Logo Observador
Democracia

Entre Santana e Sócrates: duas culturas políticas

Autor
876

O contraste entre o modo como Jorge Sampaio tratou Santana Lopes e Cavaco Silva tratou José Sócrates dá-nos a diferença entre uma cultura de confronto e uma cultura de compromisso.

Depois das “quintas-feiras” de Cavaco Silva, a “biografia autorizada” de Jorge Sampaio manteve-nos a falar do passado recente da política portuguesa. Já muita gente notou a sem-cerimónia com que Sampaio tratou Santana Lopes em 2004. Mas para apreciar o seu significado, há que lembrar o cuidado com que Cavaco Silva precisou de lidar com José Sócrates entre 2006 e 2011. Este contraste pode talvez ensinar-nos alguma coisa sobre o regime.

Jorge Sampaio aceitou Santana Lopes apenas provisoriamente, e sob vigilância. A certa altura, “fartou-se” dele, e dissolveu a Assembleia da República. Mas o presidente Cavaco Silva, a quem Sócrates deu todos os motivos para desconfiar da sua lealdade e das suas políticas, teve de ser muito mais paciente. Só questão de feitio?

Talvez uma pista para compreender a diferença esteja na atitude dos primeiros ministros. Santana Lopes também gosta de teorias da conspiração. Mas em Novembro de 2004, tomou esta decisão: não hostilizar o presidente da república, mesmo depois de o presidente, segundo ele, o ter enganado. Ainda hoje trata Jorge Sampaio com deferência. José Sócrates, pelo contrário, iniciou muito cedo uma guerrilha sem tréguas contra Cavaco Silva, tentando por todos os meios atingi-lo na sua honorabilidade. Hoje, insulta-o sem escrúpulos. Não é difícil imaginar como teria reagido, se Cavaco Silva lhe tivesse feito o que Sampaio fez a Santana, com uma maioria absoluta na Assembleia da República. Teria sido o fim do mundo.

Santana, como diz no seu livro Percepções e Realidades, tentou interessar Sampaio na governação, reconheceu-lhe um papel. Mesmo quando despedido, preocupou-se em não causar uma ruptura, decidido a respeitar, apesar de não ser respeitado. José Sócrates, pelo contrário, encarou Cavaco Silva como um inimigo. Desde cedo se preparou para o confronto, determinado a limitar a influência do presidente.

Podem dizer-me: a situação não era a mesma, Sócrates tinha ganho umas eleições, Santana não. Mas em 2015, António Costa não precisou de vencer eleições. Sem dúvida que as circunstâncias e os personagens são diferentes num momento e no outro (Santana é hoje o pacífico provedor da Misericórdia de Lisboa, Sócrates o principal arguido do mais inquietante processo do regime). Mas as culturas políticas de um lado e do outro também não são iguais.

A direita democrática parece muito mais disponível do que a esquerda para aceitar as regras do jogo. É “institucional” e integradora. Os dirigentes do PS, pelo contrário, dão ideia de disputar o poder com muito mais à-vontade, crueza e exclusivismo. A uma cultura de compromisso à direita, opõe-se uma cultura de confronto à esquerda.

Em 2015, quando Cavaco Silva nomeou António Costa primeiro-ministro por ter uma maioria no parlamento, o líder do PSD aceitou e calou os que, à direita, contestavam a “legitimidade” de um governo de derrotados nas eleições; em 2004, quando Sampaio, um presidente de esquerda, nomeou Santana Lopes, que tinha uma maioria na Assembleia da República, o líder do PS demitiu-se em protesto. Percebe-se talvez melhor Sampaio se o revirmos sob a pressão implacável dos seus correligionários.

À direita, vive-me muito em cuidados com o PS. Em 2013, o presidente Cavaco Silva procurou associar o PS à governação, em troca de eleições antecipadas. Hoje, a preocupação de alguma direita é dar a António Costa condições para se desligar do PCP e do BE — se necessário, sacrificando o líder do PSD. É verdade que podem ser citadas razões circunstanciais. Mas na direcção do PS, nunca há reciprocidade para tanta solicitude.

É costume falar do sentido de privilégio adquirido pelas esquerdas durante a formação do regime. Mas há outra coisa. O PS não é um partido como o PCP e o BE, para quem a “rua” vale mais do que o voto. Mas muitos dos seus dirigentes nunca renegaram a velha cultura revolucionária jacobina, pouco presa a “formalidades”, nem se isolaram da esquerda radical. Nunca se coíbem de ameaçar com rupturas. Qualquer solução que não lhes agrade implica, assim, custos elevados para a estabilidade política.

É uma posição com alguns riscos, mas tem também com algumas vantagens: um Santana de esquerda nunca teria sido “dissolvido” por um Sampaio de direita, por mais “farto” que o presidente estivesse, porque ninguém saberia até onde é que um Santana de esquerda poderia ir.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

Peçam desculpa!

Rui Ramos
4.327

Sr. Presidente? Sr. Primeiro-Ministro? Vão ter coragem de pedir desculpa, em nome do Estado, pelas vidas perdidas enquanto os senhores ocupavam os primeiros lugares do regime? 

Fogo de Pedrógão Grande

Um país entregue à sua sorte

Rui Ramos
2.747

Os oligarcas não querem que se “faça política” com a tragédia. Mas se não “fizermos política” com a morte evitável de 64 pessoas, para que serve a política? Só para festejar vitórias na Eurovisão?

União Europeia

Democracia e soberanismos

Manuel Villaverde Cabral

Sem nunca ter sido chamado a ratificar a adesão europeia, o eleitorado português também não interiorizou o objectivo principal da adesão à CEE: ser garantia democrática contra as pulsões autoritárias.

Democracia

Fogo cruzado sobre a caça ao voto

António Coutinho

Sem me arrogar quaisquer competências em politologia, julguei pertinente avançar algumas razões em defesa da escolha aleatória da representação democrática que não têm sido devidamente consideradas.