Logo Observador
caderno de apontamentos

Mudar a escola para o século XXI

Autor
898

O perfil do aluno para o século XXI não é compatível com a escola do século XIX. Não é possível educar para a diversidade numa organização burocratizada onde o mérito é ultrapassado pela antiguidade.

Está em discussão pública o documento “perfil do aluno à saída da escolaridade obrigatória” ou, como aparece nos media, “Perfil do aluno para o século XXI”. Em vez de suscitar entusiasmo da sociedade, a discussão deste documento tem despertado pouco mais que uma reacção sonolenta. Vêem-se algumas tomadas de posição públicas por pessoas ligadas à Educação, mas mais nada. Há quem diga que é por o documento ser vago; por conter um conjunto de boas intenções com as quais não se pode deixar de concordar; por representar pouco mais do que a soma de diferentes modelos conceptuais já conhecidos, e até defendidos por organizações internacionais como a UE ou a OCDE. Concedo que seja difícil discordar-se do conteúdo do documento, mas não concordo que o mesmo seja irrelevante. Muito pelo contrário.

Quando, em 1986, a Assembleia da República procurou fazer a discussão pública dos diversos projetos de Lei de Bases do Sistema Educativo, o maior problema que encontrou foi o total desinteresse dos media pelo assunto. Houve centenas de sessões oficiais em todo o país, mas os media e a população em geral passaram largamente ao lado da discussão. No entanto, é hoje reconhecido por todos o papel estruturante que a Lei de Bases do Sistema Educativo teve nas políticas educativas dos 30 anos que se lhe seguiram.

O “perfil do aluno” não é uma lei de bases. Mas pode ser um importante documento de orientação das políticas educativas nos próximos 30 anos. Ao tornar claro o que desejamos para os alunos no final da escolaridade obrigatória, podemos redesenhar o modo de lá chegar sem estar a fazer remendos em pano roto. É que o perfil do aluno para o século XXI não é compaginável com a escola do século XIX. Não é possível educar para a complexidade e a diversidade numa organização burocratizada e homogeneizada onde o mérito é ultrapassado pela antiguidade, a diversificação pela “regrazinha” e as decisões estratégicas são tomadas em função dos equilíbrios corporativos do momento. A escola do século XXI não existirá enquanto os seus profissionais forem recrutados sem qualquer consideração pelas suas competências específicas, a sua remuneração for igual seja o que for que fizerem (ou não fizerem) e a sua carreira for gerida sem qualquer consideração pelo mérito. Temos de alterar radicalmente as regras de acesso à formação inicial de professores (que tal um pré-requisito para todos de pelo menos 13 a matemática A, português, filosofia e ciências no final do ensino secundário?), as regras de contratação (pelas escolas) e a regras de remuneração do trabalho. A escola do século XXI não existirá enquanto as lideranças das escolas não puderem fazer opções pedagógicas de fundo nem tiverem liberdade para “organizar a casa”. Temos de defender e aprofundar o regime de administração escolar, dando mais poderes aos órgãos internos da escola dentro de um quadro de participação ativa e de responsabilização dos seus profissionais. O perfil do aluno para o século XXI exige uma escola do século XXI.

Por isto, a discussão não é irrelevante nem estéril. Pelo contrário, o terreno é fértil para que de uma ampla discussão possam surgir as melhores soluções. Um documento desta natureza, consensualizado e aceite, permitirá reconstruir o sistema educativo, tal como fizemos após 1986 em cumprimento da Lei de Bases. E esta reconstrução é fundamental porque o sistema educativo português está hoje bloqueado e sequestrado por um tempo que não se coaduna com as exigências e dinâmicas da sociedade atual. A Lei de Bases de 1986 serviu bem o objetivo de democratização do acesso ao ensino, mas temos hoje provas sobejas de que a esse acesso não corresponderam condições de sucesso.

O desafio é que todos contribuam e estejam à altura das suas responsabilidades. Quem propõe este caminho deverá procurar consensos e assumir todas as consequências da proposta; quem hoje está na oposição mas terá, no futuro, de lhe dar continuidade, deverá participar e aceitar a continuidade do percurso que vier a ser definido. Vai ser interessante acompanhar a vida do documento “Perfil do aluno para o século XXI”. Só há duas hipóteses: ou é o início de um novo compromisso social em torno da educação ou será pouco mais que um texto preambular de mais uma alteração curricular.

Creio que o compromisso é possível, mas temo que a polarização em que vivemos e as vistas curtas de alguns o venham a inviabilizar. E se conseguirmos construir este consenso em torno do perfil dos alunos no final da escolaridade obrigatória, o documento final deve ter força vinculativa. Reforçada se possível.

Diretor executivo da AEEP e professor universitário

‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que, às quintas-feiras, discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educação e autarquias

Abel Baptista
268

Com a descentralização, não poderão as autarquias tornar-se mais competitivas entre si, e oferecer meios de ensino de melhor qualidade, com soluções adaptadas às circunstâncias do concelho e região?

caderno de apontamentos

Reutilizar manuais é de rico?

João Bernardo Parreira
349

Reutilizar manuais não é só aliviar as famílias de um fardo anual. É também educar para a sustentabilidade e responsabilidade financeira. Mas, para que seja possível, é necessário decidir como fazê-lo

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.