Logo Observador
Democracia

Inglaterra e França: a abstenção tem vantagens?

Autor

As eleições em Inglaterra e em França sugerem que a abstenção é tão importante como a participação para um governo democrático ser possível.Em França, o poder de Macron vem da abstenção.

Vale a pena comparar as eleições britânica e francesa da semana passada, apesar das diferenças de sistema político, economia, integração europeia, etc. Porque é que Theresa May falhou e Emmanuel Macron venceu?

Se atendermos apenas à votação, o fracasso de Theresa May não é evidente. May obteve o melhor resultado do Partido Conservador desde 1979: 13,6 milhões de votos e 42,4% do total. Com um resultado pior (11,3 milhões e 36,9%), David Cameron teve uma maioria absoluta em 2015. O que correu mal? Isto: os Trabalhistas de Jeremy Corbyn conseguiram também a maior mobilização eleitoral em vinte anos, impedindo os Conservadores de ganhar os mandatos que deveriam ter normalmente ganho.

Estas foram as eleições mais participadas dos últimos anos no Reino Unido, e aquelas em que Conservadores e Trabalhistas, juntos, tiveram maior percentagem do voto. O resultado foi um parlamento “pendurado”. As notícias são más para os Conservadores, mas só as baixas expectativas iniciais impedem que se note que são ainda piores para os Trabalhistas: com a maior votação desde 1997, ficaram a uma distância de 55 deputados do primeiro lugar.

Isso revela o segredo das vitórias eleitorais no passado: foram obtidas, não apenas pela mobilização dos apoiantes dos vencedores, mas pela abstenção dos apoiantes dos derrotados. O que aconteceu nestas eleições é que todos, vencedores e derrotados, conseguiram mobilizar-se, cancelando-se uns aos outros. Em princípio, devia agora haver negociação ou coligação. Mas o problema é que a mobilização eleitoral foi conseguida à custa da demonização do adversário. May denunciou Corbyn como um esquerdista pronto para destruir a economia e render-se aos alemães; Corbyn acusou May de ser uma neo-liberal decidida a destruir o Estado social e isolar o país na Europa. De facto, Corbyn é sustentado por um movimento da extrema-esquerda, que jamais aceitará negociar com os Conservadores. May tentou “moderar” os Conservadores e era uma europeísta. Mas para mobilizar votos, teve de fingir-se convertida ao “hard Brexit” e agora vai depender da extrema-direita do Ulster.

No Reino Unido, a participação tornou mais difícil governar o país. Em França, pelo contrário, a abstenção vai facilitar a vida ao governo. A eleição legislativa francesa de domingo foi das menos participadas de todos os tempos, tal como a segunda volta das presidenciais de Maio (especialmente se contarmos com os votos nulos). Mais de metade dos franceses não se deram ao incómodo de ir votar. Mas o resultado da abstenção foi, das duas vezes, um enorme mandato para Emmanuel Macron, com os outros partidos reduzidos a expressões mínimas. Macron foi eleito e terá uma grande maioria de governo, não apenas pela mobilização dos seus eleitores, mas graças à maciça desmobilização dos eleitores dos outros partidos.

É de bom tom dizer que a democracia vive da participação. Isso é verdade, mas só até certo ponto. Num país de opiniões divididas em partes iguais, uma participação elevada servirá apenas para projectar essa divisão nas assembleias representativas. E se tiver sido obtida, como no Reino Unido, pela demonização do adversário, dificultará depois os entendimentos necessários para governar regularmente. O trunfo de Macron é que ninguém (ainda) o odeia. A direita bem tentou expô-lo como um socialista disfarçado, a esquerda cansou-se a descrevê-lo como um neo-liberal encoberto. Inutilmente. Macron tem uma retórica de cidadania participativa. Mas o segredo da sua vitória não está na participação, mas na abstenção. Parece ser esse o segredo para um governo democrático ser possível num ambiente de polarização política.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Fogo de Pedrógão Grande

Peçam desculpa!

Rui Ramos
4.376

Sr. Presidente? Sr. Primeiro-Ministro? Vão ter coragem de pedir desculpa, em nome do Estado, pelas vidas perdidas enquanto os senhores ocupavam os primeiros lugares do regime? 

Fogo de Pedrógão Grande

Um país entregue à sua sorte

Rui Ramos
2.747

Os oligarcas não querem que se “faça política” com a tragédia. Mas se não “fizermos política” com a morte evitável de 64 pessoas, para que serve a política? Só para festejar vitórias na Eurovisão?

Política

Desterritorialização e extra-territorialidade

António Covas

Nesta batalha já longa entre o mercado global e a democracia doméstica, a desterritorialização e a extra-territorialidade convertem-se nos principais adversários do velho Estado-nação vestefaliano.

União Europeia

Democracia e soberanismos

Manuel Villaverde Cabral

Sem nunca ter sido chamado a ratificar a adesão europeia, o eleitorado português também não interiorizou o objectivo principal da adesão à CEE: ser garantia democrática contra as pulsões autoritárias.

Democracia

Fogo cruzado sobre a caça ao voto

António Coutinho

Sem me arrogar quaisquer competências em politologia, julguei pertinente avançar algumas razões em defesa da escolha aleatória da representação democrática que não têm sido devidamente consideradas.

Fogo de Pedrógão Grande

A doença do barulho

Pedro Afonso

Exige-se aos responsáveis políticos que falem de imediato, quando na maior parte das vezes a prudência, e a humildade do silêncio, seriam a melhor homenagem que a ser feita às vítimas e às famílias.