Logo Observador
Crónica

O amor à arte

Autor

O amor à arte não se vê na maior parte dos casos em salas de concertos, galerias de exposições e em livros publicados. Vê-se pelo contrário frequentemente nos horrores em que tanto de nós insistem.

A cantora de ópera de voz horrível que tinha dinheiro para alugar salas e acompanhadores, e proporcionar os seus horrores a audiências onde metade fazia troça dela, é normalmente considerada um sinal de que as formas mais elevadas de amor à arte são inseparáveis de requisitos técnicos mínimos. Não será possível presumir culto da arte, diz-se, em quem não saiba cantar afinado, escrever bem, e pintar com destreza.

Embora os artistas que mais admiramos sejam todos capazes de o fazer, ‘cantar afinado’, ‘escrever bem’ e ‘pintar com destreza’ designaram todavia coisas muito diferentes desde o Neolítico. Aqueles cujas proezas técnicas admiramos hoje não seriam reconhecidos há duzentos anos; e muitos dos que então o foram são hoje objecto de enfado. O assunto é bem conhecido, mas não há realmente grande coisa a dizer sobre ele. Dizer que tudo é relativo suja tudo e não explica nada.

Acontece que o amor pela arte na cantora de voz horrível se exprime apesar da voz horrível da cantora. O que diverte a maioria e intriga uns poucos não é que ela não possa gostar de música, mas que seja evidente que goste tanto. Mas não será, pode objectar-se, que ela gosta mal de música? E não será que o modo de ela gostar de música nos estraga a vida, como uma pessoa que assusta os gatos, ou que risca os livros, ou que apanha todas as flores dos canteiros públicos? Não sabemos bem o que quer dizer ‘gostar mal’; e ninguém deixou de gostar de música por causa da cantora de voz horrível; alguns terão mesmo passado a gostar por causa dela.

O que é comovente na cantora de voz horrível, mais orçamento menos orçamento, é o que é comovente nos miúdos que se tornaram insuportáveis à vizinhança por causa da barulheira que fazem a desoras, sobretudo com a bateria. Como no caso da cantora, ninguém tem dúvidas de que por variadas razões, normalmente técnicas, não conseguem fazer o que pretendem. Mas como no caso da cantora importa-lhes muito pouco que não consigam. O seu amor pela arte exprime-se em tentar fazer aquilo que não conseguem.

É por essa razão que o amor à arte não se vê, ou não se vê na maior parte dos casos, em salas de concertos, galerias de exposições e em livros publicados. Vê-se pelo contrário mais frequentemente nos horrores em que tantos de nós insistem: em poemas que como disse um poeta nem sequer servem para atacadores; nos desenhos que fazemos sempre que somos confrontados com o espectáculo de fenómenos naturais a que queremos fazer justiça; e quando cantamos no banho, aproveitando aquilo que imaginamos ser as condições acústicas que os azulejos da casa de banho nos proporcionam, embora prejudicados pelo barulho da água a correr.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Verão

Crónicas de Verão – O Amor

Paulo de Almeida Sande
105

Digam-me os leitores que esta crónica é fútil, inútil, ignorável; digam-me que amar é irrelevante, porque só amamos por capricho, um fútil devaneio, e no fundo, lá no fundo, é a nós mesmos que amamos.

Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
661

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Você é um pai ciumento ou um pai machista?

Ruth Manus
1.316

Filhas que têm um bom exemplo paterno, raramente se envolvem com homens que as tratem mal. Pelo simples fato de crescerem com um bom modelo, tendem a não aceitar menos do que isso.