Logo Observador

Eriksson. “Uma palavra em português? Benfica”

12 Maio 2017248

O "Questões do Forno Interno" entrevista o único treinador com dobradinhas em três países, agora a desbravar caminho na China. Cuidado, isto mete Ikea, sueca e Macieira.

Gostámos tanto tanto, mas tanto, da China que decidimos acampar por aqui. Se há uma semana é Manuel Cajuda, treinador de um clube da 3.ª divisão, agora falamos com um homem da 2.ª. Um homem especial pelo tom de voz, pela simplicidade do ser e pela quantidade de títulos. Para começar, é o único treinador de sempre a juntar campeonato mais taça no mesmo ano em três países. Primeiro na Suécia (IFK Gotemburgo 1982). Depois em Portugal (Benfica 1983). Finalmente em Itália (Lazio 2000). Se a isso juntarmos o facto de ter chegado a três finais da Taça UEFA por clubes diferentes (IFK 1982, Benfica 1983 e Lazio 1999), está o caldo entornado. Que categoria, chi-ça. Sven-Göran Eriksson é o nome de quem se fala. Atual treinador do Shenzhen, terceiro classificado da 2.ª divisão, é um craque em todos os sentidos. Aos 69 anos de idade (Cristiano Ronaldo nasce no mesmo dia de Sven: 5 fevereiro), ainda irradia vontade de fazer história como treinador, a sua profissão desde 1977.

Mr. Eriksson, good morning.
Boa noite.

Tem razão. Mr. Eriksson, boa noite.
Ahhhh, agora sim. Boa noite.

Ufff, fala português [um português-assuecado, vá]. Sabe mais palavras?
Benfica.

Muito bem. E mais?
Tudo bem?

Tudo, claro.
Como te chamas?

Daqui Rui Miguel Tovar.
Tovar? Conheço esse nome há muuuuitos, muitos anos. Jornalista português, certo? Entrevistou-me algumas vezes, na RTP.

Esse é o meu pai.
Ah, boa boa. Um bom pai leva sempre o filho pelo bom caminho.

Bons tempos, esses das entrevistas com o meu pai na RTP?
Uyyyy, claro que sim. Fui para um país magnífico, que conheci de Norte a Sul, e dei continuidade à minha carreira, com títulos.

Quem é o responsável pela sua contratação?
Um visionário chamado Fernando Martins.

Visionário, como? Afinal, o Eriksson tinha ganho a Taça UEFA pelo IFK Gotemburgo na época anterior.
Vou responder em duas fases. Era visionário pela sua filosofia: salários normais, prémios de jogo altos. E era visionário porque viu em mim qualidades para liderar uma grande equipa europeia como o Benfica. Eu só tinha 34 anos e era sueco, de um país sem tradição no futebol mundial.

O que fez ele para contratá-lo?
Reuniu os dirigentes e explicou-lhes a ideia. Muitos deles torceram o nariz ao meu nome, um desconhecido, ainda por cima da Suécia, e ele simulou um ataque cardíaco. A secretária dele estava de conluio e chamou logo uma ambulância. Grande confusão. O meu nome foi avante mas 18 dirigentes demitiram-se contra a decisão de Fernando Martins de me contratar.

Eis Eriksson em Portugal. Ainda se lembra do primeiro dia?
É uma boa história.

Conte.
Aterrámos em Lisboa e a minha mulher apresentou-se, sem querer, com uma camisola verde e brancas às riscas.

Como o Sporting ou como o Rio Ave?
Como o Sporting, ahahahah. Imagina lá isto. O presidente Fernando Martins avisou-a simpaticamente para nunca mais o fazer, ahahah.

E ainda se lembra do primeiro jogo?
Claro que sim, nunca se esquece. Primeira jornada do campeonato. Ganhámos 1-0 ao Espinho, em campo neutro [São João da Madeira], com um golo de Humberto Coelho.

E do primeiro jogo na Luz?
Também me lembro, óbvio.

[silêncio daqui]
[silêncio dali]

Então, qual foi o resultado?
Ahahahah, julga que não sei: 3-0 ao Boavista.

E, já agora, o plantel. Lembra-se de fio a pavio?
A mudança na minha vida foi tão positiva, da Suécia para Portugal, que todos esses momentos são inesquecíveis. O presidente era um visionário-corajoso, o estádio era enorme, lindo, os adeptos eram aglutinadores e a equipa era mágica. Veja lá os jogadores com nível de seleção: Bento, Pietra, Bastos Lopes, Humberto, Veloso, Álvaro, Shéu, Carlos Manuel, José Luís, Alves, Chalana, Diamantino, Nené, Filipovic, Stromberg, Manniche e por aí fora. Tive a sorte de conquistar esses jogadores e de nos darmos todos muito bem.

Que época.
Digo-lhe mais sobre essa época de estreia: só perdemos duas vezes em 49 jogos: 1-0 em Alvalade com o Sporting e 1-0 em Bruxelas com o Anderlecht, na 1.ª mão da final da Taça UEFA. Ganhámos campeonato e taça.

Qual taça?
A de Portugal. Fizemos a dobradinha.

Com quem é essa final?
Isso tem história rica em acontecimentos. É aquele Porto-Benfica nas Antas.

Ahhhhh, a taça fora de época?
Isso, em agosto.

Houve um problemazinho, não houve?
É uma maneira de colocar as coisas, ahahahah. O presidente Fernando Martins não achava normal uma final da Taça entre Porto e Benfica nas Antas. O caso arrastou-se e fomos de férias sem o resolver. Em agosto, lá fomos jogar.

E o Benfica ganhou?
Ganhámos, sim. Um-zero com golo do Carlos Manuel. Um daqueles pontapés de fora da área. Ele era extremamente importante nesse tipo de lances e resolvemos muitos jogos assim. Esse do Porto é só um deles.

Começava aqui a lenda de Eriksson nas Antas.
Às vezes, ganhava lá.

Há aquela histórica vitória nas Antas com dois golos do César Brito.
Ahhhh, esse jogo também dava um filme.

Dá para contar?
O autocarro da nossa equipa é travado pelos adeptos, inclusive apedrejado uma vez, já perto do estádio, e temos de ir a pé até às Antas, a carregar sacos, por entre adeptos e mais adeptos, debaixo de insultos. Foi [compasso de espera, à procura da melhor palavra] intimidante. Entrámos no estádio, por fim, e o balneário está fechado com um cadeado.

Fechado, como assim?
O presidente Pinto da Costa dera ordens para só abrir a porta a uma hora do início do jogo. Quando o encontro no meio dos túneis, ele diz-me: “Respeito-o muito, Sr. Eriksson, mas guerra é guerra.”

A porta do balneário abre-se mesmo a uma hora do início do jogo?
Abre-se eeeeee é um cheiro que nem se pode. Intenso. Aquilo não dava para estar ali, simplesmente não dava. Equipámo-nos no túnel, há fotos disso e tudo.

E depois, e depois?
Fomos a jogo.

Com três centrais.
Ricardo, Paulo [Madeira] e William. No meio, Thern e Paulo Sousa. À direita, Paneira. À esquerda, Veloso. No ataque, Valdo a 10 mais Rui Águas a 9. Ao lado dele, Pacheco.

Ao intervalo, 0-0.
Correto.

Aos 80 minutos, 0-0.
Correto.

No banco, Magnusson, Isaías e César Brito.
Fiz entrar o César Brito.

Saiu o Pacheco.
Correto. Foi a melhor substituição da minha carreira. Já dei voltas à cabeça e admito-o. Ahahahahahah. O César Brito entrou e revolucionou o jogo. Na primeira vez que toca na bola, 1-0. Na segunda, 2-0. Fomos campeões nacionais.

O Eriksson ainda volta às Antas mais uma vez.
Hum?

Pela Sampdoria.
Pois foooooi. Estava em modo Benfica e, de repente, fala-me da Sampdoria.

Taça das Taças.
Sim, lembro-me perfeitamente. Aliás, nunca mais me esquecerei de me reencontrar com o grande Bobby Robson. Quando eu ainda não tinha ganho nada, viajei até à Inglaterra para ver ver um jogo do Ipswich, treinado por ele. Perguntei-lhe se podia falar-lhe por cinco minutos e ele convidou-me para me sentar ao seu lado no banco, durante o jogo do dia seguinte, com o Aston Villa.

Uau, que honra.
Apareci na televisão e o jogo deu em direto na Suécia. Os meus pais encheram-se de orgulho e eu nem lhe conto. Ainda não havia telemóveis nem emails, senão seria bonito.

E esse reencontro com o Robson no Porto?
Ele tinha ganho em Génova, na 1.ª mão. Um golo do Iuran, se não me falha a memória [e não falha, não senhor]. Nas Antas, nós copiámos o resultado com um golo do Mancini.

Reencontra-se também com Pinto da Costa?
Antes do jogo, lembro-lhe aquela vez com o Benfica em 1991 e ele ri-se. No fim, sou eu quem se ri: 5-3 nos penáltis [falha Latapy, decide Lombardo].

O Eriksson sempre foi um homem sorridente. É a sua imagem de marca.
Chamavam-me Ice Man em Inglaterra.

Cá, o Eriksson é o Macieira Man.
Ahahahah, essa é boa. Que memórias belíssimas.

Lembro-me dos cartazes na rua e dos anúncios nas páginas de revistas. Aquela foto é mítica. Como é que tudo isso aconteceu?
[Eriksson continua a rir-se] [ainda está a rir-se] [é agora?] [nãããããã, só mais um pouco, se faz favor] Foi o meu agente que fez um acordo com o senhor da Macieira e passei a usar aquele chapéu branco com a tira preta.

Grande lance de marketing.
Marketing pré-histórico, isso sim. Que aventura.

Aproveitou, ao menos?
O quê?

Alguma vez bebeu Macieira?
Macieira e outras bebidas desse tipo. Eram boas. E também conheci o tal senhor, muito, muito simpático.

Três títulos de campeão português em quatro anos é dose.
Foi um período ótimo, como lhe digo. A qualidade do Benfica era excecional.

Por isso é que Eriksson chega a duas finais europeias?
Isso mesmo, era uma equipa fabulosa. Tanto a 1983 como a de 1990. Havia bons jogadores, bom ambiente, boa estrutura.

E um bom treinador.
Ahahahah. Obrigado.

Como é que se perdem duas finais europeias?
O Anderlecht em 1983 era um portento, era quase a seleção belga com um ou outro estrangeiro de renome. Perdemos lá por 1-0. Cá, a Luz já estava abarrotada a três horas do início do jogo. O ambiente era magnífico e tudo parecia estar bem encaminhado com o golo do Shéu. Só que eles fizeram o 1-1 e stop. A festa foi deles. Pena para o clube, que merecia aquela taça pelo caminho exemplar até à final, sem uma derrota sequer. E pena para aqueles adeptos que seguiam o Benfica para todo o lado. Era incrível vê-los em qualquer parte da Europa, fosse em Bruxelas Roma ou Sevilha.

Fala-se de problemas com o Alves no jogo da 2.ª mão.
Comigo? Não creio, não me lembro. Lembro-me, isso sim, é de ele ter sido suplente nesse jogo, por opção técnica. Entrou aos 62’ e depois disse-me que se tivesse sido titular, o Benfica não teria perdido a taça. Ahahahah, gostei. Ele era muito corajoso na forma como se dirigia às pessoas.

Em 1990, é a final da Taça dos Campeões com o Milan.
Um ataque de sonho: Gullit e Van Basten. Daí para trás, era só isto: Rijkaard, Evani, Ancelotti, Baresi, Costacurta, Maldini, Tassotti. Enfim.

Diz-se que soa um apito das bancadas no golo de Rijkaard. Que é isso que trava a defesa do Benfica.
Também ouvi isso, mas não me parece. Aldair subiu ligeiramente mais do que devia e o Rijkaard apareceu naquele espaço para se isolar. O Milan era um exemplo na arte de aproveitar o mínimo deslize. As equipas italianas, no geral.

Diz o Eriksson, campeão italiano pela Lazio em 2000.
Esse é outro momento grandioso. Uma equipa que não era campeã desde 1974.

No plantel, dois portugueses: Sérgio Conceição e Fernando Couto.
Dois excelentes seres humanos. Jogadores top, da grande seleção portuguesa do Euro-2000.

No Europeu seguinte, o de 2004, Eriksson volta à Luz.
À nova Luz. E para viver dois momentos arrepiantes.

Dois?
O primeiro é aquela derrota com a França, na primeira jornada da fase de grupos. O Lampard faz o 1-0 e depois temos um penálti. Infelizmente, o Barthez defende o remate do Beckham. Na parte final, Zidane marca duas vezes. De livre direto e de penálti. A frustração foi imensa. Só naquele dia. Depois, a Inglaterra acertou o passo e conseguimos passar aos quartos-de-final.

Aí é Portugal.
Portugal de Scolari, o homem que nos eliminou no Mundial-2002 (Brasil 2 Inglaterra 1). Nesse jogo, conseguimos a vantagem por Owen na sequência de um erro de Portugal. Depois, o Rooney lesionou-se. Tinha dito, dias antes, que só vira um jogador de 18 anos exibir tanta qualidade numa fase final e esse era Pelé em 1958. Agora, Rooney. Ele estava com uma força e uma vontade imensas. Aquele lance em que se lesionou diminuiu as nossas possibilidades. Fiz entrar o Vassell, que conhecia bem e até o estreara na seleção. Aliás, na estreia, ele marcou um belíssimo golo de bicicleta. Só que o Vassell não era o Rooney. E Portugal aproveitou para empatar. No prolongamento, outro 1-1 em golos. Nos penáltis, é aquilo que toda a gente.

No Mundial-2006, mais do mesmo.
Aí sem o Rooney, de novo. Ele foi expulso. Arrastámos, por assim dizer, o jogo para os penáltis num ambiente intenso em Gelsenkirchen, com o estádio fechado. Ouviam-se os adeptos como se estivessem ao meu lado, no banco. Penáltis e adeus Mundial.

Saiu triste da Inglaterra?
Foi o trabalho mais difícil da minha vida e o lugar mais alto da minha carreira. Uma vez, encontrei o então Primeiro-Ministro Tony Blair no aeroporto de Luton e ele meteu-se comigo: ‘Vamos ver quem aguenta mais tempo no cargo’. Queria ganhar, claro, mas fui sempre eliminado nos quartos-de-final: Mundial-2002, Euro-2004, Mundial-2006.

Sempre por Scolari.
Ahahah, é verdade. Aqui na China, também já perdi um campeonato para ele.

Sente saudades de Portugal?
Saudade é uma palavra bem portuguesa. Bonita. Carregada de sentimento. Sinto saudade, claro. Vivi grandes momentos.

Lembra-se ainda dos nomes dos estádios, por exemplo.
Sporting, Alvalade. Porto, Antas. Braga, 1.º de Maio. Guimarães, D. Afonso Henriques. Faro, São Luís. Setúbal, Bonfim. Marítimo, Barreiros.

E mais coisas de Portugal?
Cascais.

Vivia lá, não era?
Verdade. Os meus vizinhos eram Strömberg e Manniche.

E mais?
A Marginal, que vista, e o trânsito, ahahahahah.

E ainda não havia Ikea no tempo do Eriksson.
Ahahahahah, o Ikea já existia na Suécia antes de eu nascer. A minha primeira casa na Suécia foi toda do Ikea. Gostava do Ikea para entrar e comer.

Comer?
Ótima comida sueca.

Há Ikea na China?
Há oito. Um deles aqui, em Shenzhen.

É grande?
Grande? Enooorme. Na lista dos dez maiores Ikea’s do Mundo, oito são da China. Isto é um mundo à parte.

Como passa o tempo aí na China, a jogar à sueca?
Ahahahah. Jogava muito em família, lá em casa. Era à sueca e ao póquer.

Dava-se bem?
[silêncio] Nem por isso. Perdia quase sempre, ahahahah.

No futebol é bem diferente.
Ganhei muitos títulos, muitos amigos e belas memórias. Tudo de bom. Quero continuar a acumular essas experiências.

Até quando?
Até sempre. Não consigo deixar de ser treinador. Adoro treinar. É mais uma vocação do que uma profissão. Acordo e quero sair para treinar, jogar. Não sei fazer mais nada. Se vou de férias, aborreço-me em pouco menos de um mês. Ahahahahah.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rmtovar@observador.pt