Crónica

Como ser magro em Portugal

Autor
3.895

Tentar fugir do vinho, é uma tarefa tão árdua quando fugir do pão. Ele nos persegue, ele nos coloca contra a parede, ele quer nos destruir.

Ao acordar, fuja do pão. Porque sempre haverá pão na sua casa, mesmo que você não compre. Sua sogra levará pão, uma visita levará pão, o pão misteriosamente surgirá pela janela da sua casa. É algo misterioso que acontece neste país. Pão de Mafra, pão de centeio, pão de forma, pão saloio, broa, baguete. Em Portugal, eles simplesmente aparecem. Fuja deles. Esconda, congele, dê para a vizinha, enfie o pão inteiro na lancheira do seu filho. Apenas fuja.

Quando sair de casa, evite rotas que passem na frente de pastelarias. Passe na frente de bancos, salões de beleza, lojas de souvenir, mas nunca perto das pastelarias. É um verdadeiro perigo. E nunca caia na cilada do cafezinho. Se você entrar para tomar “só um cafezinho”, vai acabar pedindo uma torrada. Uma tosta mista. Uma sandes de queijo. Talvez também se renda a um pastel de nata e seu dia já começará com um alerta vermelho.

No trabalho, sempre haverá um colega que vai chegar com um croissant ou com um pacote de bolachas. São pessoas muito traiçoeiras, que chegam com barulhinhos de pacote e cheiro bom de comida. Concentre-se nos seus prazos. Lembre-se das calças apertadas. Não aceite nenhuma de suas ofertas. Tome um chá sem açúcar e firme o pensamento em Jesus, para se livrar das tentações.

Chegando no almoço, a desgraça começa a se agravar. Prato do dia: bacalhau com natas. Prato do dia: polvo à lagareiro. Prato do dia: filetes com arroz de tomate. Prato do dia: estrogonofe com batatas fritas. Prato do dia: alheira com ovo frito. Muito sabor, muita alegria, muito azeite, muita gordura, muitos hidratos de carbono, muito sal. Respire fundo. Pergunte se há um peixe grelhado. Peça apenas com salada ou legumes. Sem batata, sem batata, sem batata! Repita comigo, sem batata, embora todos nós quiséssemos batata, muita batata, três quilos de batata.

E para beber? Mil ao seu lado beberão vinho, outros mil beberão cerveja. Mas, tu, tu beberás uma aguinha das pedras. Ontem já houve vinho no jantar, certo? Vamos fugir dele no almoço. Mas na sua mesa todos estão tomando vinho. Uma tacinha fará assim tanto mal? Talvez não. Talvez sim. Tentar fugir do vinho, é uma tarefa tão árdua quando fugir do pão. Ele nos persegue, ele nos coloca contra a parede, ele quer nos destruir.

Sobremesa? Bolo de bolacha, mousse de chocolate, leite creme, mousse de manga, baba de camelo. Não, não, não, não. Só um cafezinho, por favor. Sem açúcar. Há também o doce da casa. Nããããããão, por favor parem, por favor, me ajudem, parem com isso, é só um café! Um café e a conta! Saia do restaurante o quanto antes. Volte para o escritório, escove bem os dentes, passe fio dental e se for o caso coloque um pedaço de fita cola sobre a boca.

No fim da tarde a fome atacará com violência, sobretudo se você tiver mesmo almoçado só o peixinho. Tenha sempre um iogurte magro, umas bolachas de milho, uma frutinha. Provavelmente você comerá todos eles ao mesmo tempo, enquanto sonha com as batatas fritas que acompanhavam o estrogonofe do almoço. Vai ser difícil.

Na volta para casa, evite rotas que passem por restaurantes japoneses, restaurantes italianos, restaurantes chineses, hamburguerias, pizzarias, marisqueiras, churrasqueiras, frangasqueiras, garrafeiras. Talvez seja melhor ir de helicóptero. Entre em casa rapidamente e garanta que sempre haja uma sopa te esperando. Sem batata, pelo amor de Deus! Faça uns bifinhos de peru, sem óleo. Chore de tristeza. Tranque as garrafas de álcool dentro da casa de banho. Coloque chave nos armários que têm doces. Esconda o telefone da Telepizza. E pronto. Coloque o pijama e sorria porque é mesmo fácil ser magro em Portugal. Durma bem e sonhe com bolas de Berlim.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Tire o verbo odiar do seu vocabulário

Ruth Manus
1.693

As pessoas passaram a identificar-se mais pelos seus sentimentos negativos do que pelos positivos. É como se odiar ou não suportar coisas lhes desse mais credibilidade do que amar ou gostar de algo.

Crónica

Manifesto pelo direito de não gostar do natal

Ruth Manus
16.898

O natal acabou por virar uma data muito mais de organização e de planejamento do que de afeto. Sim, é bom estar com a família. Mas prefiro fazer isso num domingo normal, sem prazos nem presentes.

Crónica

Stress à portuguesa

Ruth Manus
280

Parece que os portugueses normalmente são obrigados a conter as próprias emoções e acabam por canalizá-las em situações estranhas nas quais tornam-se assustadoramente agressivos ou nervosos. 

Crónica

Tire o verbo odiar do seu vocabulário

Ruth Manus
1.693

As pessoas passaram a identificar-se mais pelos seus sentimentos negativos do que pelos positivos. É como se odiar ou não suportar coisas lhes desse mais credibilidade do que amar ou gostar de algo.

Crónica

Ano novo vida velha

Paulo de Almeida Sande

Ao desejar bom Ano não prometer. A vida é o tempo que passa e não contempla fronteiras, de calendário ou outras. A vida é só que o fazemos dela, seja qual for o dia.

Crónica

O Matuto vai ao Barbeiro

Filipe Samuel Nunes
167

O Barbeiro deu o serviço por terminado com umas toalhas quentes embebidas em álcool. E o Matuto ponderou na ironia: Ele só queria cortar o cabelo. Mas as toalhas e o álcool intrometeram-se.

Crónica

Crónica de Natal: Acantologia da minha avó

Paulo de Almeida Sande

Somos invejosos, chico-espertos, estrangeirófilos, somos de brandos costumes, timoratos, dados a excessos e ao remorso deles, somos simpáticos, acolhedores, imaginativos, desenrascados.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site