Homossexualidade

Hereges e beatas

Autor
  • Luis Carvalho Rodrigues
2.601

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

O que está a ser feito ao dr. Gentil Martins a propósito das considerações que teceu sobre os homossexuais na entrevista que deu ao Expresso é grave. Não está em causa saber se o dr. Gentil Martins tem ou não tem razão (eu acho que não tem). Nem está em causa o direito que assiste aos que dele discordam de contestar as suas ideias com a veemência toda que entenderem. Mas está em causa que daí se passe à ameaça e à perseguição. Pois foi a isso que assistimos na última semana: não à refutação (já não digo civilizada mas, ao menos, ordeira) das afirmações do dr. Gentil Martins, mas ao insulto e à intimidação.

Os argumentos usados são um disparate. Gentil Martins é colocado no pelourinho por, sendo médico, ter feito afirmações supostamente ao arrepio da “verdade científica”. Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica”. Mas já me custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice. A professora Ana Matos Pires deve saber que as “verdades científicas”, ao contrário de outras “verdades” (religiosas ou ideológicas), não passam de hipóteses de trabalho. A ciência médica não tem, portanto, verdades sobre a homossexualidade, como não tem nem deve ter verdades sobre coisa nenhuma. Nem, de resto, são elas necessárias. O respeito pelas orientações sexuais de cada um não é matéria de ciência, mas de educação e civilidade.

Ao disparate soma-se a malevolência: é assim que, onde Gentil Martins afirma que “Não vou tratar mal uma pessoa porque é homossexual, mas não aceito promovê-la”, há quem leia: “não aceito promover um homossexual” (no sentido de promoção na carreira). É a leitura que faz a professora Ana Matos Pires, servindo o mal-entendido para suportar a queixa à Ordem, com o argumento de que Gentil Martins teria violado o artigo 107º do Código Deontológico, onde se lê que “constitui dever dos médicos, nas suas relações recíprocas, proceder com a maior correcção e urbanidade”. Não sei onde ficaram a correcção e a urbanidade da professora Ana Matos Pires em tudo isto.

Sobram as declarações do dr. João Semedo, para quem perseguir Gentil Martins por causa da opinião que expressou não é censura nem viola a liberdade de opinião. Porquê? Porque a opinião de Gentil Martins é “contrária à posição da OM” e errada “do ponto de vista médico e científico”. Donde se conclui que a Ordem dos Médicos ganhou, para o dr. João Semedo, estatuto de infalibilidade e que ele e a professora Ana Matos Pires andaram na mesma escola.

Os esbirros do doutor Salazar não fariam melhor.

Tudo isto é beato, pidesco e miserável. Já não há paciência.

Médico

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

As mulheres do Presidente

Luis Carvalho Rodrigues

Para as feministas mulheres que aceitam a “objectificação" sofrem de “misoginia interiorizada” (uma versão do proletário alienado pelo capitalismo) e devem ser salvas. Se preciso contra a sua vontade 

Serviço Nacional de Saúde

A saúde e a direita

Luis Carvalho Rodrigues

Os privados da saúde são parceiros de pleno direito, que não podem ser tratados como parasitas a que o Estado faz o favor de deitar umas migalhas quando lhe dá jeito.

Cinema

“Against all odds”

Luis Carvalho Rodrigues

Em 1940 Winston Churchill tinha 65 anos. No dia em que tomou posse como primeiro-ministro, escreveu: “Toda a minha vida passada foi uma preparação para este momento e para esta prova.”

António Costa

Costa e a rábula do bom aluno

Helena Cristina Coelho

Se o plano do Governo ao acenar com estas (não tão novas) propostas de impostos europeus é cair nas boas graças da liderança europeia, está na direção certa. Só lhe falta o título de "bom aluno".

Catolicismo

O sexo e a cidade

Francisco Rodrigues, s.j.

Quem diria que no comunicado de D. Manuel Clemente, suficientemente grande e abrangente, fosse microscopicamente procurado o sexo do corpo do texto para servir de pretexto à banalização do contexto!

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site