Logo Observador
Crónica

A extracção

Autor

Para eu poder conhecer um segredo de alguém tenho de ser capaz de formular as premissas de um raciocínio de que não conheço a conclusão; ou os termos de um problema para que não conheço a solução.

Como tirar nabos da púcara? A extracção apresenta dificuldades. Quando é imperceptível os resultados são desultórios; quando é ostensiva são nulos. Tentou-se historicamente uma série de métodos. A tortura e as confissões forçadas têm um alcance muito limitado, e tendem a matar a galinha dos ovos de oiro; e aliás a galinha. A obtenção ilegal de dados é ilegal. As perguntas directas são francas e não causam vítimas: mas há uma relação muito antiga entre perguntas francas e respostas falsas. Todos estes insucessos tornam mais necessário um método alternativo.

A teoria do físico é para muitos o candidato mais plausível a método alternativo. Num filme antigo, um físico tenta extrair um segredo de outro físico. O seu único trunfo é saber falar como um físico. Sabe assim como interessar um físico por aquilo que está a dizer. Vai ter com o outro físico e começa a falar como um físico. O outro físico entusiasma-se e corrige o primeiro; ao fazê-lo revela o segredo. Nesse momento, o primeiro físico faz durante um segundo uma cara espantada, exactamente igual às que nós fazemos quando ficamos espantados. O segundo físico percebe: “Você não me estava a dizer nada.” Mas era tarde demais: o segredo tinha já sido extraído.

A teoria do físico descreve-se do seguinte modo: se conseguirmos fazer alguém acreditar que estamos a descrever aquilo em que está a pensar, essa pessoa tenderá também a imaginar que quem o consegue fazer tão perfeitamente não pode ser uma outra pessoa; não haverá assim qualquer razão para ter segredos para essa pessoa. Terá o primeiro físico então convencido o segundo físico de que não era outra pessoa? A teoria é estapafúrdia. A extracção de nabos de púcaras é sempre um processo em que alguém é enganado. Requer pois uma outra pessoa: é impossivel enganarmo-nos a nós próprios.

No entanto aquilo que se passa no filme não é apenas, ou exactamente, um exemplo de um físico a enganar outro físico: e por uma razão que passou despercebida a ambos os físicos, e que a teoria do físico não contempla. A razão é a seguinte: para eu poder conhecer um segredo de alguém tenho de ser capaz de formular as premissas de um raciocínio de que não conheço a conclusão; ou os termos de um problema para que não conheço a solução. O meu sucesso deve-se assim não ao facto de eu conseguir enganar outra pessoa mas a haver uma relação entre premissas e conclusão ou entre termos e solução que não depende de mim. É essa relação que permite a extracção. É por isso que, como observou alguém, se conseguimos fazer uma pergunta também normalmente lhe conseguimos responder. Ambos os físicos do filme se enganaram: o primeiro físico enganou-se porque achou que não sabia uma coisa que afinal sabia; e o segundo físico enganou-se a respeito do primeiro físico.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

As vantagens dos incêndios

Miguel Tamen

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais, vive de luzes e plumas que tem de pagar, nos desastres tudo é a baixo custo.

Crónica

O ponto de vista do utilizador

Miguel Tamen

A ideia de que os utilizadores têm um ponto de vista especial está ligada à ideia de que quanto mais próximo estivermos de uma coisa melhor a conhecemos. Não é bem assim. 

Crónica

O momento da verdade

Miguel Tamen

O facto de termos aprendido a reconhecer sinais e a mudar de ideias por causa deles não garante que não nos possamos enganar. Há casos em que as ideias abandonadas é que eram as verdadeiras.

Crónica

As vantagens dos incêndios

Miguel Tamen

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais, vive de luzes e plumas que tem de pagar, nos desastres tudo é a baixo custo.

Crónica

O ponto de vista do utilizador

Miguel Tamen

A ideia de que os utilizadores têm um ponto de vista especial está ligada à ideia de que quanto mais próximo estivermos de uma coisa melhor a conhecemos. Não é bem assim. 

Crónica

O momento da verdade

Miguel Tamen

O facto de termos aprendido a reconhecer sinais e a mudar de ideias por causa deles não garante que não nos possamos enganar. Há casos em que as ideias abandonadas é que eram as verdadeiras.

Crónica

O mistério da educação (XI)

Miguel Tamen

A única coisa que vale a pena saber sobre ciências da educação é que aquilo de que os alunos se lembram é só ocasionalmente aquilo de que os professores quiseram que se lembrassem.

Fogo de Pedrógão Grande

Assim, nada vai mudar

Alexandre Homem Cristo

A quem se entrega um dossier que se pretende inconclusivo? Ao parlamento, claro – um cemitério de reformas políticas e um palco de desentendimentos que nunca desilude nos espectáculos mediáticos.

Ocidente

A tradição ocidental da liberdade sob a lei

João Carlos Espada

A velha ideia de Universidade é uma das ideias centrais da Tradição Ocidental da Liberdade sob a Lei. Ambas serão celebradas entre hoje e quarta feira no Estoril Political Forum.

Fogo de Pedrógão Grande

Tudo é nada. E o nada é medo

Helena Matos

O imprevisível tornou-se no terror do Governo. Porque é o imprevisível que expõe o logro desse Estado cheio de “meninas César" que gasta metade da riqueza nacional e desaparece quando gritamos Socorro