PSD

A hora de Santana Lopes

Autor
288

Esta é a hora de uma nova e revigorada união de esforços do centro e da direita em Portugal, a única capaz de num futuro próximo superar e derrotar definitivamente a geringonça.

Foi no dia 12 de Julho de 2004.

Pedro Santana Lopes cometia o erro político da sua vida (traído pela sua ambição pessoal e pressionado pelos interesses corporativos do PSD) de aceitar das mãos torcidas e dissimuladas de Jorge Sampaio uma indigitação esperada, mas totalmente armadilhada, para o cargo de primeiro ministro de Portugal.

Estava escrito nas estrelas que tinha de ser assim?

Não estava.

Tinha toda a razão quem defendia à data que a única forma de resolver o imbróglio deixado pela “fuga para a frente” do incumbente Durão Barroso – que largara o cargo de primeiro-ministro como um pano atirado ao chão para assumir a presidência da União Europeia às ordens de outros – era a convocação de eleições antecipadas.

Mas a sua ansiedade pessoal e uma lógica demasiado rasteira de ajuntamento partidário falou mais forte.

Muita água correu, entretanto, desde esse dia.

Foi cínico e foi rápido o golpe presidencial da dissolução parlamentar que se seguiu à sua indigitação e Santana Lopes perdeu-se politicamente, de embaraço em embaraço.

Nas directas de 2008, candidato a líder do PSS, mas derrotado por Manuela Ferreira Leite.

Em 2009, concorrente em coligação à Câmara de Lisboa, mas perdedor para António Costa.

Finalmente, em 2011, por proposta do anterior governo, veio alguma calmaria e é nomeado Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, cargo que exerceu de forma tranquila até hoje (tendo sido reconduzido pelo actual governo em 2016 para novo mandato de três anos).

Neste momento, num cenário muito difícil para as oposições, num ciclo de aparente desafogo económico que embota totalmente a percepção dos governados, numa conjuntura frágil mas muito favorável à geringonça, no rescaldo da pesadíssima derrota eleitoral autárquica em Lisboa, um PSD sem alma e ideologicamente desorientado requer um novo fôlego e reclama por uma nova liderança.

Santana Lopes saiu da sua praia de conforto e já disse que vai a jogo e que é candidato à liderança do PSD.
Um PSD com uma história que ele ajudou a fazer e que conhece como poucos.

Cuja matriz verdadeira, além de reformista, nunca foi de esquerda, nunca foi anticlerical, nem nunca foi fracturante.

Num encontro com a história, a candidatura frontal e resoluta de Santana Lopes é a possibilidade dele se redimir definitivamente do dia mau da sua infeliz indigitação para o cargo de primeiro-ministro.

O momento de unir os social-democratas.

A oportunidade de fazer pontes para urgente mobilização de um projecto político-ideológico alternativo, profundo e amplo, ganhador à actual maioria parlamentar.

A hipótese virtuosa e patriótica de uma nova e revigorada união de esforços do centro e da direita em Portugal, a única capaz de num futuro próximo superar e derrotar definitivamente a geringonça.

É a hora de Santana Lopes.

Miguel Saldanha Alvim é advogado e membro da Comissão Política Nacional do CDS

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catalunha

O novo Incitatus

Miguel Alvim

Vale a pena reflectirmos em Portugal neste arriscado e perigoso empreendimento da incumbente maioria parlamentar catalã. Porque essa maioria é feita da mesma argamassa da geringonça Portuguesa.

Catalunha

Ventos de Espanha

Miguel Alvim
636

Para quem queria saber como é que podia ser o Bloco de Esquerda realmente arvorado no poder, basta olhar para o que está a acontecer na Catalunha

Portugal 2020

Os feiticeiros de nós

Miguel Alvim
344

Escondido na manga do frentismo comunista que nos coordena colectivamente existe um contrato social torcido à façon só de uns tantos.

Saúde Pública

Votar o futuro da Saúde da nação

Francisco Goiana da Silva
231

Resta-nos a nós, cidadãos, esperar que quando esta medida de Saúde Pública [taxa do sal] for votada, os deputados não se esqueçam de acautelar a vontade da sociedade. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site