Logo Observador
Crónica

O amor à arte

Autor

O amor à arte não se vê na maior parte dos casos em salas de concertos, galerias de exposições e em livros publicados. Vê-se pelo contrário frequentemente nos horrores em que tanto de nós insistem.

A cantora de ópera de voz horrível que tinha dinheiro para alugar salas e acompanhadores, e proporcionar os seus horrores a audiências onde metade fazia troça dela, é normalmente considerada um sinal de que as formas mais elevadas de amor à arte são inseparáveis de requisitos técnicos mínimos. Não será possível presumir culto da arte, diz-se, em quem não saiba cantar afinado, escrever bem, e pintar com destreza.

Embora os artistas que mais admiramos sejam todos capazes de o fazer, ‘cantar afinado’, ‘escrever bem’ e ‘pintar com destreza’ designaram todavia coisas muito diferentes desde o Neolítico. Aqueles cujas proezas técnicas admiramos hoje não seriam reconhecidos há duzentos anos; e muitos dos que então o foram são hoje objecto de enfado. O assunto é bem conhecido, mas não há realmente grande coisa a dizer sobre ele. Dizer que tudo é relativo suja tudo e não explica nada.

Acontece que o amor pela arte na cantora de voz horrível se exprime apesar da voz horrível da cantora. O que diverte a maioria e intriga uns poucos não é que ela não possa gostar de música, mas que seja evidente que goste tanto. Mas não será, pode objectar-se, que ela gosta mal de música? E não será que o modo de ela gostar de música nos estraga a vida, como uma pessoa que assusta os gatos, ou que risca os livros, ou que apanha todas as flores dos canteiros públicos? Não sabemos bem o que quer dizer ‘gostar mal’; e ninguém deixou de gostar de música por causa da cantora de voz horrível; alguns terão mesmo passado a gostar por causa dela.

O que é comovente na cantora de voz horrível, mais orçamento menos orçamento, é o que é comovente nos miúdos que se tornaram insuportáveis à vizinhança por causa da barulheira que fazem a desoras, sobretudo com a bateria. Como no caso da cantora, ninguém tem dúvidas de que por variadas razões, normalmente técnicas, não conseguem fazer o que pretendem. Mas como no caso da cantora importa-lhes muito pouco que não consigam. O seu amor pela arte exprime-se em tentar fazer aquilo que não conseguem.

É por essa razão que o amor à arte não se vê, ou não se vê na maior parte dos casos, em salas de concertos, galerias de exposições e em livros publicados. Vê-se pelo contrário mais frequentemente nos horrores em que tantos de nós insistem: em poemas que como disse um poeta nem sequer servem para atacadores; nos desenhos que fazemos sempre que somos confrontados com o espectáculo de fenómenos naturais a que queremos fazer justiça; e quando cantamos no banho, aproveitando aquilo que imaginamos ser as condições acústicas que os azulejos da casa de banho nos proporcionam, embora prejudicados pelo barulho da água a correr.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

A eliminação do bebé

Miguel Tamen

A relação entre religião e sentimento não augura nada de bom; não porque os sentimentos não sejam genuínos, mas porque o que se diz sobre religião é quase sempre um efeito desses sentimentos.

Crónica

Não estamos aqui para nos divertir

Miguel Tamen

‘Não estamos aqui para nos divertir", disse o rei. Saberia ele que a noção de que tudo depende das nossas escolhas é uma fantasia de gente que espera de si própria o que não pode razoavelmente fazer? 

Crónica

Ocasiões de choradeira

Miguel Tamen

O maior serviço que a televisão presta é pelo contrário o de proporcionar a quem nela aparece a falar ocasiões de choradeira: dar azo ao apreço que quem fala sente por si próprio.

Crónica

A eliminação do bebé

Miguel Tamen

A relação entre religião e sentimento não augura nada de bom; não porque os sentimentos não sejam genuínos, mas porque o que se diz sobre religião é quase sempre um efeito desses sentimentos.

Crónica

Apanhada outra vez pela Eurovisão

Lucy Pepper
980

Lisboa vai ser anfitriã da Eurovisão para o ano, e comecei a pensar em quem, entre os suspeitos do costume, será escolhido como pivô. Estou à espera de um double act de Marcelo e de Goucha.

Crónica

TAP eu te odeio, TAP eu te amo

Ruth Manus
411

TAP, não há como não amar quem nos leva até nossos amores. Mesmo quando você resolve ser tão injusta e fazer com que esses abraços custem tão caro.

Crónica

Não estamos aqui para nos divertir

Miguel Tamen

‘Não estamos aqui para nos divertir", disse o rei. Saberia ele que a noção de que tudo depende das nossas escolhas é uma fantasia de gente que espera de si própria o que não pode razoavelmente fazer? 

Caso Maddie

A culpa é sempre dos estrangeiros

Lucy Pepper
225

No caso Maddie, a xenofobia e a ignorância cultural têm contaminado toda a discussão em Portugal e em Inglaterra. É estranho que tal suceda com duas nações aliadas há tantos séculos.