Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Autor
205

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

1. Quase nunca sei quem está no cabanão. Há sítios assim, peculiares. Este, tem o dom da surpresa. Vai-se, caminho fora, pisando a terra quente, o ar cheio de Verão, de um lado as flores, do outro as macieiras, ao fundo os degraus de madeira descendo para um espelho azul de água.

O cabanão é uma acolhedora casa de madeira, aberta sobre uma plataforma e erguida sobre o tanque de rega, o mesmo de que me lembro ali, desde criança.

Um dia, há trinta e tal anos, os meus pais tiveram a boa ideia de alindar o tanque forrando-o de azulejos mas deixando-lhe a sua primitiva (e algo bizarra) forma, o que lhe conservou intacto o seu encanto, nada conforme às piscinas-de-revista-tipo-resort. O cabanão passou a ser o local eleito onde, entre as dez da manhã e as seis da tarde, vão aparecendo, vindos das suas casas, os habitantes deste nosso poiso oestino (pais, filhos, netos, irmãos, cunhados, primos, sobrinhos-netos & amigos). É onde tudo se passa, se sabe, se conversa, se discute, se descobre, se conhece, se ri. E se bebe. Vinho branco no frigorífico, limões das árvores para as limonadas dos abstémios (cujo número é felizmente diminuto). Nem o já celebre “acampamento”, este ano dedicado aos 5/9 anos e que envolve actividades várias para o dia e tendas fora de casa para as noites, ou sequer o futebol que junta quase todos os dias jogadores e espectadores de três gerações, rivalizam com o cabanão. Ano após ano, leva a palma de ouro. E no ano da sua inauguração, ganhou o óscar da melhor realização.

2. A expectativa da surpresa, qual jogo, pode começar na descida dos degraus: quem lá estará hoje? Quem das outras casas convidou quem? Haverá gente daqui da Foz? Amigos de Lisboa? Um número tão grande de crianças que transforma instantaneamente o “recinto” numa colónia de férias? Atentos leitores de jornais e tablets? Bebés mudando fraldas? Jovens politizados discutindo os males da pátria ? Um intelectual de direita discutindo com um intelectual de esquerda? Estrangeiros de passagem? Mães procurando chuchas aparentemente perdidas para todo o sempre? Avós colocando amorosamente bóias em netos mínimos? Comentadores, editorialistas, jornalistas, discutindo os respectivos “locais de trabalho”? Alguém relendo as provas do seu próprio livro? Tertúlias fervilhantes e intergeracionais onde tão depressa se cruzam receitas de cozinha, venenosos ataques e apaixonadas defesas políticas, livros, desporto, viagens?

Não, não é todos os dias isto mas, sim, é — felizmente — muitas vezes.

3. As 10 da manhã o cabanão é um oásis de silêncio, o calor ainda é humano, a luz, ainda aguada. Não há telemóveis a zumbir, nem iPads a clicar. Vivem-se aqueles momentos de glória que definem o início de uma manhã de Verão onde achamos que tudo é possível e tudo nos é permitido diante da intacta harmonia entre os seres, a natureza e as coisas. Uma espécie de estado de graça, breve,como os estados de graça.

A essa hora sem gente, nem ruído — uns ainda não voltaram do mercado, outros da cama — ainda se pode ler um livro e saboreá-lo com deleite, apanhar limões, agradecer a Deus. Ao meio dia o ar agita-se, já contaminado pela excitação das provas aquáticas ou do concurso de saltos “do alto do cabanão” para os mais pequenos. Um desafio tão forte e estimulante que deixa marcas o ano inteiro. “No Verão já me atirei do cabanão sem bóias!” é frase que podemos de repente ouvir em Lisboa, a meio do Inverno, tão impressivo foi o feito para o seu herói de cinco anos (e não deixa de ser gratificante ter podido interagir de forma tão inocente com alguém que começa a pisar o chão da vida, levando-o a ser capaz de se superar, mesmo que num vulgar mergulho).

Com a água repleta de afoitos nadadores, mergulhores de palmo e meio e pré adolescentes espigadas, o cabanão é deles. Lá para as duas e tal, entre jornais, copos de vinho, sandálias, telemóveis, papéis, óculos, bóias, tábuas de queijos e cestas de pão, o cabanão é nosso. E a vozearia vai alta (o álcool aumenta-nos ligeiramente o tom de voz).

Refaz-se o mundo, discute-se tudo. A sério e com seriedade, ninguém aqui está na vida de borla, apesar de mergulhos e vinho branco. É apenas uma pausa, é apenas o Verão. Por isso também muitos risos se soltam. E projectos, confidências, ambições, iniciativas. E a ilusão também se solta. A de que a vida pode conter este elevado grau de doçura, mesmo sabendo nós a que ponto ela pode ser pouco amável e pouco afável.

Mas o Verão escorre. Assim escorre.

4. Já ouço daqui o enfado educado, agressivo ou insultivo (é conforme os remententes) do “que é que isto interessa?”

Interessa, sim. O nervo vital do cabanão é a família. Posso, com inteira legitimidade e sem corar, cantar-lhe um hino que foi o que fiz acima, mas não por acaso. Cultivo a família como um bom jardineiro as suas rosas, o meu desvelo e o dele são infinitos. Além de que gosto de dizer que amo a instituição familiar, a protejo e a rego. Acredito na sua importância crucial e essencial – como fonte de vida e de luz, como escolha, como instituição, como símbolo, como núcleo duro, como porto de abrigo, como rectaguarda – e por isso me aflijo que por vezes, ela me surja quase em extinção. Lembra as baleias. A diferença abissal é que a (suposta ) ameaça de extinção das baleias envolve as que restam num casulo de solícitos cuidados, preocupações, fundos financeiros, petições, carinhos, enquanto a (real) ameça de extinção das famílias tradicionais deixa a sociedade a flutuar sobre o seu próprio desnorte. (ou deveria também dizer sobre o seu desinteresse?)

Não que não se deva obviamente estar atento aos sinais ou disponível para discutir novos temas e as propostas que os sustentam, para depois os perfilhar (ou não). Separando o trigo do joio e nunca preferindo o gato à lebre. Mas com poucas excepções, a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele parece propagado como tendo passado de moda, saído de linha, ou estar “descontinuado”? Como podem hoje as famílias ser lubrificadas e tonificadas como suporte e ossatura do nosso modelo civilizacional se são os próprios agentes do Estado, os governantes, a própria sociedade, a pô-lo em causa, ou a equipará-la a outras formas de organização familiar, por definição incomparáveis e por isso impossíveis de equiparar. Sucede porém que a jubilosa ênfase dada às “alternativas” ditas ”fracturantes”, é de tal modo impositiva que quase reduz — e reconduz — a família tradicional um vão de escada “autorizado”. Corroendo os seus alicerces e trocando-os por qualquer modelo desde que imediatamente encaixável no devastador ar deste tempo. Pelos vistos um ar do tempo tão apetecível, tão espumoso, tão descomprometido, tão “o que interessa é a nossa felicidade”… que também pelos vistos deve ser difícil resistir-lhe. (Ou sou eu própria que estou em extinção?)

5. Exagerei? Talvez, mas não creio. Em qualquer caso, um combate indispensável e um assunto a seguir absolutamente.

PS. As tragédias podem tornar-se ainda mais dolorosas quando nelas quase tudo nos é familiar. O cenário, as gentes, a paisagem, as árvores, o sítio. É o caso da genuína, sentidíssima devoção dos madeirenses á sua Senhora do Monte. Das celebrações religiosas que a evocam, ano após ano, a 15 Agosto, da vigília que as antecede, na noite de 14, do povo que junta, multidões de velas acesas na mão. Testemunhei tudo isto várias vezes, juntei-me à procissão, rezei com eles à Senhora do Monte. De algum modo é como se algo neste tão brutal drama também me dissesse respeito, impedindo-me o ficar longe dele e incólume a ele.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Que vento é este que sopra?

Maria João Avillez
2.277

“A culpa é do governo anterior” dizia o maestro Costa, fidelíssimo ao seu tique número 1 de obsessivamente derramar culpas inventadas sobre a governação a quem ele roubou a governação.

Orçamento do Estado

Pequenas notas sem importância

Maria João Avillez
200

Somem-se as parcelas da magnânima generosidade que António Costa assinou de cruz para antever mais ano, menos ano, um novo ciclo de desgraça na desafortunada história das nossas contas públicas.

Redes Sociais

Os conectados

Maria João Avillez
138

Deveria interrogar-me, escrutinar-me, procurar um psicólogo? Estes desabafos serão o cúmulo do reacionarismo. Paciência. As coisas são o que são. O meu fastio informático/tecnológico também é o que é.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site