Alimentação

A gula do sr. ministro

Autor
486

Se a “alimentação saudável” é objetivo prioritário do Estado, porque é a medida restrita aos hospitais? Porque não proporcionar as suas vantagens também a todo o funcionalismo público e aos deputados?

A gula, um desregramento no comer e beber, é um vício feio que atenta contra a saúde do próprio e contra a solidariedade devida aos outros homens que passam fome. É condenada, por imperativo moral, em quase todas as grandes tradições religiosas, no Hinduísmo, no Islamismo e no Budismo. No Cristianismo é mesmo considerada um pecado, uma ofensa a Deus; e não só pecado, mas pecado capital “porque gerador[a] doutros pecados e doutros vícios” (Catecismo da Igreja Católica, n.1866). Moralistas de todos os séculos condenaram-na como desregramento que conduz à autoindulgência, à ira, à preguiça e à luxuria, e como o vício que mais nos rebaixa à condição de animais irracionais. Na edição ilustrada da Doutrina Cristã do Pe. Marcos Jorge s.j. (1524—1571), publicada em Augsburgo em 1616, a gula é representada por uma repelente figura obesa e por um porco, e conduzindo ao desregramento sexual.

Sendo o Estado português pretensamente laico e não confessional, não seria de esperar que legislasse comportamentos, sejam alimentares, financeiros, sexuais ou laborais, ou que começasse uma campanha contra pecados como a gula, a avareza, a luxuria ou a preguiça. É da essência da liberdade individual cada um ter autonomia, apenas restrita pelos legítimos direitos dos seus concidadãos e pelas consequências que os seus atos acarretam, para decidir como quer ser feliz e para prosseguir essa felicidade, mesmo que seja através de comportamentos social e moralmente condenáveis como comer arroz doce. No entanto, de modo restrito, mas concreto, é o que começou a fazer o governo com o Despacho 11391/2017 de 19 de dezembro, em que se proíbe a venda, em edifícios do Sistema Nacional de Saúde (SNS), de uma longa lista de alimentos que excitam a gula dos portugueses.

Podia-se esperar que esta proibição tivesse um fundamento económico. Se a gula, especialmente a gula por pasteis de bacalhau, faz mal à saúde, o Estado, como prestador de serviços de saúde abaixo do custo teria interesse, mas não o direito, em restringir a dieta dos portugueses para que estes, mais saudáveis, não necessitassem de recorrer tanto ao SNS e, deste modo, o buraco orçamental que é este Serviço não se agigantasse mais. Poder-se-ia perguntar se o Estado Social não estaria assim a ser semente de um Estado Totalitário, mas isso é outro assunto.

Aliás, o Estado teria interesse não só em restringir a gula, mas também todos os outros comportamentos lesivos das finanças públicas. O que já faz, por exemplo, em relação à avareza, taxando pesadamente os rendimentos e património dos portugueses. Mas ainda está aberto um vasto campo legislativo no combate a outros vícios com impacto no Orçamento de Estado, como por exemplo a preguiça. E, por motivos de consistência, também a luxúria. Esta é causa de patologias físicas e psíquicas que também têm impacto negativo nos orçamentos hospitalares, e não infrequentemente é causa de divórcios, com o consequente insucesso escolar de inúmeras crianças e adolescentes, tudo com expectáveis impactos negativos na produtividade, crescimento económico e equilíbrio orçamental a longo prazo. Seria, portanto, de esperar que, caso a motivação do Despacho acima referido fosse económica, então, por coerência, também fosse vedada não só a distribuição, mas também a venda, de anticoncetivos em hospitais e centros de saúde. De um ponto de vista económico e orçamental não é consistente proibir a venda de chamuças ao mesmo tempo que se distribuem preservativos.

Mas a justificação dada na referida peça legislativa não é económica, mas moral: o Estado pretende promover, através de várias medidas, a “alimentação saudável” mesmo que isso custe a felicidade a milhões de portugueses para os quais a maior alegria nesta vida é degustar um rissol com uma cerveja. Para além de ser questionável que um estado democrático queira impor a uma grande minoria religiosa da sua população, para quem o ventre é o seu deus, códigos alimentares que vão contra as suas convicções mais profundas, é também duvidoso que consiga algo com isso, mais de que aborrecer vendedores e consumidores, sem a criação de uma poderosa polícia de costumes. Há séculos que se sabe que, mesmo com repressão, legislar sobre costumes não resulta na melhoria destes, a não ser que haja exemplo de cima:

“O Mestre [Confúcio 孔子, 551—479 a.C.] disse: Dirigi o povo com leis e disciplinai-o com penas e ele as evadirá e não terá vergonha disso. Liderai-o com o exemplo e mantei a ordem com ritual [isto é, boas maneiras] e eles terão vergonha e se corrigirão a si mesmos.” (Analectos 2,3)

O que levanta a questão: será que o sr. ministro legisla porque não lidera pelo exemplo? Será o sr. ministro guloso? A avaliar pelo seu perfil abdominal a suspeita adensa-se.

E se uma “alimentação saudável” é um objetivo prioritário do Estado, porque é esta medida restrita aos hospitais? Porque não proporcionar as suas vantagens também a todo o funcionalismo público? Não será de alargá-la a todos os restaurantes, cantinas e bares dos equipamentos públicos, aos ministérios, às autarquias e ao parlamento?

E já agora, num esforço moralizador e profilático da política nacional, não será de acrescentar ao Regime jurídico de incompatibilidades dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos, um artigo com “impedimentos dietéticos”, proibindo na alimentação dos nossos dirigentes todos os alimentos incluídos no Despacho 11391/2017? O povo quere-vos sóbrio e cheio de saúde, sr. ministro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Empreendedorismo

As duas características do empreendedor

José Miguel Pinto dos Santos

Se uma caraterística do verdadeiro empreendedor é a indiferença face à possibilidade de perder tudo o que investiu, a outra é estar preparado, e usar todo o engenho, para que isso não aconteça.

Comércio

Especulação desenfreada

José Miguel Pinto dos Santos
193

Se Bunzaemon fizesse isto no Portugal de hoje, teríamos o PCP a chamá-lo de açambarcador, o Bloco a exigir o uso de fundos públicos na compra das laranjas podres e o Governo a anunciar novas leis...

Empreendedorismo

Arriscar a pele

José Miguel Pinto dos Santos
353

Em Portugal não se trabalha ou empreende por gozo, por espírito competitivo, simplesmente para fazer algo bem feito, para ter sucesso. Trabalha-se e empreende-se, por regra, apenas para ganhar a vida.

Serviço Nacional de Saúde

Modernices

Luis Carvalho Rodrigues

O problema não é a comida e sim que nos queiram obrigar a comê-la. Obrigar-nos da mesma maneira e com o mesmo argumento com que se obrigam as crianças: “é para teu bem”. 

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Igreja Católica

O deputado e o Cardeal

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Em Portugal, não é precisa nenhuma coragem para se ‘assumir’. Mas é necessário muito valor para alguém se afirmar católico, sobretudo se for fiel ao magistério e à tradição da Igreja.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site