Logo Observador

A banca em Portugal já voltou a dar dinheiro?

08 Agosto 2017147

"A vida não está nada fácil", dizia um banqueiro em 2014, queixando-se da taxa extraordinária sobre o setor. Três anos depois, as queixas continuam.

A vida não está nada fácil“, dizia Luís Mira Amaral, em finais de 2014, na altura presidente do BIC, acusando o Governo de (então) “tentar sacar dinheiro onde lhe for possível“. Tinha acabado de ser aumentada a contribuição extraordinária pedida ao setor bancário e os banqueiros criticavam a medida porque a banca, em Portugal, era uma atividade que não dava dinheiro — isto é, lucro. Hoje, os bancos continuam a queixar-se do peso das contribuições para o Orçamento do Estado e para os fundos de resolução, mas o setor vive um momento bem diferente de finais de 2014. Ainda assim, a vida continua a ser tudo menos fácil.

Os principais bancos a atuar em Portugal apresentaram resultados do primeiro semestre de 2017 e, “apesar de existirem algumas tendências que são comuns a todos, ainda é claro que as diferentes instituições vivem em circunstâncias específicas a uns e não as outros”, diz um analista do setor ouvido pelo Observador.

“Não haver notícias é uma boa notícia”, escreveu um analista do CaixaBI sobre os resultados semestrais do banco liderado por Nuno Amado.

O Millennium bcp, maior banco privado português, registou lucros líquidos de 89,9 milhões de euros (contra os prejuízos de quase 200 milhões de euros no mesmo período do ano anterior). Este é o valor que fica para o registo contabilístico, mas o banco e os analistas destacaram que, se excluirmos o esforço que o BCP continua a fazer no registo de imparidades (respaldado pelo aumento de capital que permitiu a entrada dos chineses da Fosun no banco), o banco liderado por Nuno Amado melhorou em 28% a sua atividade recorrente.

Ou seja, se somarmos as comissões cobradas e a margem financeira (a diferença entre o que o banco paga para se financiar, através de depósitos, por exemplo, e o que recebe pelos juros que cobra) e a esse total subtrairmos os custos operacionais chegamos a um resultado core de 558,6 milhões. O problema é que vêm, depois, 415 milhões de euros em lucros colocados de lado, na forma de imparidades, para cobrir perdas com créditos em risco e outras exposições não rentáveis. O número representa, ainda assim, metade dos 816,6 milhões assumidos como perda (imparidades e provisões) no mesmo período do ano anterior.

André Rodrigues, analista do CaixaBI, salientou que o BCP continua a ter dificuldades em ser rentável — como acontece com muitos outros bancos –, mas considerou que o banco apresentou um conjunto “positivo” de resultados, que vão ao encontro da tese otimista que o analista tem para o BCP. Os próximos trimestres serão de contínua estabilização das contas.

“Estamos num ano de transição, difícil, complexo mas estamos bem alinhados com os compromissos que temos para 2018”
Nuno Amado

A margem financeira beneficiou do facto de o banco ter reembolsado os 750 milhões que restavam do empréstimo estatal, que acarretava juros pesados (só por este empréstimo, o banco suportava quase 70 milhões de euros em juros por ano). Além disso, as operações internacionais contribuíram para os resultados do BCP com 87 milhões de euros, com destaque para a Polónia.

A situação do banco está a normalizar-se, depois da incerteza (incluindo acionista) dos últimos anos e prova disso é o fim dos cortes salariais e o programa de pagamento de prémios que o conselho de administração vai propor assim que esteja capaz de voltar a distribuir dividendos. Esse compromisso mostra que Nuno Amado “não esquece o esforço” dos quadros do banco, que assim poderão recuperar parte dos cortes salariais dos últimos anos — até 45,5 milhões de euros podem ser devolvidos nos próximos anos.

BCP termina com cortes salariais este mês, que afirmam ter salvo 400 postos de trabalho

A marcar a conferência de imprensa de apresentação de resultados do BCP estiveram, contudo, as críticas de Nuno Amado ao montante “desproporcionado” que o banco — tal como os concorrentes — paga em contribuições para os fundos de resolução (nacional e europeu), além do fundo de garantia de depósitos.

O custo que hoje temos já ultrapassa o que é razoável e é muito superior a qualquer outro banco europeu em termos relativos”, afirmou Nuno Amado, notando que, só até junho, o banco pagou cerca de 90 milhões de euros [o mesmo que os resultados líquidos, note-se] para financiar os mecanismos de resolução de bancos, e que apenas em Portugal desembolsou mais de 30 milhões de euros só para o Fundo de Resolução (nacional), que financiou as intervenções no BES e no Banif.

Este é um custo que os outros bancos na Europa não têm. Os custos dos bancos com o Fundo de Resolução foram, porém, reescalonados para alongar no tempo as responsabilidades — uma decisão que deu polémica no meio político e que, segundo a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), pode custar 633 milhões ao Estado.

O que não irá ajudar a pagar estes encargos é um eventual aumento substancial das comissões bancárias, a fazer fé nas palavras de Nuno Amado — que disse que “não há espaço para cobrar mais comissões em Portugal”.

Sem rodeios. Paulo Macedo deixou claro que a Caixa irá aumentar as comissões, aproximando-as da média do setor.

As comissões serão, contudo, um instrumento importante para a Caixa Geral de Depósitos voltar à rentabilidade — o presidente da comissão executiva, Paulo Macedo, não faz disso segredo, até porque está escrito no planos de recapitalização e de negócio que o banco público negociou com a Comissão Europeia, para poder ter a injeção de capital público que teve.

No dia em que apresentou mais 50 milhões de euros em prejuízos para a Caixa, onde também se incluem os custos com o programa de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo, Paulo Macedo sublinhou, sem rodeios, que “a Caixa tem uma determinação de cumprir o seu plano estratégico. O acordo que foi celebrado é no sentido de um aumento das comissões“.

Faria de Oliveira, da APB: “É legítimo cobrar comissões em qualquer atividade económica”

Se na apresentação dos resultados do primeiro trimestre — em abril — era o fecho de agências que dominava a “agenda mediática”, desta vez eram os aumentos de comissões no banco público — algo que mereceu um reparo sarcástico de Paulo Macedo: “talvez no próximo trimestre possamos falar sobre os resultados, em si”.

Num ano em que centenas de milhares de pensionistas recuperam valores de rendimento que tinham sido cortados nos últimos anos, a Caixa decidiu eliminar algumas isenções de comissões bancárias que vão incidir, também, sobre os pensionistas. Paulo Macedo defendeu que “a Caixa tem as comissões mais baixas do mercado — não em todos os produtos, nem é o objetivo — mas, no geral, a Caixa cobra entre um terço e metade das comissões dos outros bancos”.

No fim de semana, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa deu uma entrevista ao Diário de Notícias em que, ao seu jeito, se disse “sensível” à preocupação da administração em ter um banco rentável, após tantos anos de prejuízos. Mas, por outro lado, também está “sensível” — e espera que Paulo Macedo também esteja — em relação àqueles que vivem numa situação mais deprimida do ponto de vista económico e que podem sofrer com “certas medidas”.

CGD não pode esquecer os “mais deprimidos economicamente”

Voltando aos resultados, contudo — e fazendo a vontade a Paulo Macedo — o banco salientou a “tendência que vai no sentido certo” no campo da redução do rácio de crédito em risco, que caiu de 12,2% para 9,8%. Tal como o BCP, também a Caixa obteve um aumento importante na margem financeira — o indicador mais relevante para avaliar o desempenho dos bancos, pelo menos em tempos normais. A margem financeira subiu 18% para 656 milhões de euros, a beneficiar em parte de evoluções favoráveis em alguns instrumentos complexos (swaps) a que o banco está exposto.

Contudo, o banco público voltou a apresentar um volume de imparidades significativo — mais de 300 milhões –, ainda que não sejam todas imparidades de crédito mas, sim, “outras imparidades”. Também à semelhança do BCP, o banco estará a vender carteiras de crédito mais duvidoso a empresas especializadas, numa tentativa de colocar alguns problemas para trás das costas e seguir em frente com a reestruturação operacional.

António Ramalho. O líder do Novo Banco recupera o terreno perdido no corte de custos e tenta reduzir o crédito em incumprimento no banco.

Sem pré-aviso, inclusive a jornalistas e analistas, o Novo Banco apresentou resultados semestrais na mesma tarde de sexta-feira em que a Caixa Geral de Depósitos o fez. Estava Paulo Macedo, na sede da CGD, a começar a apresentar os números do banco público e no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) caía a informação de que o Novo Banco, liderado por António Ramalho, tinha fechado o primeiro semestre com prejuízos de 290 milhões — o resultado mais negativo, de longe, de toda a banca portuguesa.

“Estes resultados evidenciam o enorme esforço de reestruturação do banco, quer no aumento dos resultados operacionais, quer na redução continuada de custos”, afirmou António Ramalho, no comunicado enviado à imprensa. O banco continua a sentir o peso da reestruturação operacional que os outros bancos começaram há vários anos a fazer mas que não foi feita pelo banco que deu origem ao Novo Banco, o BES.

O produto bancário comercial do Novo Banco caiu 9,1%, no mesmo período em que o banco teve de registar mais 413 milhões em imparidades e provisões. Ainda assim, foi 28% menos do que no mesmo período do ano anterior, o que ajudou a reduzir os prejuízos líquidos de 363 milhões para os tais 290 milhões de euros.

Todos os bancos estão em circunstâncias diferentes, mas o Novo Banco é o que está, em mais aspetos, numa situação mais distinta do restante setor. Ainda assim, a administração do banco destacou que se tenha conseguido diminuir de forma “expressiva” a exposição a créditos em incumprimento: se em dezembro de 2016 o banco tinha 11,3 mil milhões de euros em risco, em junho tinha 10,4 mil milhões — as vendas de carteiras também terão tido, no Novo Banco, um papel importante.

As atenções no Novo Banco estão viradas para a venda de 75% do capital ao fundo Lone Star e para a operação de recompra de dívida que é decisiva para que a venda se concretize, e onde os particulares têm quase metade do valor que o banco vai querer “reestruturar”.

O banco com maiores lucros no sistema financeiro foi o Santander Totta, que atravessou os piores anos da crise sem nunca cair no “vermelho”, apesar de ser essa a cor do seu logótipo. No primeiro semestre de 2017, teve 229 milhões de euros em lucros líquidos.

Um dos fatores que ajudaram aos resultados do Santander Totta foram as comissões líquidas, que aumentaram 5% para 166,5 milhões de euros em seis meses. Questionado pelo Observador sobre este aumento, durante a conferência de imprensa de apresentação de resultados, António Vieira Monteiro diz que isto é um reflexo da maior “vinculação” e o número maior de operações que os clientes do Santander estão a demonstrar.

O banco conseguiu aumentar em 56% o número de novos créditos à habitação (que lhe conferem uma quota de produção de 19,4%), mas Vieira Monteiro deixou claro: uma coisa é a situação (positiva) no mercado imobiliário habitacional, mas as empresas continuam a ter necessidades de créditos mais baixas.

O crédito subiu apenas 0,6%, para uma carteira de 33 mil milhões de euros no segundo trimestre de 2017, com menos atividade na área empresarial, sobretudo. “Os pedidos de crédito não têm sido muitos”, disse Vieira Monteiro, lembrando que o crescimento do crédito foi baixo ou negativo em todos os bancos do sistema.

Quem quer crédito? A banca tem os “cofres cheios”

Os fundos europeus estão a tornar-se uma alternativa para algumas empresas, em algumas situações, e a própria recuperação económica está a ser feita com menos crédito, depois da desalavancagem dos últimos anos. Mas “é natural que no próximo trimestre a situação possa ser diferente”, adiantou o presidente executivo do Santander Totta.

Pablo Forero fez-se acompanhar de apenas mais um administrador na apresentação de resultados.

O BPI, o último dos cinco maiores bancos a operar em Portugal, apresentou os resultados semestrais poucas horas depois da notícia de que o Banco Central Europeu (BCE) tinha aprovado o nome de Pablo Forero para presidente executivo — é o espanhol que o CaixaBank nomeou para o lugar de Fernando Ulrich (que passou para presidente da administração) depois da Oferta Pública de Aquisição bem sucedida que o banco catalão lançou sobre o BPI.

Numa imagem que foi muito comentada nos meios financeiros nas últimas semanas, ao contrário da mesa cheia de administradores que normalmente ladeavam Ulrich nestes momentos, desta feita apenas havia Pablo Forero e outro administrador, José Pena do Amaral, que tem o pelouro da comunicação. Os outros? Por questões de agenda, porque tinham trabalho, foram dispensados de comparecer. Ficou, porém, o símbolo de que o BPI caminha, cada vez mais, para ser uma dependência do acionista controlador, o CaixaBank. Desta vez, também não foi realizada uma conference call com analistas, como é habitual suceder tratando-se de uma entidade cotada em bolsa.

Quanto aos números, os lucros do BPI subiram 77% no primeiro semestre quando se excluem dois efeitos não recorrentes importantes: custos com saídas de pessoal (reformas antecipadas e rescisões) e o facto de a participação no Banco Fomento Angola, ou BFA, (onde o BPI deixou de ser minoritário) ter deixado de ser consolidada nos resultados do banco. Metade dos resultados do BPI, porém, continuam a vir de Angola. Contudo, com o impacto das saídas de pessoal e com o ajuste contabilístico no BFA fizeram com que os resultados tenham, na realidade, sido negativos em 102 milhões de euros.

Na divulgação dos resultados, esta terça-feira, o banco indicou que as contas do primeiro semestre foram penalizadas em 290 milhões de euros (após impostos) pelos dois efeitos não recorrentes — 212 milhões perdidos (em termos contabilísticos) com a desconsolidação do BFA, que passou a ser um investimento financeiro (sem controlo maioritário) e 77 milhões com o programa de rescisões e reformas antecipadas voluntárias. O banco chegou a acordo para a saída progressiva de 519 quadros do banco, dos quais 292 por reforma antecipada e 227 por rescisão por mútuo acordo.

Pablo Foreo adiantou: agora, “temos a equipa que queremos ter“. Daqui para a frente, o “corte de custos não estará em pessoas mas em custos de funcionamento”, afirmou o executivo espanhol.

A margem financeira do banco caiu ligeiramente, mantendo-se na casa dos 200 milhões de euros, e as comissões subiram ligeiramente, mantendo-se na casa dos 130 milhões de euros (138 milhões). Pablo Forero não excluiu que o banco volte a aumentar as comissões — “é uma ferramenta que está lá, disponível” para responder, por exemplo, a um cenário em que a política monetária do BCE continua a ser de juros negativos como tem sido — mas não está nos planos imediatos do banco subir as comissões.

BPI passa para prejuízos de 102 milhões, com ajuste em Angola e com saídas de pessoal

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Sistema Financeiro

Vem aí o fim da Banca

Miguel Gouveia
495

A mudança do modelo de negócios da banca não será sustentável a médio e longo prazo devido ao aparecimento de novas empresas cuja concorrência será devastadora para os bancos.