Europa

Quartos de Final na Holanda: por pouco mais que uma unha negra

Autor
118

Wilders não iria formar governo. Os outros partidos já tinham declarado recusar coligar-se com o PPV. Mas deixa marcas indeléveis nestas eleições. São aquelas em que o populismo controlou a campanha.

Parece que agora é moda. As eleições importantes têm três tipos de atores. Os partidos do establishment (o mais importante é o que tem possibilidade de ganhar as eleições), um partido populista (neste caso, como em outros, radical) e um estado externo, que arranja uma forma de tentar influenciar (às vezes com sucesso) o curso das eleições.

Os atores são descritos de seguida, por ordem de chegada.

Ator número um: faltava menos de uma semana para as eleições quando o ministro dos Negócios Estrangeiros e a ministra dos Assuntos Familiares da Turquia se deslocam a Roterdão para fazer campanha eleitoral junto da população turca na cidade dos Países Baixos. Em causa está um referendo constitucional que se realiza a 16 de abril em Ancara. Se o “sim” ganhar, o já poderoso Recep Tayyip Erdogan poderá manter-se no poder até 2019 e o Estado será uma “república presidencialista”, em que o presidente terá poderes muito mais vastos. Mais uma machadada numa Turquia democrática e secular.

Por razões de segurança, tal como já acontecera em cidades da Alemanha, Áustria e Suíça, a entrada dos ministros foi travada. Este episódio serviu na perfeição a Erdogan: usando um dos mais básicos princípios do populismo, entrou em guerra com o inimigo exterior que, no entender do líder, pretende travar o progresso lógico da Turquia: a Holanda passou a ter direito a impropérios graves (politicamente) e ao corte imediato das relações diplomáticas ao mais alto nível. Estima-se que desde essa altura, cerca de 400 mil turcos tenham saído à rua a manifestar o seu desagrado.

Ator número dois: em empate técnico nas sondagens, Geert Wilders, líder (unipessoal) do PPV, de pendor populista e de direita radical – islamofóbico, anti-imigração, anti integração Europeia –, aproveitou o episódio para repreender em direto, no último debate televisivo, o primeiro-ministro em funções, Mark Rutte, o líder conservador liberal do VVD (o ator número 3, já lá vamos), pela “suavidade” com que tratou o assunto.

Wilders, desfiou o breviário da extrema-direita europeia: os regimes democráticos são demasiado brandos com imigrantes (a exploração do medo do outro), que não só ameaçam a lei e a ordem como desautorizam o governo e as forças policiais (narrativa da insegurança, que os partidos do establishment não conseguem resolver), mesmo que tenham sido estes mesmos imigrantes, com conivência do governo (em funções e candidato) que destruíram o estado social, em vez de proteger os holandeses (o povo nativo e real dos Países Baixos). Wilders ficou aquém das suas próprias expectativas no resultado eleitoral de ontem. Mas prometeu que não vai desistir.

Ator número 3: Mark Rutte, o homem sobre quem recaíram todos os desafios. Principalmente três: convencer o eleitorado dos méritos da moderação e da democracia; desmontar o discurso populista; e aproximar-se dos cidadãos, zangados com as elites, principalmente desde a crise de 2008.

Nos dois primeiros desafios não se saiu mal. Denunciando o discurso populista violento de Wilders, enquadrou as eleições nos Países Baixos como “os quartos de final” em que se tem de “bater o mau tipo de populismo” que aflige a Holanda e a Europa. Este jogo é essencial porque previne o “efeito dominó” que se poderá reproduzir na França já no mês que vem (“a meia-final”). Terá ganho uma pequena vantagem no frente a frente com Wilders, por manter uma pose tranquila, mas firme, perante a Turquia, em vez de prometer fechar mesquitas e expulsar imigrantes a torto e a direito.

O terceiro desafio, o de se aproximar da população estava perdido à partida. Por duas razões. Os holandeses estão muito mais preocupados com a saúde, a economia e a educação, entre outros temas do seu dia-a-dia, do que com o futuro da Europa ou mesmo com a imigração. Além disso, discurso de todos os candidatos foi mais crítico da União Europeia para não perderem terreno para o PPV, e o tema central da campanha foi o populismo, o extremismo e a xenofobia. Assim, as elites moderadas perderam mais uma oportunidade de se encontrar com as pessoas. Por isso, na sua essência o populismo ganhou, Wilders foi o maestro que segurou a batuta e imprimiu o ritmo eleitoral. Mesmo tendo falhado nas urnas.

Wilders não iria formar governo. A eleição é parlamentar, e as outras (várias) formações partidárias que terão acento parlamentar já declararam recusar coligar-se com o PPV. Mas deixa uma marca indelével nestas eleições. São aquelas em que o populismo (minoritário) sufocou a democracia (maioritária) no discurso dos principais candidatos. O populismo controlou a campanha e as análises políticas sobre as eleições.

E para isso nem teria sido precisa a ajuda de Erdogan, que até parece ter favorecido Rutte. O primeiro ator, que chegou à última da hora, não fez mais que lançar para as televisões de todo o mundo aquilo que já há semanas se passava na Holanda. Desta vez ganhou a democracia. É um bom sinal. Mas é uma vitória que está longe de dar espaço para euforias.

Investigadora do IPRI

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Cortar o mal pela raiz

Diana Soller

O populismo apenas pode resolver-se com verdadeiras reformas que permitam alargar a classe média; com a moralização da política; e com políticas de criação de empreg. Sem isso, a propaganda ganha.

Brasil

O Meu Pé de Laranja Lima

Diana Soller
161

Tenho ouvido dizer muitas vezes que há políticos que “roubam”, mas fazem muito em prol da população. Por isso podem ser eleitos outra vez. Lula é o caso paradigmático. Mas uma mão não lava a outra.

Futuro

União Europeia: prospetiva e contingência

António Covas

Hoje a contingência funciona como apólice de seguro face à responsabilidade perante o futuro. A decisão política dá o lugar à deliberação procedimental. Este é o sistema europeu em pleno funcionamento

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site