Cinema

“Against all odds”

Autor
  • Luis Carvalho Rodrigues

Em 1940 Winston Churchill tinha 65 anos. No dia em que tomou posse como primeiro-ministro, escreveu: “Toda a minha vida passada foi uma preparação para este momento e para esta prova.”

Em 1940, Churchill não passava de um filho segundo com tiques de criança hiperactiva, a quem toda a gente tratava como se trata o idiota da família: com embaraço e impaciência. Os conservadores detestavam-no porque ele os traíra em 1904, abandonando o partido e juntando-se aos liberais (por ser contra as taxas alfandegárias proteccionistas defendidas pelos conservadores). E o movimento trabalhista odiava-o desde 1910 quando, no papel de Home Secretary, mandara o exército carregar sobre os mineiros galeses em greve durante os confrontos que ficaram depois conhecidos por “Tonypandy Riots”. Parece que Churchill não ordenara de facto a carga mas a sua reputação entre os galeses e os trabalhistas nunca mais recuperou. A isto somavam-se erros que punham em causa a sua própria competência como governante e como político: Galípoli e o regresso ao padrão-ouro. E, nos anos 1930, opusera-se ferozmente à independência da Índia (uma posição que os seus próprios contemporâneos consideravam reaccionária e obtusa) e defendera o rei Eduardo VIII e Wallis Simpson até ao fim, num assomo de lealdade incompreensível. Foi tudo isso e não a insistência no perigo nazi que levou à sua marginalização pelas chefias conservadoras.

No fundo, Churchill assustava-os. Mesmo os seus bons momentos partilhavam com os desastres um identificável aroma a loucura: a espectacular fuga das prisões do exército boer na África do Sul, que protagonizara nos últimos dias de 1899, ou ter-se oferecido, depois do desastre de Galípoli, como voluntário para as trincheiras da Flandres. Nada disso estava de acordo com os cânones da “gentlemanship”. Mas eram esses defeitos (ou qualidades) que tornavam Churchill singularmente apto para fazer, na primavera de 1940, o que mais ninguém parecia querer fazer: enfrentar Hitler. “Against all odds”.

Uma velha anedota afiança que o segredo de uma boa reputação histórica está em saber morrer na altura certa. No caso de Churchill, foi sobreviver o tempo necessário. Em 1940 tinha 65 anos. No dia em que tomou posse como primeiro-ministro, escreveu: “Toda a minha vida passada foi uma preparação para este momento e para esta prova.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

As mulheres do Presidente

Luis Carvalho Rodrigues

Para as feministas mulheres que aceitam a “objectificação" sofrem de “misoginia interiorizada” (uma versão do proletário alienado pelo capitalismo) e devem ser salvas. Se preciso contra a sua vontade 

Serviço Nacional de Saúde

A saúde e a direita

Luis Carvalho Rodrigues

Os privados da saúde são parceiros de pleno direito, que não podem ser tratados como parasitas a que o Estado faz o favor de deitar umas migalhas quando lhe dá jeito.

Serviço Nacional de Saúde

Papas e bolos

Luis Carvalho Rodrigues
173

É muito interessante o despudor satisfeito com que a senhora adjunta do director do Plano Nacional para a Alimentação Saudável alardeia a sua capacidade para condicionar a vontade de cidadãos livres.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site