fim, era demasiado penoso, principalmente quando avistamos as Doze Ribeiras do alto e só vimos pedras pretas. É uma visão que ainda recordo”.

O que mudou nos Açores

Estima-se que este sismo tenha sido registado durante entre 20 e 30 segundos: a julgar pelos sobreviventes entrevistados pelos geólogos, “primeiro houve um impulso rápido que se atenuou durante um certo intervalo de tempo, seguido de um balanço marcado, terminando num arranque forte que logo parou”, pode ler-se no estudo “Dez Anos Após o Sismo dos Açores de 1 de janeiro de 1980”. De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, à época chamado apenas Instituto de Meteorologia, os dez primeiros segundos do terramoto foram os mais intensos, embora não tenham sido sentidos em duas das ilhas açorianas: Flores e Corvo. O sismo ainda deu origem a um tsunami que chegou primeiro a Angra do Heroísmo precisamente sete minutos e 50 segundos depois do abalo. No entanto, o tsunami não causou muitos estragos: as ondas foram chegando à costa ao longo de uma hora e 40 minutos, mas nunca tiveram mais do que 41 centímetros de altura.

Só quando as réplicas terminaram, três dias depois do terramoto, é que se começaram a fazer contas aos estragos. O número de mortos subiu de 52 para 61 e apenas mais tarde é que se fixou nas 73 vítimas mortais. A Delegação da Terceira da Secretaria Regional do Equipamento Social dizia que, das 86 mil pessoas que moravam na Terceira, Graciosa e São Jorge, mais de 21 mil ficaram desalojadas e tiveram de ser acolhidas na Base das Lajes, em tendas montadas pela ilha ou em casas portáteis fornecidas pela associação People to People International. Estima-se que 57% de todas as habitações foram atingidas: um quinto delas ficaram completamente destruídas e 10.100 ficaram danificadas. Estudos posteriores provaram que todas elas estavam perto de falhas em solos instáveis e que as infraestruturas não tinham sido avaliadas pelas entidades competentes, nem durante a construção nem depois dela. E isso fez com que este sismo fosse o mais destrutivo dos últimos 200 anos em Portugal.

O sismo que arruinou os Açores foram uma lição: até ali havia apenas três estações sismográficas instaladas no arquipélago, em Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Horta. Depois do terramoto, o Laboratório de Geociências e Tecnologia dos Açores instalou 19 novas estações sismográficas, onze delas dedicadas exclusivamente ao registo de sismos e oito responsáveis por monitorar as regiões geotérmicas. O historiador Francisco Miguel Lima Nogueira disse ao site Sismo d’Oitenta que “podemos dizer que o sismo de 1 de janeiro de 1980 foi um mal que veio por bem”:

Angra do Heroísmo teve de se reconstruir e de construir uma nova sociedade a partir desse dia. As técnicas utilizadas foram muito elogiadas pela UNESCO porque são um misto de reconstrução, de restauro, de reconstituição e sobretudo de alteração, mas sem nunca danificar a parte histórica da cidade”.

A partir de 1980, todas as casas construídas nos Açores passaram a ter de cumprir regras de preservação, algo que não acontecia até ali. Não fossem as novas estações sismográficas e não saberíamos que o arquipélago está agora a passar por uma crise sísmica que tem originado centenas de sismos desde perto da meia-noite desta segunda-feira até agora.

“Enxugar as lágrimas e arregaçar as mangas”

O sismo de 1980 apanhou o Governo Regional dos Açores num momento de transferência de poderes: “O governo regional tinha relativamente pouco tempo de existência. Foi num período complicado de incerteza sobre quais eram os poderes constitucionais em relação aos Açores“, já que tinha passado pouco tempo desde o 25 de Abril, explicou José Guilherme Reis Leite, historiador que fazia parte do Governo Regional dos Açores à época, ao Sismo d’Oitenta. Ainda assim, Guilherme diz que foram tomadas medidas imediatas para ajudar a população:

Algumas delas até deviam ultrapassar os poderes formais do governo regional, mas a verdade é que não foram contestadas. Foi preciso enxugar as lágrimas e arregaçar as mangas.

Primeiro, o governo pediu ajuda aos militares norte-americanos na base das Lajes para ajudar os portugueses a abrigar 150 famílias nas instalações militares. Depois, foram montadas 200 tendas pelo arquipélago para alojar 200 famílias. E a seguir pediu-se ajuda à People to People International para entregar 100 casas portáteis à população açoriana. Mas, para Guilherme Leite, houve um pormenor que contribuiu para o sucesso de todas as medidas tomadas pelo governo: “Elas coincidiam com a vontade da população. As ilhas foram reconstruídas pelas pessoas, pela vontade dos próprios açorianos. Não era possível tomar medidas de ordem estatal. Cada cidadão assumiu a responsabilidade de refazer a sua vida. Esse foi o grande êxito”.

Depois deste sismo, os Açores voltaram a ser abalados por um terramoto de magnitude 5,9 na escala de Richter a 9 de julho de 1998. Pouco passava das cinco da manhã quando um violento sismo com epicentro a 16 quilómetros da Horta atingia as ilhas do Faial, Pico e S. Jorge. Nove pessoas morreram, mais de 100 ficaram feridas e milhares de habitantes ficaram desalojados: cerca de 1.500 casas ficaram parcial ou totalmente destruídas na ilha da Terceira. O terramoto de 1998, que teve origem na falha do Faialdestruiu mais de 70% do parque habitacional da ilha. Aliás, só no século XX esta falha foi responsável por muitas das preocupações dos açorianos: foi nela que teve origem o sismo de 5 de abril de 1926, o terramoto de 26 de agosto do mesmo ano, a crise sísmica de 12 e 13 de maio de 1958 e o sismo de 23 de novembro de 1973, todos eles causadores de elevados danos materiais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
passeio aleatório

A primeira luz do ESPRESSO

Nuno Crato

Tudo leva a crer que o novo espectrógrafo europeu ESPRESSO irá possibilitar novos desenvolvimentos na astronomia, na linhagem das descobertas realizadas graças à luneta que Galileu construiu em 1609.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site