G20

Bundesbank propõe regulação das criptomoedas na agenda do G20

O presidente do Bundesbank pediu que, uma vez que as criptomoedas se oferecem como meio para financiar o terrorismo a nível global, a regulação esteja na agenda da próxima cimeira do G20.

CARSTEN KOALL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Bundesbank e os ministros das Finanças dos países do G20 propuseram à presidência argentina que a regulação das criptomoedas esteja na agenda da próxima cimeira deste grupo.

O presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, disse esta quarta-feira num simpósio sobre “dinheiro vivo” que, tendo em conta que o branqueamento de capital e as criptomoedas se oferecem como meio para financiar o terrorismo a nível global, “é claro que uma regulação nacional ou europeia só pode ter um efeito limitado”.

Weidmann considerou que é importante aplicar o regulamento contra o branqueamento de capital e impedir que as criptomonedas se utilizem como meio para financiar o terrorismo.

Segundo o presidente do Bundesbank, agora está-se a trabalhar a nível europeu sobre as linhas diretoras contra o branqueamento de capital com o objetivo de que os gestores de casas de câmbio e de bolsas de dinheiro eletrónicas controlem os seus clientes da mesma forma que outros institutos financeiros.

Weidmann disse que, de momento, os riscos para a estabilidade financeira derivados das criptomoedas são limitados, mas que “isto pode mudar se os bancos investirem mais fortemente, se os investidores puserem à disposição dinheiro para especular em moedas digitais ou se as criptobolsas retirarem liquidez”. Assim, “os bancos devem cobrir aqueles riscos com capital suficiente”, defendeu Weidmann.

O presidente do Bundesbank afasta a possibilidade de que o dinheiro digital vá competir com o “dinheiro vivo” e considera que os bancos centrais não deviam emitir dinheiro digital no futuro devido aos efeitos que tal podia ter para o setor financeiro e para a política monetária.

Weidmann disse que as criptomoedas, incluindo a bitcoin e outras 1.500 mais, não são moedas e deveriam ser chamadas de ‘token’ e que uma transação com bitcoin consome 460 mil vezes mais eletricidade do que uma transferência bancária habitual.

A volatilidade com a bitcoin é seis vezes mais elevada do que a do índice bolsista S&P 500 e 13 vezes superior à do ouro. Por isso, concluiu Weidmann, a “bitcoin é ineficiente do ponto de vista económico e ecológico”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site