Espanha

Não foi para isto que inventámos a democracia

Autor
334

Com o caos instalado, a Europa entregar-se-á voluntariamente à voragem dos tempos, irremediavelmente subalternizada pelos novos poderes, económicos e políticos, que se erguem a Leste. Ou a Ocidente.

Este artigo não é sobre a Catalunha.

Este artigo é sobre a consequência de uma eventual independência da Catalunha. Uma consequência inevitável, objectiva e não sujeita a especulação. Não pretendo discutir se a Catalunha deve ou não ser independente à luz do direito, da história, da filosofia ou do princípio geral da autodeterminação dos povos, já para não falar dos factos puros e duros. Esse não é, repito, não é, o objectivo deste artigo.

Para sossegar todos quantos, com frequência, me acusam de favorecer sempre a moderação ou de não tomar partido, como se não tomar partido não fosse desde logo tomá-lo (e como se o bom senso e a análise crítica e racional fossem perigosos vírus letais), fica a minha opinião, exclusivamente pessoal e minha (se é minha é pessoal, eu sei):

Não há nenhuma razão, na minha opinião (outra vez!), para que a independência da Catalunha. Nenhuma, pelo menos, defensável à luz do direito internacional, dos princípios da liberdade e do direito (da “rule of law”), da sã convivência entre os povos. Algumas pessoas na comunicação social, nas redes sociais, invocam um certo “direito à autodeterminação” por parte da Catalunha. Ora no direito internacional, e de forma clara na doutrina que o analisa, o direito à secessão conflitua com o direito fundamental dos Estados à integridade territorial.

O direito de um povo à secessão de um Estado existente só é defensável em circunstâncias excepcionais: se há uma clara violação da liberdade ou dos direitos humanos dos seus membros; se a sua identidade colectiva como povo estiver ameaçada. Trata-se de um remédio extremo, em que o povo em questão é sistemática e gravemente lesado nos seus direitos, na sua liberdade e identidade, não havendo outros meios para resolver essas violações.

O direito à autodeterminação foi sobretudo desenvolvido como conceito universal no contexto colonial tendo em vista a descolonização. No Mundo pós-colonial, e salvaguardando as situações que ainda possam ser qualificadas como tal, ele não faz sentido, pelo menos no que respeita às fronteiras externas dos Estados existentes. A comunidade internacional e o direito que regula as relações entre os seus membros, limitou o alcance do princípio da autodeterminação externa – e o acesso à independência subjacente – em nome do princípio da integridade territorial. Salvaguarda assim a estabilidade dos Estados e evita o caos que resultaria da aplicação universal, ilimitada e imponderada do princípio da autodeterminação.

Mas este artigo, como escrevi acima, não é sobre a Catalunha. Este artigo é sobre o que sucederia à Europa se, por absurdo e em violação do direito internacional, a independência da Catalunha fosse reconhecida pela comunidade internacional. Interessa aliás fixar bem este ponto: uma declaração de independência não significa nada em si mesma. Sem reconhecimento internacional, ela (a declaração) e ela (a independência) não existem. Salvo, claro, se a separação de uma parte de um país do todo for aceite por esse todo, mas isso é um tema completamente diferente.

A comunidade internacional só poderia reconhecer a independência de um povo em secessão de um Estado existente se se cumprissem os requisitos graves e severos antes evocados; ou, hipótese na minha opinião bizantina, se pura e simplesmente essa comunidade incumprisse o direito por si própria aprovada e renegasse valores como a democracia e a estabilidade.

Consideremos então as consequências da hipótese remota e sem regresso de uma eventual independência de um território (e de um povo) que integre um Estado existente, por exemplo da Catalunha; podia ter sucedido na Escócia, mas isso teria sido uma situação completamente distinta, porque à luz da respectiva Constituição (isto é, o Reino Unido no seu todo estaria de acordo com as consequências do resultado do referendo por si aceite).

Premissa: um povo europeu decide separar-se do Estado a que pertence. Declara a independência e, por razões para o caso indiferentes, a comunidade internacional, ou um conjunto significativo de países, reconhece-a. As consequências são inevitáveis.

A curto prazo, tratando-se de um país europeu, o novo país sai da União Europeia e entra em autarcia. Empresas chave da região abandonam-na (não, o artigo não é sobre a Catalunha), a começar pelos bancos; as fronteiras fecham-se, sem tempo para negociar acordos com o exterior e, mesmo com tempo para negociar (que não foi o caso), como se vê pelo caso do Brexit, o resultado não é animador; a economia do novo país afunda-se a pique.

A médio prazo, outros povos, noutras regiões da Europa, fiquemo-nos pela Europa, seguem-lhe o exemplo (não, não é o da Catalunha), inevitavelmente. São dezenas os territórios ansiosos por fazer referendos pela independência contra (é escolher) a prepotência do poder central, a contribuição solidária para as regiões menos prósperas do país, as classes políticas corruptas e/ou incompetentes, etc.

A longo prazo a Europa – e depois o Mundo – partir-se-á em centenas de pequenas entidades políticas, muito pouco soberanas. Nalguns casos, haverá violência. Correrá sangue.

Com o caos instalado, a Europa entregar-se-á voluntariamente à voragem dos tempos, irremediavelmente subalternizada pelos novos poderes, económicos e políticos, que se erguem a Leste. Ou a Ocidente.

Não foi para isso que inventámos a democracia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande
571

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Eurogrupo

Os três chapéus de Mário Centeno

Paulo de Almeida Sande
140

São inquestionáveis as qualidades de um povo tão abundante na gestação de competências acima da média, porque só pessoas acima da média podem aspirar a ser presidentes de organizações internacionais.

Morte

O homem perante a morte

Paulo de Almeida Sande
202

Mas tremo, perplexo perante uma sociedade que vive cada vez mais depressa a esconder de si própria a única realidade indiscutível. Não, meus amigos, nenhum de nós viverá eternamente.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site