Logo Observador
Crónica

Parem com essa bobagem de querer ter sucesso

Autor
3.940

Alcançar a realização pessoal é encontrar a plenitude em determinadas esferas da vida, ter sucesso é simplesmente passar uma imagem de que tudo deu certo

“Fulano é um homem muito bem sucedido”, “Beltrana construiu uma carreira de sucesso”. Crescemos ouvindo este tipo de expressão acerca de pessoas que teoricamente chegaram no topo de suas caminhadas e passamos a aceitar desde pequenos que nossa principal meta de vida é alcançar o sucesso.

A questão interessante que se coloca é que praticamente nunca ouvimos uma pessoa repetir este discurso em primeira pessoa: “eu alcancei o sucesso”. Talvez isso ocorra por uma razão muito simples, que nada tem a ver com humildade: a noção de sucesso é aquela que os outros têm acerca da trajetória de alguém e não o que a própria pessoa sente sobre si mesma.

Porque é preciso lembrar que sucesso é uma coisa e realização é outra, completamente diferente. Sucesso é os outros que pensam sobre uma pessoa e seus caminhos, enquanto a realização é o que ela mesma pensa sobre as escolhas que fez na sua própria vida. Realização pessoal, realização profissional: alcançar a realização é encontrar a plenitude em determinadas esferas da vida, ter sucesso é simplesmente passar uma imagem de que tudo deu certo.

O problema é que muitas vezes as coisas não deram tão certo quanto o sucesso quer fazer parecer. O sucesso é um telhado de vidro, ninguém sabe muito bem o quão resistente é aquilo. O sucesso, puro e simples, pode vir acompanhado de uma infelicidade gigantesca. Não apenas por causa da velha história de que muitos sacrificam a vida pessoal por conta da carreira. Mas porque cada vez mais frequentemente podemos encontrar pessoas que chegaram no topo de empresas, de escritórios e da mídia- os famosos “profissionais bem sucedidos”- mas que não sentem, nem de longe, que encontraram a realização profissional.

Já o sentimento de realização caminha realmente muito próximo da sensação de missão cumprida. Mas, para tanto, é preciso que haja uma missão. Metas não são missões. Sonhar com um cargo não é ter uma missão. Traçar uma carreira com GPS e executar o caminho no menor tempo possível pode até garantir sucesso, mas nunca garante que você se sente naquela cadeira sonhada e sinta-se minimamente realizado.

Então às vezes nós temos que parar e nos perguntar: para quem estamos construindo as nossas vidas? Para quais olhares estamos direcionando nossas imagens? Para os nossos ou para os dos outros? Será que não estamos dedicando tempo demais às aparências e será que um dia isso não vai nos custar muito caro? Porque, no fim das contas, os cargos se vão, o prestígio se vai e só o que resta é o que a opinião que nós mesmos temos sobre a estrada percorrida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus
1.073

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.

Crónica

As vantagens dos incêndios

Miguel Tamen

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais, vive de luzes e plumas que tem de pagar, nos desastres tudo é a baixo custo.

Crónica

O ponto de vista do utilizador

Miguel Tamen

A ideia de que os utilizadores têm um ponto de vista especial está ligada à ideia de que quanto mais próximo estivermos de uma coisa melhor a conhecemos. Não é bem assim. 

Crónica

O momento da verdade

Miguel Tamen

O facto de termos aprendido a reconhecer sinais e a mudar de ideias por causa deles não garante que não nos possamos enganar. Há casos em que as ideias abandonadas é que eram as verdadeiras.

Crónica

O mistério da educação (XI)

Miguel Tamen

A única coisa que vale a pena saber sobre ciências da educação é que aquilo de que os alunos se lembram é só ocasionalmente aquilo de que os professores quiseram que se lembrassem.