Logo Observador
Crónica

Parem com essa bobagem de querer ter sucesso

Autor
3.940

Alcançar a realização pessoal é encontrar a plenitude em determinadas esferas da vida, ter sucesso é simplesmente passar uma imagem de que tudo deu certo

“Fulano é um homem muito bem sucedido”, “Beltrana construiu uma carreira de sucesso”. Crescemos ouvindo este tipo de expressão acerca de pessoas que teoricamente chegaram no topo de suas caminhadas e passamos a aceitar desde pequenos que nossa principal meta de vida é alcançar o sucesso.

A questão interessante que se coloca é que praticamente nunca ouvimos uma pessoa repetir este discurso em primeira pessoa: “eu alcancei o sucesso”. Talvez isso ocorra por uma razão muito simples, que nada tem a ver com humildade: a noção de sucesso é aquela que os outros têm acerca da trajetória de alguém e não o que a própria pessoa sente sobre si mesma.

Porque é preciso lembrar que sucesso é uma coisa e realização é outra, completamente diferente. Sucesso é os outros que pensam sobre uma pessoa e seus caminhos, enquanto a realização é o que ela mesma pensa sobre as escolhas que fez na sua própria vida. Realização pessoal, realização profissional: alcançar a realização é encontrar a plenitude em determinadas esferas da vida, ter sucesso é simplesmente passar uma imagem de que tudo deu certo.

O problema é que muitas vezes as coisas não deram tão certo quanto o sucesso quer fazer parecer. O sucesso é um telhado de vidro, ninguém sabe muito bem o quão resistente é aquilo. O sucesso, puro e simples, pode vir acompanhado de uma infelicidade gigantesca. Não apenas por causa da velha história de que muitos sacrificam a vida pessoal por conta da carreira. Mas porque cada vez mais frequentemente podemos encontrar pessoas que chegaram no topo de empresas, de escritórios e da mídia- os famosos “profissionais bem sucedidos”- mas que não sentem, nem de longe, que encontraram a realização profissional.

Já o sentimento de realização caminha realmente muito próximo da sensação de missão cumprida. Mas, para tanto, é preciso que haja uma missão. Metas não são missões. Sonhar com um cargo não é ter uma missão. Traçar uma carreira com GPS e executar o caminho no menor tempo possível pode até garantir sucesso, mas nunca garante que você se sente naquela cadeira sonhada e sinta-se minimamente realizado.

Então às vezes nós temos que parar e nos perguntar: para quem estamos construindo as nossas vidas? Para quais olhares estamos direcionando nossas imagens? Para os nossos ou para os dos outros? Será que não estamos dedicando tempo demais às aparências e será que um dia isso não vai nos custar muito caro? Porque, no fim das contas, os cargos se vão, o prestígio se vai e só o que resta é o que a opinião que nós mesmos temos sobre a estrada percorrida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

TAP eu te odeio, TAP eu te amo

Ruth Manus
411

TAP, não há como não amar quem nos leva até nossos amores. Mesmo quando você resolve ser tão injusta e fazer com que esses abraços custem tão caro.

Crónica

Os taxistas de Lisboa

Ruth Manus
1.131

Os portugueses costumam ser amáveis e receber bem as pessoas, mas não dentro dos táxis. É um mundo sem regras de boa educação, de segurança, de asseio e de boa prestação de serviços.

Crónica

O machismo carinhoso

Ruth Manus
4.177

Muitas vezes o machismo aparece de uma forma sutil- quase carinhosa- que pode não soar diretamente como agressão, mas que nos agride, nos fere e nos ameaça da mesma forma.

Crónica

A eliminação do bebé

Miguel Tamen

A relação entre religião e sentimento não augura nada de bom; não porque os sentimentos não sejam genuínos, mas porque o que se diz sobre religião é quase sempre um efeito desses sentimentos.

Crónica

Apanhada outra vez pela Eurovisão

Lucy Pepper
980

Lisboa vai ser anfitriã da Eurovisão para o ano, e comecei a pensar em quem, entre os suspeitos do costume, será escolhido como pivô. Estou à espera de um double act de Marcelo e de Goucha.

Crónica

TAP eu te odeio, TAP eu te amo

Ruth Manus
411

TAP, não há como não amar quem nos leva até nossos amores. Mesmo quando você resolve ser tão injusta e fazer com que esses abraços custem tão caro.

Crónica

Não estamos aqui para nos divertir

Miguel Tamen

‘Não estamos aqui para nos divertir", disse o rei. Saberia ele que a noção de que tudo depende das nossas escolhas é uma fantasia de gente que espera de si própria o que não pode razoavelmente fazer? 

Caso Maddie

A culpa é sempre dos estrangeiros

Lucy Pepper
225

No caso Maddie, a xenofobia e a ignorância cultural têm contaminado toda a discussão em Portugal e em Inglaterra. É estranho que tal suceda com duas nações aliadas há tantos séculos.

Crónica

O amor à arte

Miguel Tamen

O amor à arte não se vê na maior parte dos casos em salas de concertos, galerias de exposições e em livros publicados. Vê-se pelo contrário frequentemente nos horrores em que tanto de nós insistem.