Logo Observador

Paulo de Almeida Sande

Colunista

pauloalmeidasande@gmail.com
Sociedade

A dor

Paulo de Almeida Sande

Porque cresce o mal nas nossas sociedades mediatizadas e desenvolvidas? Será sina da Humanidade retrogradar com denodo e frequência de tempos de liberdade, responsabilidade e democracia?

165
Brexit

Regresso ao passado

Paulo de Almeida Sande

Gibraltar, o rochedo, é apenas uma das pedras no sapato do processo de saída britânica da UE, que mal começou e já ameaça acabar mal. É mais um nó górdio a sair da caixa de Pandora aberta pelo Brexit

União Europeia

O fim da União

Paulo de Almeida Sande

Os adversários da UE chamam-lhe nomes. Centralizadora, burocrática, obsoleta. É extraordinária, mas também reveladora, a linguagem usada pelos inimigos da liberdade, da tolerância, da união e da paz.

108
Democracia

Na terra do la la

Paulo de Almeida Sande

Brexit, Trump, Wilders, Le Pen, o fim do euro, do comércio global, da imprensa livre, são todas, embora distintas, faces da moeda cujo principal valor consiste na criação de um mundo novo autoritário.

187
Família

O dia dos meus anos

Paulo de Almeida Sande

Houve um tempo em que festejavam os meus anos e eu era feliz. Não era eu que pagava o bolo, nem tinha de decidir os amigos a convidar, não me preocupava com os pormenores, se não esquecera alguém.

590
Democracia

Mentir é verdade

Paulo de Almeida Sande

Nestas condições é a democracia que está em causa. A novilíngua, que chama “pós-verdade” ao que se é mesmo mentira, não passa de outro nome para o velho discurso populista, alimento da tirania.

254
Pobreza

O factor humano

Paulo de Almeida Sande

Se o bater de asas de uma borboleta pode desencadear um tufão a milhares de quilómetros de distância, imagine, caro leitor, o que um gesto de boa vontade seu pode fazer em prol da Humanidade.

391
Natal

Crónica de Natal: o sonho

Paulo de Almeida Sande

Acresce que neste tempo e neste ano em que tantos artistas nos deixaram, devíamos prestar mais atenção à música e às palavras com que nos dizem, com que nos cantam, há tantos anos: “Acordem”.

118