Crónica

O culto do inexprimível

Autor

Quem acha que uma coisa é inexprimível sente-se também normalmente inclinado a exprimi-lo. Por isso, poucos de nós se contentam em dizer que não há nada a dizer sobre o cheiro do pão.

“O horror daquele momento,” observou o Rei, “nunca, nunca o irei esquecer.” A Rainha respondeu: “Vais, vais – se não tomares nota.” Já todos fomos rainha para reis, e rei para rainhas. Gostamos de lembrar aos outros que aquilo que é memorável não pode ser esquecido; e que por isso não precisa de ser dito. Mas também gostamos de sublinhar que tudo pode ser dito; que é sempre possível tomar notas, descrever acontecimentos, e gravar memorandos.

Só aparentemente estas duas posições são simétricas. Quem sublinha que é possível dizer tudo, descrever tudo e, com ajudas ou sem elas, lembrar-se de tudo, ao ser confrontado com deficiências nas suas descrições, ou das suas lembranças, vai alegar problemas técnicos. Dirá que não se lembrou das palavras apropriadas, ou que não tinha um lápis à mão. Queixar-se-á de motivos alheios à sua vontade, e sugerirá que se essas deficiências técnicas não tivessem sobrevindo lhe teria sido possível dizer tudo.

Poderia parecer que a pessoa que pelo contrário nos recorda de que existem coisas que não podem ser expressas está numa situação mais simples. Nunca precisa de alegar razões técnicas ou motivos alheios à sua vontade. Acha que certos acontecimentos, certas memórias, certas relações são por natureza inexprimíveis: nem um super-lápis os conseguiria retratar adequadamente; e nem uma sub-memória se conseguiria esquecer deles. Exemplos frequentes de situações inexprimíveis são: o cheiro salutar e honesto a pão no forno, a origem do universo, e o facto de a soma do quadrado dos catetos ser igual ao quadrado da hipotenusa – mesmo quando o triângulo rectângulo é enorme.

No entanto, quem acha que uma coisa é inexprimível sente-se também normalmente inclinado a exprimi-lo. Poucos de nós se contentam em dizer que não há nada a dizer sobre o cheiro do pão; dizer que não há nada a dizer é uma atitude pouco promissora; não encoraja mais conversas. Verifica-se talvez por isso a inclinação para falar daquilo que achamos que não pode ser dito; gostamos de acrescentar às nossas opiniões sobre a semelhança entre o que se passa num triângulo grande e nos seus primos mais pequenos uma cláusula sobre coincidências inexprimíveis.

Esses acrescentos são normalmente feitos num tom diferente, como se concluíssemos um jogo de futebol marcando um golo com a mão; ou uma demonstração de geometria a cantar uma cantiga. Para falar do inexprimível mudamos de modalidade. Imagina-se às vezes que certos gestos, frases obscuras, e a música, ou seja, a arte, servem para fazer coisas que não é possível fazer por meios normais. No entanto, como observou outro filósofo, “se não podemos dizer uma coisa, não a podemos dizer; e se não a podemos dizer também não a conseguimos assobiar.” A poesia e a música não são um resultado de termos desistido da fisiologia ou da geometria; o andebol não é o resultado de termos desistido do futebol.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Os portugueses são grosseiros?

Ruth Manus
1.624

Em Portugal eu aprendi que ser reservado pode ser um grande ato de sabedoria, ao invés de falar sobre todos os assuntos com qualquer pessoa, em qualquer circunstância.

Crónica

Profissão avós

Ruth Manus
819

Não sei se concordo com aquela história de que os avós servem para mimar e estragar, prefiro pensar que eles existem para doar-se sem limites.

Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus
191.403

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site