Reino Unido

Minnie Driver corta ligações com a Oxfam devido ao escândalo sexual

Na sequência do escândalo sexual que envolve a Oxfam, a Minnie Driver cortou relações com a organização ao retirar-se do seu cargo como embaixadora. A atriz diz que está "devastada" com as revelações.

Getty Images for the 2015 Tribeca Film Festival

A atriz Minnie Driver abandonou o cargo de embaixadora da Oxfam, a primeira celebridade a fazê-lo, depois do escândalo sexual que envolve a organização ter sido revelado ao pormenor pelo jornal The Times. A organização não-governamental admitiu que alguns dos funcionários contrataram prostitutas — algumas possivelmente menores de idade, como escreveu o Observador — no Haiti, depois do terramoto que abalou o país em 2011.

A atriz, hoje com 48 anos, cortou ligações com a Oxfam, que já apoiava há mais de 20, escrevendo no Twitter que está “devastada” com as revelações feitas: “Devastada pelas mulheres que foram usadas pelas pessoas que foram enviadas para as ajudar [e] devastada pela resposta” da organização.

A atriz já participou em eventos de angariação de fundos para a Oxfam em Los Angeles e em Nova Iorque, e viajou para a Tailândia e Cambodja sob a campanha “Make Trade Fair”, de acordo com o jornal The Guardian. A ex-embaixadora da organização explicou a sua decisão, dizendo que está “nada mais que horrorizada” devido às alegações.

Driver assegura, nas suas declarações, que não vai deixar que “erros abomináveis” da Oxfam façam com que ela “ou a qualquer outra pessoa parem de trabalhar com boas pessoas neste espaço de apoio a populações de seres humanos em todo o mundo que precisam da nossa ajuda”. A organização respondeu às declarações de Driver, escrevendo que a atriz foi uma “apoiante devota por vários anos” e que está grata pelo seu compromisso para terminar com a pobreza global.

A sua decisão de se retirar como embaixadora da Oxfam deixa-nos profundamente tristes, mas também percebemos e respeitamos a sua escolha. Como organização, estamos envergonhados pelas ações de alguns dos nossos funcionários e estamos agora mais empenhados que nunca em aprender com os nossos erros e garantir que respeitamos os mais altos padrões de salvaguarda no nosso trabalho em todo o mundo”, disse a organização.

Esta quarta-feira, representantes das organizações de ajuda internacional e ministros de mais de 20 países vão estar presentes na Agenda 2030 for Children: End Violence Solutions Summit (qualquer coisa como Cimeira das Soluções para a Violência contra as Crianças: Agenda 2030, em português), onde Penny Mordaunt, ministra da Cooperação Internacional britânica, deverá falar sobre o escândalo sexual que envolve a Oxfam.

Mordaunt dirá que “a exploração sexual de pessoas vulneráveis, crianças vulneráveis, nunca é aceitável”, mas que quando é perpetuada por pessoas que “estão em posições de poder” e em quem “confiamos” é “desgostoso”. A ministra dirá também, segundo o jornal britânico, que “a não ser que reportem todos os incidentes sérios ou alegações, por mais que a vossa reputação seja prejudicada — não poderemos ser parceiros”.

Na sequência do escândalo, já vários funcionários da Oxfam se despediram, incluindo a vice-CEO, Penny Lawrance, e o governo britânico ameaçou retirar os apoios públicos à organização.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site