Comportamento

A esperança é o café da manhã

Autor
612

O que nos faz agir e transcender em cada dia é a esperança de que alguma coisa se componha, de encontrar sentido para a vida, de evoluir, de perceber mais. E temos esperança pela certeza do inesperado

A esperança, neste mundo de guerras e conflitos, atentados contra inocentes e tensões permanentes, é uma questão tramada, por assim dizer. De que é feita a esperança? E serve para quê? Faz algum sentido cultivar uma atitude de esperança quando tanta coisa à nossa volta convoca à raiva, ao ódio e ressentimento ou, até, à desesperança? Não será muito mais natural e, porventura saudável, detestar, retaliar e vingar? De que adianta falar daquilo que menos temos, numa era de pessimismo crónico?

“Quando falamos de esperança não podemos deixar de partir da constatação do facto de que estamos numa condição de falta”, disse o italiano Paolo Galardi este fim de semana, em Viseu, num encontro internacional promovido pela CNAL – Conferência Nacional de Apostolado dos Leigos, cujo tema era justamente “Este é o tempo para esperar contra toda a esperança, para trabalhar pela justiça e pela paz”.

Paolo Galardi, artista, padre e conselheiro espiritual do atelier de teologia do Centro Aletti – Instituto Pontifício Oriental, em Roma, fez questão de sublinhar que “a esperança não é optimismo, não consiste em viver confiando numa deusa da sorte que talvez faça girar as coisas a nosso favor. É uma visão que vai além do presente, mas deve ser uma visão real, para não ser ilusão”. E ilustrou esta visão realista, por oposição a qualquer fantasia ilusionista, partilhando a sua experiência recente com um grupo de reclusos da prisão de Rebibbia, em Roma, a quem ensina a arte do mosaico.

– Rapazes! (não são muito jovens, mas este é o jargão da cadeia), posso fazer-vos uma pergunta? O que acham sobre a esperança? O que é para vocês?
Fez-se um momento de silêncio. O primeiro a responder foi o Giuseppe: “eu acho que a esperança é a liberdade”.
Depois o Gianluca acrescentou: “para nós a esperança é o café de manhã, é o que nos faz andar para a frente”.
O Pasquale continuou: “a nossa esperança é reencontrar um dia aquilo que deixámos”. E disse ainda: “a esperança para nós, presos, é que esta experiência da prisão possa um dia fazer sentido. Que possamos um dia dizer que serviu para alguma coisa!”.

Confesso que não esperava nada receber respostas tão profundas da parte deles. Engoli as lágrimas enquanto eles falavam e tomei nota dessas palavras numa folha. Estamos “presos” na cadeia da nossa individualidade egoísta e se não tivéssemos cadeias nem sequer existiria a esperança”.

Portanto, Paolo Galardi disse e repetiu: “quando falamos de esperança não podemos não partir da constatação do facto de que estamos numa condição de falta”.

É interessante perceber como a esperança frutifica na escassez e os seus frutos, esses sim, abundantes, se colhem sempre no futuro. Nesta lógica, poderíamos dizer que a esperança é o melhor exílio que podemos encontrar para escapar ao presente. Como não há existência sem negativo nem o mundo humano pode ser inteiramente ‘zen’, a esperança funciona como “uma intuição sobre o futuro”.

A frase vem cheia de beleza, mas também carregada de sentido. Voltando à partilha sobre as conversas com os seus amigos presos, Paolo Galardi deteve-se no facto de um deles ter dito que a esperança era encontrar alguma coisa que deixamos, mas nos pertence.

Eles disseram uma coisa muito verdadeira. Trata-se na realidade de um trabalho de memória mas não uma memória do passado. Recordar eventos passados é uma coisa natural, mas nós, os cristãos, temos uma memória do futuro, uma memória possível num tempo onde a fragmentação pode ser curada.
Nós estamos habituados a pensar que o reino dos céus é o efeito da forma como as coisas correm na terra, como se ele fosse o efeito dos nossos esforços, mas esse reino não é a consequência, é antes a causa, é a razão pela qual subsistem o tempo e o mundo. A verdade de cada ser humano não está no passado: eu não sou o produto dos meus pais e da minha história passada. A nossa verdade está no futuro, no futuro para o qual está orientada.”

A perspectiva invertida que Galardi evocou dá que pensar. Citou Evágrio Pôntico, monge do século IV, quando este escreveu: “Se queres conhecer aquilo que és, não olhes o que foste, mas sim o ícone que Deus tinha em mente ao criar-te”. Neste sentido, a esperança atira-nos para a frente e faz-nos caminhar sem pré-determinismos para um futuro que tem o duplo poder de resgatar presente e passado. Faz sentido, sobretudo quando conhecemos pessoas concretas que durante muitos anos foram uma coisa e, depois, passaram a ser outra, infinitamente melhor e maior. Penso em pessoas como o Johnson Semedo, fundador da Academia do Johnson, na Cova da Moura, também ele ex-recluso, que, depois de cumprir a sua pena, foi capaz de converter todo o negativo da sua vida em positivo, passando ele próprio a resgatar crianças e jovens da criminalidade, evitando assim que percorressem os mesmos caminhos que ele percorreu.

Para quem não crê, nem se revê na terminologia cristã de Galardi e da maioria dos presentes que se reuniram em Viseu (para cima de 500, mas nem todos católicos), talvez faça sentido contrastar a esperança imaginando um mundo sem ela. Imaginando um mundo anestesiado, ensimesmado, desolado, demisso e sem qualquer expectativa de futuro. Seria um inferno, certamente.

O que nos faz agir e transcender em cada dia é a esperança de que alguma coisa se componha, de encontrar sentido para a vida, de evoluir, de saber mais e perceber melhor, e por aí adiante. O que nos faz ter esperança é a certeza do inesperado. Se esse inesperado ainda por cima corresponde à surpresa de nos elevarmos à altura da imagem, do tal ícone que Alguém (Deus para os cristãos, o Universo ou outra entidade superior para quem tem outras crenças) tinha em mente quando nos criou, então a esperança ganha ainda mais sentido e tem seguramente mais impacto no quotidiano de cada um.

A esperança é muito contagiosa, mas precisa de ser injectada. Na altura dos atentados de Paris alguém disse publicamente que “não podemos ficar fechados no choque, no estado siderado, na atitude do aflito ou no pavor dos que vivem cheios de medos”. Perder a esperança não pode ser opção, porque nos arrasta para a beira da estrada. É saudável, sim, odiar o mal e detestar a desumanidade, a barbárie, a destruição absurda e a matança de inocentes.

Para que a esperança contagie muitos, muito depressa, é preciso definir os valores que queremos defender, eleger as causas em que queremos militar e ordenar as prioridades de cada dia.

Se calhar também é preciso fazer uma certa dieta de écrans ou, no mínimo, fazer como se faz com os animais que temos em casa: domesticar os hábitos de consumo de telemóveis, tablets, computadores e televisões, para não nos toldarem nem intoxicarem, entupindo as veias por onde corre esse soro salvífico da esperança. Afinal precisamos tanto dela como do café da manhã para nos despertar e pôr a caminho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

Bons pais fazem asneiras de 8h em 8h

Laurinda Alves
1.303

Acrescentar a família com mais filhos sim, mas sem pensar demais, sem perder muito tempo, para não perder também a oportunidade e, sobretudo, para não ceder a argumentos acessórios, longe do essencial

Consumidores

O cliente é parvo e nunca tem razão

Laurinda Alves
4.349

Existe um sem número de empresas que nos fazem pagar valores inconcebíveis por bens e serviços, usurpam-nos o dinheiro, põem-nos de castigo ou desprezam-nos mesmo quando foram elas que se portaram mal

António Costa

As perguntas difíceis são de borla

Laurinda Alves
1.926

Esperar de um círculo de adultos que se dispõe a receber dinheiro para ir fazer perguntas ao PM e contar que vão lá pôr as mãos no lume dos temas que queimam é mais absurdo que acreditar no Pai Natal.

Comportamento

Elogio da indiferença

Paulo Tunhas
160

Os micrologistas tendem à especialização em áreas particulares: alimentação, linguagem, e por aí adiante. Vigiam e incitam à punição. Os seus porta-vozes mais conhecidos são os “jornalistas de causas"

Autarquias

A arma secreta do civismo

Luís Newton
700

Se em nossas casas cumprimos regras para que as famílias vivam em harmonia, porque é que quando alguns saem às ruas optam por não cumprir as regras que permitem que a comunidade possa fazer o mesmo?

Comportamento

Ao terceiro dia

Laurinda Alves
4.889

Nas alturas em que a vida parece indecifrável e as rotinas ficam abaladas, o mundo fica um lugar tão estranho que apetece apagar a luz e pedir para nos acordarem quando tudo tiver passado.

Comportamento

A crise do casamento em Portugal

António Pimenta de Brito

Houve épocas em que a “maioria” defendia a escravatura, pelo que se não nos guiarmos por um direito natural, o jus naturale imutável de que os romanos falavam, ficamos reféns das maiorias a cada tempo

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site