De Brasília ao Paranoá. “O sistema ’tá todo corrompido. Não tem jeito”

30 Maio 2017143

Duas semanas de uma crise que avança a uma velocidade cada vez maior. Manifestações violentas, um Presidente a ver fugir apoios, a polícia militar na rua. De Brasília ao Paranoá, a descrença é grande.

Reportagem no Brasil

Brasília, quarta-feira, 24 de maio. Eram três da tarde quando Andreza recebeu uma chamada do irmão. Em pânico, Anderson gritava ao telefone “parece uma guerra, sai daí!”. Foi nessa altura que a funcionária do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário ouviu a primeira bomba. Correu para a janela do outro lado do prédio, o último da Esplanada dos Ministérios. Os confrontos entre a polícia militar e um grupo de manifestantes ainda estavam longe, junto ao Congresso Nacional, mas Andreza viu “muita gente correndo, com máscaras de gás ou usando roupa para cobrir o rosto e se proteger do fumo tóxico.”

Depois, foi tudo muito rápido, conta. Dentro do ministério a ordem era para evacuar e guardar todos os documentos importantes, “todo o mundo ficou desesperado, a informação que tínhamos é que os manifestantes estavam a incendiar e a destruir os outros edifícios”. Andreza e os colegas saíram à pressa pela garagem que dá para a rua de trás da Esplanada.

Não foi apenas quem trabalha nos ministérios que foi apanhado de surpresa, a polícia militar no local também. “Não esperávamos tanta agressividade. Dos detidos, vários são de outros Estados e foram contratados para estar ali. Os grupos que começaram os distúrbios não eram manifestantes. Não estavam ali pela queda do presidente ou para defender alguma causa. Foram pagos para estar lá, para jogar bombas na polícia, ferir as pessoas e colocar a população contra o Estado”, denuncia o sub-comandante Alves. Sobre os estragos aos edifícios e a outros bens públicos, o polícia militar explica: ”Estamos tentando entender o que falhou para o governo federal só chegar com as tropas federais já no fim do protesto, quando já tinha tudo acabado”. E acrescenta: “Havia um protocolo que dizia que a responsabilidade da segurança dos ministérios era do governo federal, essa questão está sendo investigada”.

Manifestantes incendeiam ministérios durante protesto @Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Num discurso na quinta-feira passada, no Congresso, a senadora Vanessa Grazziotin, do PC do B, falou também da existência de grupos externos ao protesto: “Eu estava lá e vi o que aconteceu. Havia grupos infiltrados, coesos, tentando passar para a população a ideia de que manifestação era baderna. Mas as pessoas estavam dizendo ‘não’ às reformas trabalhista e da previdência e ‘sim’ para as eleições diretas“. Horas antes, o Ministro da Defesa, Raul Jungmann, reagiu aos distúrbios na Esplanada: “O Presidente acionou a Advocacia Geral da União para que sejam feitas perícias em todos os imóveis e toda a Esplanada em que ocorreram atos de vandalismo e barbárie para que sejam levados à justiça e venham a pagar pelos danos cometidos todos aqueles que realizaram esses atos inaceitáveis e incompatíveis com um regime democrático”.

Manifestantes construíram barricadas ao longo da esplanada tentando evitar o avanço da polícia @Inês Subtil

No meio do caos, entre nuvens de fumo e sanitários químicos colocados no meio da estrada a servir de barricadas, Alex (nome fictício) corre com uma pedra na mão, um pedaço de um bloco maior, arremessado várias vezes contra o chão até partir, da calçada frente ao Ministério da Agricultura, um dos dois edifícios que arderam parcialmente durante o protesto. O jovem pede um pouco de água. Mal consegue abrir os olhos, apesar de ter a face toda branca, coberta de leite de magnésio, usada pelos manifestantes para atenuar os efeitos do gás lacrimogéneo. Enquanto sorve dois goles, conta que a ação dos chamados “black blocks” não se compara à repressão da polícia: “Isto para eles não é nada, olha as armas que eles usam. Um cara ali atrás levou um tiro na boca, arma de fogo mesmo”. Caem mais uma dezena de bombas junto ao grupo de Alex e ele corre. Pelo caminho decide libertar o peso que carrega e lança a pedra contra os vidros de uma paragem de autocarros.

Policiais atiram na direção de manifestantes em Brasília

Policiais militares sacaram armas de fogo e atiraram contra manifestantes, durante o protesto desta quarta-feira na Esplanada dos Ministérios. O registro foi feito pelo nosso fotógrafo André Coelho. Leia mais https://glo.bo/2qXyu9k #JornalOGlobo

Posted by O Globo on Wednesday, May 24, 2017

Duas horas antes, o ambiente ainda era tranquilo. Mais de cem mil pessoas, a maioria vindas de outros Estados do país, respondiam ao apelo de nove centrais sindicais e vários movimentos sociais para “Ocupar Brasília”. O protesto tinha sido convocado há mais de três semanas para contestar as reformas do trabalho e da previdência — a segurança social — no Brasil. Mas, com o estourar da crise política e os escândalos das gravações envolvendo Michel Temer, a ação transformara-se no maior protesto “Fora Temer” desde a tomada de posse do Presidente há cerca de um ano.

“Este governo é ilegítimo, é um governo golpista que não representa a classe trabalhadora do país”, explica Geraldo enquanto posa para as fotos. O sotaque bem carregado do nordestino não engana. O reformado da administração pública percorreu mais de dois mil quilómetros desde Recife para vir ao protesto na capital brasileira. “A gente tinha que vir mesmo. A gente tem medo de ainda perder mais direitos.” Ao lado, segurando um cartaz onde se lê “Temer se você mexe na previdência, o povo perde a paciência”, o amigo, Cícero, garante: “Se o presidente não renunciar, o povo vai fazer ele cair”.

Geraldo e Cícero são dois dos manifestantes transportados em mais de dois mil autocarros que vieram de vários pontos do país para o “Ocupa Brasília” @Inês Subtil

A tempestade em torno de Michel Temer já dura há duas semanas. A notícia, avançada pelo jornal O Globo, da denúncia dos donos da JBS, a maior empresa de carnes do mundo, dava conta de uma gravação que comprovaria que o Presidente tinha conhecimento de um esquema para comprar o silêncio de acusados da Lava-jato, entre eles o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, preso desde outubro. Além do Presidente, também o ex-senador e ex-líder do PSDB, Aécio Neves, teria sido gravado a negociar um suborno de mais de quinhentos mil euros (dois milhões de reais) com o empresário Joesley Batista. De lá para cá, foram presos a irmã e um primo do ex-senador. A defesa de Aécio Neves tem quinze dias para responder ao pedido de prisão da Procuradoria-geral da República.

Por seu lado, Michel Temer continua a manter-se em cima da corda, rejeitando com veemência a renúncia, num equilíbrio precário que ameaça ruir ou tornar-se demasiado frágil para o manter de pé.

Prova disso é o decreto emitido por Temer na quarta-feira passada, no meio da hecatombe na Esplanada dos Ministérios. Sem controlo da manifestação, o Presidente convocou as forças armadas a intervir. A decisão acabaria por fazer ricochete e afetaria ainda mais Temer, que acabou duramente criticado dentro e fora do Congresso e um dia depois voltou atrás, revogando o decreto e garantindo que a ordem tinha sido restabelecida.

@Inês Subtil

O momento fez lembrar a alguns a ditadura de 1964, quando os militares tomaram as ruas e o poder do Brasil. “A soberania popular foi atropelada e está sendo violada a soberania nacional”. A camisa branca, imaculada, de Hamilton Pereira da Silva, contrasta com o crescendo da violência que o poeta e ex-preso político ligado ao Partido dos Trabalhadores descreve nos últimos meses no país.

Hamilton fala das revoltas nas prisões brasileiras em janeiro, do protesto na Esplanada, e da ação conjunta das polícias civil e militar que na quarta-feira passada, o mesmo dia da manifestação, terminou com a morte de dez trabalhadores rurais na Fazenda Santa Lúcia, no Pará. É o episódio mais violento do conflito agrário em 21 anos. Desde o início do ano, morreram 36 pessoas por conflitos agrários, os números são da Comissão Pastoral da Terra.

Para o ex-preso político, após o impeachment de Dilma Rousseff “houve uma reação das oligarquias contra o primeiro esboço do que poderia ser o Brasil como um Estado de bem-estar social, foi liberada uma energia social negativa estarrecedora, são reservas e reservas de violência sedimentadas na sociedade brasileira”. E acrescenta: “Nós tivemos a casa assaltada e os assaltantes precisam saqueá-la antes que os donos da casa despertem”.

Perder apoios

As reformas em curso, a do trabalho e da previdência, principais bandeiras do governo, parecem ter sido adiadas sem data para serem retomadas. Ninguém acredita ainda ser possível que elas sejam votadas nas próximas semanas.

Na comunicação social brasileira as ondas de choque dos acontecimentos mais recentes que envolvem o Presidente em escutas que alegadamente comprovam corrupção, também se estão a fazer sentir. Um exemplo disso é o editorial do jornal O Globo, publicado no dia 19 de maio, dois dias depois da divulgação do escândalo envolvendo o Presidente. O jornal, que desde o início era identificado como pró-Temer — chegaram a ver-se manifestações anti-Globo no Congresso — escreve: “A crença nesse projeto não pode levar ao autoengano, à cegueira, a virar as costas para a verdade (…) Nenhum cidadão, cônscio das obrigações da cidadania, pode deixar de reconhecer que o presidente perdeu as condições morais, éticas, políticas e administrativas para continuar governando o Brasil.”

“A crença nesse projeto não pode levar ao autoengano, à cegueira, a virar as costas para a verdade (…) Nenhum cidadão, cônscio das obrigações da cidadania, pode deixar de reconhecer que o presidente perdeu as condições morais, éticas, políticas e administrativas para continuar governando o Brasil.”
Editorial do jornal O Globo, publicado a 19 de maio

O outro apoio fundamental para o governo, os grandes empresários, tenta manter-se à tona intensificando as negociações nos bastidores. Parte do problema, explica o cientista político Vitor Marchetti, professor da Universidade Federal do ABC, em entrevista ao site Carta Capital, é que Temer mostrou-se “incapaz de estancar a sangria” provocada pelo caso Lava Jato. Neste salve-se quem puder, o sector empresarial do governo procura novas parcerias para levar a cabo as mudanças políticas desejadas pelo grupo, “o principal indício disso, o mais emblemático, é a reunião da juíza Cármen Lúcia [Presidente do Supremo Tribunal Federal] com uma parte do “PIB” [grandes empresários], feita recentemente”, afirma o cientista político. Para Marchetti, os encontros podem ser ainda presságio de uma nova aliança entre os poderes económicos e judiciários, deixando de lado o tão já manchado setor político.

Paranoá: descrença geral

Ao final do dia a aparelhagem do boteco “Pé de Manga” toca mais um êxito do sertanejo nacional. “Deixa esse cara de lado / Você apenas escolheu o cara errado / Sofre no presente por causa do seu passado / Do que adianta chorar pelo leite derramado”. Natália canta o refrão usando o copo de cerveja como microfone e sorri mostrando a fileira de dentes impecavelmente alinhada, resultado do aparelho dentário que usou “quando ainda dava p’ra viver neste país”.

A trinta quilómetros de Brasília fica o Paranoá, uma pequena cidade dos subúrbios, que cresceu de forma atabalhoada em torno da avenida principal, durante os anos de “boom” económico do Brasil. Aqui a descrença é geral sobre o que se passa na capital política do país. “O Lula roubava, mas pelo menos ele ajudava. Aí veio a Dilma e lascou com a gente”, explica Natália. Sobre a manifestação na Esplanada, a jovem diz que acha um absurdo tanta violência”. Na mesa ao lado, Dato, empresário de peças de automóvel, interrompe para dizer que “todo o sistema político ‘tá falido. Eu nunca acreditei no Lula, só triplicou a corrupção no Brasil. Hoje a credibilidade dos políticos não existe. Deviam ser todos presos”.

@Inês Subtil

O boteco fica em frente da rodoviária da cidade, local de chegada e partida para Brasília. Pintado de rosa choque e atulhado de caixas de cerveja no interior, só tem mesas cá fora. Apesar disso, o clima do cerrado, quente e seco, nesta época sem chuvas, vai trazendo cada vez mais gente para aquele oásis florescente, lugar de redenção para a realidade dura que assola o país. À mesa de Dato acaba de chegar William, com uma porção de espetinho de carne grelhada vendida numa das várias bancas improvisadas que fazem negócio à noite ao lado do bar. O jovem começa por revirar os olhos quando ouve falar de Temer, mas depois desabafa: “Num momento de lazer a gente tem essa tristeza de falar de política”. “Aqui em Brasília, vou nem falar dos outros lugares, mas a gente aqui deveria viver como num país do primeiro mundo. É uma vergonha”, afirma. “O problema é que político não vai a hospital público, não anda de ónibus, não sabe como a gente vive. É uma vergonha”, repete já com os olhos a brilhar de raiva. William está desempregado, é um dos mais de 14 milhões de brasileiros nesta situação.

Ainda não são nove da noite, as garrafas de cerveja vão chegando e ficando vazias a grande velocidade. Ninguém parece mais ter energia ou saber como desatar o nó em que o Brasil está envolvido. Fala-se de eleições diretas como solução para “tirar todo o mundo corrupto que ‘tá lá no Congresso”, mas logo alguém lembra: “Eles não vão deixar o povo escolher”. É Dato quem se adianta na conversa: “O sistema ‘tá todo corrompido. Não tem jeito”. Para depois rematar, em lamúria, com as duas mãos abertas no ar: “A gente vai recorrer a quem? Se a gente nem acredita nem na própria Justiça daqui.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site