Crónica

Acesso privilegiado

Autor

Há profissões que dependem da ideia de que os seus profissionais têm um acesso privilegiado a segredos e mistérios que os outros nunca estarão em posição de conhecer.

Muitos de nós já se interrogaram sobre como será uma casa de banho do sexo oposto; especulou-se sobre se os mordomos ou os curadores conseguem chorar; ou sobre aquilo de que falarão os médicos em família. São todas questões que intrigam. Não se trata apenas da curiosidade genérica em saber como é que a outra metade da humanidade vive; trata-se da curiosidade particular em saber o que é que pessoas que não nos habituamos a imaginar que têm necessidades fisiológicas, requisitos higiénicos, família, ou sentimentos fazem quando ninguém está por perto.

As pessoas a respeito de quem não concebemos necessidades ou sentimentos são geralmente pessoas que vemos pouco, ou durante pouco tempo, ou apenas em certas alturas. São como amigos de férias: gente com quem nos encontramos em contextos muito específicos, e de quem esperamos coisas muito específicas. Muitos sabem fazer o que nós não sabemos, e por isso lhes pagamos; e também por isso imaginamos às vezes que não deverão ter as necessidades ou os sentimentos que nós temos. É aliás sobre essas pessoas misteriosas que se escrevem romances. De facto, os melhores romances são sobre aquilo que o seu autor nunca saberá, sobre as pessoas que nunca conhecerá, e sobre os sítios onde nunca pôde realmente pôr os pés.

Há no entanto profissões cujos praticantes se caracterizam na sua maioria por lembrar constantemente aos outros que as coisas que sabem ou conseguem fazer estão vedadas a terceiros; dependem da ideia de que os seus profissionais têm um acesso privilegiado a segredos e mistérios que os outros nunca estarão em posição de conhecer. São de facto mais que profissões: são os modos de vida que caracterizam a separação das casas de banho; os médicos que conversam entre si em dialecto; os mordomos que nos sugerem que são íntimos de quem lhes paga; e os curadores. Esses vários modos de vida consistem em impedir os outros de aceder a coisas, fazer coisas, ou perceber coisas. A ideia de que temos acesso privilegiado a certas coisas está ligada ao impulso para recusar esse acesso a terceiros.

A convicção oposta é a de que estas classes de pessoas não sabem nada de muito especial; e a que a maioria dos animais parecidos com um mordomo, um curador, ou um médico conseguiria aprender a fazer, melhor ou pior, a maior parte das coisas que eles sabem fazer. Não adianta muito reclamar acesso privilegiado a segredos e a pessoas, ou negá-lo a terceiros; como não adianta imaginar que devemos os nossos talentos a segredos que por coincidência nos foram comunicados apenas a nós; ou imaginar que possamos pertencer ao número dos eleitos. Há pelo contrário um certo consolo insípido no facto de não sermos misteriosos; é o consolo de não podermos vir a entrar em romances alheios.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Stress à portuguesa

Ruth Manus
280

Parece que os portugueses normalmente são obrigados a conter as próprias emoções e acabam por canalizá-las em situações estranhas nas quais tornam-se assustadoramente agressivos ou nervosos. 

Crónica

Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas

Ruth Manus
53.823

É muito fácil taxar uma mulher de chata, de neurótica, de mal humorada. O difícil é assumir que ela tem uma razão para estar assim. E que os outros poderiam colaborar para que ela não estivesse assim.

Crónica

Como ser magro em Portugal

Ruth Manus
3.895

Tentar fugir do vinho, é uma tarefa tão árdua quando fugir do pão. Ele nos persegue, ele nos coloca contra a parede, ele quer nos destruir. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site