Crónica

Não estamos aqui para nos divertir

Autor

‘Não estamos aqui para nos divertir", disse o rei. Saberia ele que a noção de que tudo depende das nossas escolhas é uma fantasia de gente que espera de si própria o que não pode razoavelmente fazer?

‘Não estamos,’ terá observado o monarca na noite de núpcias, ‘aqui para nos divertir.’ A frase indica várias teorias. Entre estas estão a teoria segundo a qual o propósito do nosso trânsito sublunar não é principalmente de entretenimento; e a teoria de que a vida não consiste em proporcionar alívio para o aborrecimento de nos acontecer estar vivos; ou de nos proporcionar uma relação correcta com as nossas vidas.

As teorias do rei são todavia muito minoritárias. A opinião generalizada é a de que a finalidade principal do bulício das nossas células é tornar suportável o bulício das nossas células. As palavras do poeta romano segundo as quais o que é preciso é colher o dia parecem uma boa ideia a quase todos. A expressão naturalmente poética convida a aproveitar as oportunidades antes que passem. É usada para recomendar formas de acção política e estratégias de investimento; e ainda mais para justificar que se exerça franqueza, se cultive inocência, e se saia à noite. Desde a Roma antiga que a maior alegria de quem colhe o dia são os saldos.

Aos saldos chamam porém os espanhóis rebaixas; e o verbo que o poeta romano tinha usado para fazer a sua recomendação é o antepassado arreliador do verbo português ‘carpir.’ Estará quem aconselha a que se colha o dia, com a sua sugestão de peras e cerejas, também a lamentar o declínio daquilo que é colhido? Andará a expressão moral da alegria secretamente de braço dado com actividade da carpideira? Isso explicaria o hábito que os poetas portugueses têm de rimar ‘dia’ com ‘melancolia;’ e que estejam sempre ansiosos por nos lembrar que as peras e as cerejas começam a apodrecer no momento em que chegam à fruteira; e que a fruta velha seja tão barata. No meio dos seus afazeres não lhes passou desapercebida uma certa tristeza cómica nas recomendações compulsivas de alegria. Como alternativa recomendam em geral a tristeza.

Quanto ao rei propriamente dito, não é nem poeta romano, nem consumidor espanhol, nem poeta português. Não sente necessidade de se entreter nem de se divertir. A sua noite de núpcias será comprovadamente monótona; mas pelo menos não faz recomendações. A sabedoria profissional convenceu-o de que a ideia de colher o dia não é como a ideia de apanhar fruta. É mais como a situação de uma tartaruga que considerasse a possibilidade de várias carapaças. Saberá o rei também que a noção de que tudo depende das nossas escolhas é uma fantasia de gente que espera de si própria o que não pode razoavelmente fazer? Talvez nem precise. A sua sabedoria profissional é muito mais simples: visto que já estamos vivos, não podemos escolher ter uma relação com a vida. Não precisamos de entretenimento; não estamos aqui para nos divertir.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Os portugueses são grosseiros?

Ruth Manus
1.624

Em Portugal eu aprendi que ser reservado pode ser um grande ato de sabedoria, ao invés de falar sobre todos os assuntos com qualquer pessoa, em qualquer circunstância.

Crónica

Profissão avós

Ruth Manus
819

Não sei se concordo com aquela história de que os avós servem para mimar e estragar, prefiro pensar que eles existem para doar-se sem limites.

Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus
191.403

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.

Verão

Crónicas de Verão – O Amor

Paulo de Almeida Sande
105

Digam-me os leitores que esta crónica é fútil, inútil, ignorável; digam-me que amar é irrelevante, porque só amamos por capricho, um fútil devaneio, e no fundo, lá no fundo, é a nós mesmos que amamos.

Incêndios

Fogo posto não é terrorismo?

José Milhazes
225

Concordo com os que dizem que a vida humana não tem preço, mas parece que há alguns dos nossos políticos que seguem o princípio estalinista de que a morte de mais do que uma pessoa é mera estatística.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site