Logo Observador
Crónica

O culto do inexprimível

Autor

Quem acha que uma coisa é inexprimível sente-se também normalmente inclinado a exprimi-lo. Por isso, poucos de nós se contentam em dizer que não há nada a dizer sobre o cheiro do pão.

“O horror daquele momento,” observou o Rei, “nunca, nunca o irei esquecer.” A Rainha respondeu: “Vais, vais – se não tomares nota.” Já todos fomos rainha para reis, e rei para rainhas. Gostamos de lembrar aos outros que aquilo que é memorável não pode ser esquecido; e que por isso não precisa de ser dito. Mas também gostamos de sublinhar que tudo pode ser dito; que é sempre possível tomar notas, descrever acontecimentos, e gravar memorandos.

Só aparentemente estas duas posições são simétricas. Quem sublinha que é possível dizer tudo, descrever tudo e, com ajudas ou sem elas, lembrar-se de tudo, ao ser confrontado com deficiências nas suas descrições, ou das suas lembranças, vai alegar problemas técnicos. Dirá que não se lembrou das palavras apropriadas, ou que não tinha um lápis à mão. Queixar-se-á de motivos alheios à sua vontade, e sugerirá que se essas deficiências técnicas não tivessem sobrevindo lhe teria sido possível dizer tudo.

Poderia parecer que a pessoa que pelo contrário nos recorda de que existem coisas que não podem ser expressas está numa situação mais simples. Nunca precisa de alegar razões técnicas ou motivos alheios à sua vontade. Acha que certos acontecimentos, certas memórias, certas relações são por natureza inexprimíveis: nem um super-lápis os conseguiria retratar adequadamente; e nem uma sub-memória se conseguiria esquecer deles. Exemplos frequentes de situações inexprimíveis são: o cheiro salutar e honesto a pão no forno, a origem do universo, e o facto de a soma do quadrado dos catetos ser igual ao quadrado da hipotenusa – mesmo quando o triângulo rectângulo é enorme.

No entanto, quem acha que uma coisa é inexprimível sente-se também normalmente inclinado a exprimi-lo. Poucos de nós se contentam em dizer que não há nada a dizer sobre o cheiro do pão; dizer que não há nada a dizer é uma atitude pouco promissora; não encoraja mais conversas. Verifica-se talvez por isso a inclinação para falar daquilo que achamos que não pode ser dito; gostamos de acrescentar às nossas opiniões sobre a semelhança entre o que se passa num triângulo grande e nos seus primos mais pequenos uma cláusula sobre coincidências inexprimíveis.

Esses acrescentos são normalmente feitos num tom diferente, como se concluíssemos um jogo de futebol marcando um golo com a mão; ou uma demonstração de geometria a cantar uma cantiga. Para falar do inexprimível mudamos de modalidade. Imagina-se às vezes que certos gestos, frases obscuras, e a música, ou seja, a arte, servem para fazer coisas que não é possível fazer por meios normais. No entanto, como observou outro filósofo, “se não podemos dizer uma coisa, não a podemos dizer; e se não a podemos dizer também não a conseguimos assobiar.” A poesia e a música não são um resultado de termos desistido da fisiologia ou da geometria; o andebol não é o resultado de termos desistido do futebol.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada. 

Crónica

A eliminação do bebé

Miguel Tamen

A relação entre religião e sentimento não augura nada de bom; não porque os sentimentos não sejam genuínos, mas porque o que se diz sobre religião é quase sempre um efeito desses sentimentos.

Crónica

Não estamos aqui para nos divertir

Miguel Tamen

‘Não estamos aqui para nos divertir", disse o rei. Saberia ele que a noção de que tudo depende das nossas escolhas é uma fantasia de gente que espera de si própria o que não pode razoavelmente fazer? 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada. 

Crónica

A eliminação do bebé

Miguel Tamen

A relação entre religião e sentimento não augura nada de bom; não porque os sentimentos não sejam genuínos, mas porque o que se diz sobre religião é quase sempre um efeito desses sentimentos.

Crónica

Apanhada outra vez pela Eurovisão

Lucy Pepper
980

Lisboa vai ser anfitriã da Eurovisão para o ano, e comecei a pensar em quem, entre os suspeitos do costume, será escolhido como pivô. Estou à espera de um double act de Marcelo e de Goucha.

Crónica

TAP eu te odeio, TAP eu te amo

Ruth Manus
411

TAP, não há como não amar quem nos leva até nossos amores. Mesmo quando você resolve ser tão injusta e fazer com que esses abraços custem tão caro.

Crónica

Não estamos aqui para nos divertir

Miguel Tamen

‘Não estamos aqui para nos divertir", disse o rei. Saberia ele que a noção de que tudo depende das nossas escolhas é uma fantasia de gente que espera de si própria o que não pode razoavelmente fazer? 

Caso Maddie

A culpa é sempre dos estrangeiros

Lucy Pepper
225

No caso Maddie, a xenofobia e a ignorância cultural têm contaminado toda a discussão em Portugal e em Inglaterra. É estranho que tal suceda com duas nações aliadas há tantos séculos.

Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas.