Logo Observador
Crónica

Espírito de escada

Autor

Ao descer a escada imaginamos a glória que não tivemos; ou a que teríamos tido se por acaso as nossas melhores ideias nos aparecessem sempre que deviam.

É opinião quase geral que a melhor parte das nossas obras completas será tudo o que não dissemos, tudo o que não fizemos, e tudo o que não escrevemos. A opinião tem a sua razão de ser. No que dissemos há coisas demais: coisas que não quisemos dizer, ou que pelo menos não quisemos dizer daquele modo; no que fizemos há erros, exageros, maldades, e disparates; e do que escrevemos é melhor nem falar. Pelo contrário, o encanto daquilo que poderíamos ter dito, feito ou escrito é enorme. Temos caracteristicamente esperanças naquilo que não aconteceu: que ainda não aconteceu, ou que mais simplesmente nunca aconteceu.

Do ponto de vista logístico dizer qualquer coisa é mais simples que escrever ou fazer; não é apenas porque não pensamos muitas vezes no que dizemos: também não pensamos muitas vezes no que fazemos ou no que escrevemos. É porque já vimos equipados de fábrica com modos simples de dizer coisas. Pelo contrário, fazer exige normalmente deslocações e movimentos, e que se passe de um estado de repouso a um estado de actividade, e depois se volte ao estado de repouso. E escrever exige tudo o que fazer exige, e ainda instrumentos, e que se tenha previamente aprendido a escrever. Os requisitos logísticos para dizer coisas são muito menos complexos; quando os outros não nos percebem podemos sempre alegar o estilo oral ou um defeito na fala.

A expressão ‘espírito de escada’ descreve no entanto a consciência que temos das coisas extraordinárias que poderíamos ter dito se nos tivessem ocorrido a tempo; são as coisas de que nos lembramos ao descer a escada para sair do sítio em que as teríamos dito com propriedade. Ao descer a escada imaginamos a glória que não tivemos; ou a que teríamos tido se por acaso as nossas melhores ideias nos aparecessem sempre que deviam. São muitas vezes observações espirituosas, ou analogias que se não fosse lembrarmo-nos delas tarde demais seriam espontâneas; mas são também verdades que ao serem aplicadas na altura certa reduziriam os outros ao silêncio e à admiração.

Há um certo desespero em lamentar o facto de não termos podido brilhar pela nossa veracidade e pelo nosso espírito. Como observou um pensador contemporâneo, “a nossa preocupação é assegurar a veracidade das nossas posições.” O que é característico desta fantasia é que as nossas posições só nos ocorram ao descer a escada. Só podem ser asseguradas quando já ninguém está por perto. Acabamos assim por ser as únicas testemunhas das nossas maiores vitórias, e do nosso grande espírito. As outras pessoas nunca perceberão o que perderam por não nos terem acompanhado a descer a escada. ‘Que grande ser humano morreu connosco’, dizemos na hora da morte; referimo-nos sobretudo a tudo o que nunca nos aconteceu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

O desporto

Miguel Tamen

Ao ouvir falar desportistas nem mesmo alguém disposto a considerar os benefícios do desporto entreterá a noção de que as suas almas se possam encontrar numa posição de sanidade. 

Crónica

Ter razão

Miguel Tamen

A nossa razão não pode consistir em dizer que temos razão; ter razão não é uma razão adicional que temos: é apenas uma opinião que os outros poderão vir a ter sobre as razões que demos.

Crónica

O mistério da educação (X)

Miguel Tamen

Se fazer uma tese de doutoramento é sempre fazer uma coisa, será fazer uma coisa sempre fazer uma tese? De facto, a relação entre ‘fazer coisas’ e ‘fazer teses’ não é clara. 

Crónica

O desporto

Miguel Tamen

Ao ouvir falar desportistas nem mesmo alguém disposto a considerar os benefícios do desporto entreterá a noção de que as suas almas se possam encontrar numa posição de sanidade. 

Crónica

Pai: presente, distante, ausente, inexistente

Ruth Manus
5.763

O pai distante não precisa ser um pai ausente. Há inúmeros pais que se fazem presentes onde quer que nós estejamos. Há inúmeros pais que, mesmo quando morrem não deixam seus filhos sozinhos. 

Crónica

Ter razão

Miguel Tamen

A nossa razão não pode consistir em dizer que temos razão; ter razão não é uma razão adicional que temos: é apenas uma opinião que os outros poderão vir a ter sobre as razões que demos.

Crónica

O mistério da educação (X)

Miguel Tamen

Se fazer uma tese de doutoramento é sempre fazer uma coisa, será fazer uma coisa sempre fazer uma tese? De facto, a relação entre ‘fazer coisas’ e ‘fazer teses’ não é clara. 

Crónica

O estranho mundo das festas de casamento

Ruth Manus
11.311

Transformaram os casamentos em eventos megalómanos que são pura fonte de stress durante meses, para gerar 150 belas fotos de suposta felicidade numa única noite.

Crónica

A protecção do consumidor

Miguel Tamen

A psicologia da protecção do consumidor é primitiva, porque visa eliminar o facto ineliminável de haver escolhas. Exprime assim relutância em imaginar um mundo cheio de impulsos, contradições e riscos