Isabel dos Santos

“Belinha, sai só”. A carta aberta de Rafael Marques a Isabel dos Santos

Autor
  • Rafael Marques de Morais
1.598

Prezada Isabel dos Santos, chegou a hora de retribuir o teu gesto de carinho para comigo, manifestado há já algum tempo na tua conta do Instagram, quando me tratavas por Rafaelzinho.

Prezada Isabel dos Santos,

Chegou a hora de retribuir o teu gesto de carinho para comigo, manifestado há já algum tempo na tua conta do Instagram, quando me tratavas por Rafaelzinho.

Portanto, Belinha, ironias e cinismo à parte, escrevo-te para reflectir contigo sobre o momento de mudança em curso em Angola e o involuntário e ingrato papel que te cabe: o de bode expiatório da corrupção generalizada e da arrogância do poder.

Há dias, em conversa com dois grandes servidores da pátria – leais ao MPLA –, fiz-lhes notar a forma vingativa como querem que o teu pai abandone também a presidência do partido. Há uma estranha e crescente onda conspiratória dentro do próprio MPLA para que o camarada José Eduardo dos Santos deixe o cargo tão cedo quanto possível. Ali mesmo, os dois homens pareciam ser os mais corajosos do mundo, como têm sido todos os dirigentes do MPLA a quem o teu pai fez de gato e sapato e a quem mandou ir lamentar-se para os muros da vergonha e da cobardia.

O mais velho dizia que tinha sido uma humilhação, na recente reunião do Comité Central do MPLA, o Presidente da República ter-se perfilado, de pé, para saudar a entrada omnipresente do presidente do partido.

Por mim, o teu pai devia continuar presidente do MPLA durante muitos mais anos, para que os militantes do MPLA, que nunca se tomam como cidadãos, sintam o quanto desesperou o povo.

Belinha,

A novidade agora é o João Lourenço. É o que está a bater. Dentro do MPLA quer-se a consagração absoluta de João Lourenço. Os agitadores querem a transferência dos poderes absolutos que o teu pai tinha e que lhe permitiam fazer de nós, pobres angolanos, meros instrumentos do seu poder. Todos esses poderes são agora desejados nas mãos de João Lourenço.

Passei muitos anos, armado apenas com o meu computador, com papéis e com canetas, a denunciar os excessos e os abusos monárquicos do teu pai. Não quero passar mais anos a fio a combater os poderes absolutos, sem freios nem contrapesos, que os do MPLA e o povo incauto querem colocar nas mãos de João Lourenço. Quero realizar o sonho de ir fazer a minha lavra em Malanje e reformar-me por lá, em paz e ligado à Internet. Mas antes quero também realizar o meu sonho de ver este povo livre, solidário no exercício da cidadania, exigente na afirmação da democracia, da transparência e da boa governação. Quero ver este povo a ser bem educado e encaminhado para o desenvolvimento humano. É uma questão de consciência. Por isso, peço a tua atenção.

No meio desta divisão que se agudiza dentro do MPLA, o centro das atenções és tu, princesa. Aperta-se o cerco à tua volta. És o teste para aferir se João Lourenço tem poder real e capacidade de decisão ou não, se tem coragem política ou não.

Quer dentro do MPLA quer nas ruas, onde o povo é um mero espectador, aguarda-se o acto de João Lourenço para te arrancar a coroa de princesa – a Sonangol – que o teu pai te ofereceu. Para piorar a tua situação, estás a exercer de forma ilegal, e por incompetência do teu pai, o cargo de presidente do Conselho de Administração da Sonangol.

Como teu crítico e teu irmão angolano, penso que te falta um acto de humildade e coragem enquanto angolana. Pelo teu próprio punho, pede a tua demissão. Entrega a Sonangol com um sentimento de alívio, e fala para este povo que hoje te vê como uma vilã, como a princesa má. Fala sem máscaras, sem assessoria estrangeira, do fundo do teu coração. Onde o reinado do teu pai acabou, o teu exercício de cidadania deve começar.

Todo o dinheiro que acumulaste, todo o poder que tiveste, todos os aduladores e amigos que juntaste por este mundo maravilhoso poderão, em breve, tornar-se num pesadelo, um sopro de tristeza, um mar de abandono. Olha para o teu pai hoje, no Miramar: é um velho triste e desonrado. À sua volta, só se vê o corrupio dos abutres esperançosos de mais alguma carne podre arrancada do ser angolano.

Se nada tiveres para dizer a este povo e para devolver a esta Angola, do fundo do teu coração, então, irmã, sai só, em paz. Entrega tu a coroa – a Sonangol.

Este texto de Rafael Marques foi publicado originalmente no site Maka Angola a 11 de novembro, pouco antes da notícia conhecida esta quarta-feira de que Isabel dos Santos foi afastada da Sonangol.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

Marcelo e os portugueses em Angola

Rafael Marques de Morais
522

Pensei que o presidente dos “afectos” tivesse tacto diplomático para lidar com Angola. Enganei-me. Mas não me engano quanto à hospitalidade, amizade, capacidade de perdoar e tolerância dos angolanos.

Sonangol

Sonangol: O Partido da Monarquia Dos Santos

Rafael Marques de Morais
218

Isabel dos Santos foi a raposa nomeada para cuidar do galinheiro que é a Sonangol. Vão-se as galinhas, vão-se os ovos, e ficam as penas e as cascas. Isabel dos Santos adora ovos.

Angola

Portugal, Angola: afectos e o racismo encapotado

Rafael Marques de Morais
709

Há uma cumplicidade atroz entre os governantes portugueses e a sua elite de negócios no apoio à pilhagem de Angola pelo MPLA, Eduardo dos Santos, a sua família e o sistema de repressão que os sustenta

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site