Logo Observador
Execução Orçamental

Mário Centeno, o austero não assumido

Autor
1.060

Demorou, e aconteceu da pior forma, mas o país acordou para a grande mentira de que a austeridade tinha acabado. Agora, ficou claro que, sem reformar o Estado, não se pode fugir à contenção orçamental

Vítor Gaspar deve estar roído de inveja. Afinal, havia como dominar as contas públicas, impedir desvarios em cada ministério, ir para além da troika, apagar o investimento público, ultrapassar metas de Bruxelas, estrangular serviços públicos e, no final, ser-se aplaudido por isso. Ele, que saiu pela porta pequena, podia ter saído em ombros. Bastava ter percebido aquilo que Mário Centeno compreendeu desde o início: a política é sobre resultados, sim, mas também sobre percepções. Ou seja, importa o que se faz, mas sobretudo o que se diz fazer – e, portanto, a forma mais segura de aplicar austeridade sem obstáculos é assumir-se como inimigo da austeridade.

Centeno seguiu a regra à risca. Em Novembro de 2015, dias antes de tomar posse como ministro das Finanças, assegurou que “a austeridade em Portugal chegou ao fim”. Era mentira, claro – no contexto de Portugal (sobreendividado, saído de um resgate, com a credibilidade externa em risco e uma extrema dependência do financiamento do BCE), a ideia de que se rejeitariam as imposições europeias de contenção orçamental só poderia ser ilusão. Mas o país quis acreditar que era verdade. Mas o PS, para se legitimar, precisava de acreditar que era verdade. Mas o PCP e o BE, para justificarem o seu inédito apoio parlamentar ao PS, precisavam de acreditar que era verdade. E, assim, por força da vontade e contra a realidade, durante um ano e meio foi verdade reinante que Portugal se havia libertado da austeridade.

Ora, nesse ano e meio, Centeno conseguiu um equilíbrio notável entre a percepção pública e a sua gestão das Finanças. De manhã, nas conferências, vociferava contra as políticas da austeridade e anunciava um novo caminho. De tarde, na solidão do seu gabinete, aplicava doses brutais de contenção de despesa. Foi assim que reduziu o investimento público a grãos de areia. E foi assim que fez passar um orçamento de estado para 2016 que, devolvendo rendimentos aos funcionários do Estado, apertou o cinto dos serviços públicos sob a forma de cativações. Os 1734 milhões de euros em cativações previstos no Orçamento de Estado para 2016 foram um novo máximo. E os 943 milhões de euros em cativações realmente postas em prática foram recordistas. Nunca a despesa dos serviços públicos havia sido alvo de uma mão-de-ferro tão inflexível e tão despercebida. O défice de 2,1% (que vai para além do exigido em Bruxelas e que o PS orgulhosamente exibe em outdoors) foi a vitória da estratégia de Centeno.

Só que as ilusões não duram para sempre e, em boa verdade, Centeno tornou-se vítima do seu próprio sucesso. Quando Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda, afirma que “o Orçamento executado em 2016 não é o que aprovámos”, a declaração não é somente um exercício de hipocrisia. Não, ao votar favoravelmente o Orçamento de Estado para 2016, e em concreto a parte referente às cativações previstas, o BE não pode alegar desconhecimento – os números estavam lá no papel e com o seu voto a própria Mariana Mortágua validou as opções orçamentais do ministro das Finanças. Mas, é ao mesmo tempo verdade que o compromisso político do governo (face aos seus parceiros e também face ao país) seguia uma direcção oposta àquela que guiou a actuação de Centeno – o que, por exemplo, justifica as queixas do BE perante um défice orçamental inferior ao inicialmente previsto.

À custa da tragédia de Pedrógão Grande e do roubo em Tancos, o estrangulamento dos serviços públicos – nas áreas da Administração Interna e da Defesa, mas não só – tornou-se uma realidade impossível de negar. Demorou, e aconteceu da pior forma, mas o país acordou finalmente para a grande mentira de que a austeridade tinha acabado. E agora? Agora, o logro das alternativas terminou. Agora, ficou claro que, sem reformar o Estado, não se pode fugir à dependência em Bruxelas e à contenção orçamental. Ou se corta salários e pensões, ou se camufla o problema esmagando os serviços públicos. E, rejeitando a primeira, será essa degradação do Estado o preço que o BE e o PCP terão de pagar para manter a geringonça, já no próximo orçamento de estado. À vista de todos e sem desculpas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Afinal, a liberdade de escolha da escola existe

Alexandre Homem Cristo
378

O debate já não é se deve ou não haver escolha. Ela existe nas escolas públicas, mas de forma ilegítima e só para alguns. A questão é se se a quer alargar a todos, a começar pelos mais desfavorecidos.

Politicamente Correto

Anomalias democráticas

Alexandre Homem Cristo
2.854

Gentil Martins, médico, não pode falar como cidadão e dar a sua opinião. Mas Ferro Rodrigues, presidente da AR, pode ter “posições pessoais” com críticas ao Ministério Público. Algo não bate certo.

Ministério da Defesa

Desconfiar das instituições

Alexandre Homem Cristo
1.931

É alarmante que, na hierarquia do Estado, todos fujam às suas responsabilidades. É o que mais corrói a confiança dos cidadãos: a impotência perante os poderes instalados, inimputáveis e inatingíveis.