Eutanásia

Ode à vida!

Autor
  • Rita Fontoura
174

Todos nós vamos morrer um dia e aquilo que nos aflige julgo ser o receio de sermos pesados à família por perdermos a autonomia ou a sanidade mental, receamos não ser bem tratados, sobrarmos nesta vida

A morte recente de João Ricardo, Pedro Rolo Duarte, Zé Pedro e Belmiro de Azevedo tiveram unanimidade de sentimentos (com excepção para os deputados PCP, mas esse episódio fica guardado nos tesourinhos deprimentes): foram perdas para as suas famílias mas também para o País. Eram, cada um à sua maneira e por razões muito diferentes, um pouco de todos nós. Pela irreverência, pela ousadia, pelo empreendedorismo, pelo talento, ou por muitas outras razões, foram importantes para nós. Ao ler os testemunhos publicados, as referências são sempre sobre o valor das suas vidas, que deviam ter vivido mais, que fazem falta.

Entre as várias publicações dos próprios ou de outros referindo-se aos que morreram, feitas nas redes sociais ou em entrevistas, li muitos elogios sentidos e merecidos de onde destaquei algumas frases que já explico porquê:

Disse João Ricardo: A vida sempre me tirou o que tinha a tirar na altura certa e deu o que tinha a dar na altura certa. Já não tive nada, hoje tenho tudo”.

Sobre o Zé Pedro: Viveu e morreu como uma rock star, depressa demais.

Sobre o Pedro Rolo Duarte, escreveu o Miguel Esteves Cardoso: A verdade – aquela que, com unhas e dentes, ninguém nos tira – é que fizemos, singularmente, muita coisa juntos. Mas não te aconchegues: ainda falta muita coisa.

Acerca de Belmiro de Azevedo disse Rui Nabeiro que foi “com muita tristeza” e com “um grande abalo” que recebeu a notícia da morte de Belmiro de Azevedo, sublinhando que era “um homem extraordinário, que lutou e que soube lutar”.

Por que razão seleccionei estes excertos?

É que todos dizem respeito a pessoas queridas, que se encontravam em sofrimento, que tinham uma doença que era uma sentença de morte. Mas os seus amigos queriam-nos vivos. Os amigos achavam que eles ainda tinham vivido pouco, que apesar do seu sofrimento presente não deviam partir. O próprio João Ricardo a sofrer na sua doença disse de si mesmo “já não tive nada, hoje tenho tudo”.

Todos nós vamos morrer um dia. Muitos de nós tememos que seja com dor ou com incapacidade, mas todos queremos viver. Aquilo que nos aflige julgo ser o receio de sermos pesados à família por perdermos a autonomia ou a sanidade mental, receamos não ser bem tratados, sobrarmos nesta vida.

Mas se nos prometerem que isso não acontece, TODOS queremos viver até ao fim natural da nossa vida e desejamos que um dia digam de nós, que morremos “depressa demais”.

Então para quê a eutanásia? Não a queremos, a não ser por medo. E não é preciso meter medo a ninguém porque não é preciso ser abandonado nem desprezado. Hoje em dia existem cuidados paliativos, tratamento da dor, cuidados continuados, acompanhamento no lar, apoio aos cuidadores informais (a família) enfim uma série de soluções que nos permitem viver sem medo. Então o que queremos é ver essas soluções implementadas.

É para isso que queremos que usem os nossos impostos, e não para investirem na nossa morte.

Que bom que de todos estes nossos compatriotas que morreram recentemente não se possa dizer que os matámos mas sim que viveram pouco!

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Corrupção

O problema não está no olfacto

Rita Fontoura

Estamos com um problema de apatia, conformismo ou desânimo, e nada parece valer a pena apesar do mau cheiro que se sente. Ficamos todos pela espuma dos acontecimentos, adormecidos e embalados. 

Política

Não vem aí o lobo mau!

Rita Fontoura

Ser o lobo mau é ser exigente; é não estar disposto a engolir tudo o que nos é impingido; é ser socialmente activo na comunidade em que se vive. Caros portugueses, ganhem pois coragem e saiam do sofá.

Sem-abrigo

Uma experiência de Natal

Rita Fontoura
519

Estar com os sem-abrigo no Natal não foi como tinha imaginado e quando voltámos para casa fui dormir na maior tristeza. Acordei a meio da noite e chorei ao me sentir ridícula por querer mudar o mundo.

Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira
150

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Eutanásia

Eutanásia – o fracasso da Humanidade

Raquel Abreu
3.836

Há 20 anos estive ligada a máquinas a receber morfina por ter dores horríveis. Não desisti. A dor resolveu-se e passei 5 anos entre uma cadeira de rodas e canadianas. E se tivessem desistido de mim?

Eutanásia

Quando a liberdade se mata

Cristina Líbano Monteiro
294

Há uma diferença entre a liberdade de morrer e a liberdade de matar. E é esta diferença que os projectos de lei que pretendem a legalização da eutanásia a pedido parecem não entender.

Eutanásia

Eutanásia, não decidir apressadamente

Ricardo Sá Fernandes
224

A hora é de debate. De estudo exaustivo das experiências que já se conhecem. Só depois, e não seguramente nesta legislatura, é que se pode tomar a decisão de legislar ou não, e em que sentido.

Eutanásia

Antecipar a morte

Pedro Vaz Patto
195

Da proposta do Bloco não decorre que a eutanásia e o suicídio assistido sejam legais apenas em caso de morte iminente ou doenças terminais, como sucede por exemplo no Estado norte-americano do Oregon

Eutanásia

No meio de lobos

Miguel Alvim

Eutanásia e suicídio assistidos, agora ou nunca. O martelo do relógio da foice quer dar as horas ao povo.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site