Logo Observador
Mundo

Rússia, país com passado imprevisível

Autor
205

Na Rússia o o passado é revisto, na maior parte das vezes, para justificar os devaneios do presente. Como o passado é imprevisível, também os amigos de ontem são os inimigos de hoje.

Os russos dizem que “a Rússia é um país com um passado imprevisível” para sublinhar que a história pode ser reescrita ao sabor dos desejos do senhor no poder. O problema é que o passado é revisto, na maior parte das vezes, para justificar os devaneios do presente.

Quando eu estava na Faculdade de História da Universidade de Moscovo, um professor mais ousado e aberto da disciplina de História do Partido Comunista da União Soviética decidiu mostrar-nos como é que isso se fazia na prática. Trouxe-nos três livros sobre o mesmo tema: a revolução comunista de 1917, escritos entre 1918 e 1929. No primeiro, os principais mentores e realizadores do golpe são Vladimir Lenine e Lev Trotski, aparecendo José Estaline num lugar insignificante; no segundo, Trotski desaparece, passando Lénine a ser acompanhado na direcção por Estaline e, no terceiro, Trotski passa a adversário, Estaline a figura central e Lenine a ajudante do ditador soviético.

Recentemente, realizou-se um Concílio Mundial do Povo Russo, cujo dirigente máximo é o Kirill I, Patriarca de Moscovo e de toda a Rússia. Nele participaram altos dirigentes religiosos, políticos e militares.

Ora aí foi decidido definir quem se pode considerar russo. Segundo uma declaração aprovada, “russo é aquele que se considera russo; que não possui outras preferências étnicas e que pensa em língua russa; que reconhece no cristianismo ortodoxo a base da cultura espiritual nacional; que sente solidariedade com o destino do povo russo”.

Com apenas esta definição deixam de ser russos Piotr Tchaadaev pensador católico do séc. XIX, ou o poeta ateu Vladimir Maiakovski ou até um dos maiores dos clássicos da literatura mundial Lev Tolstoi, que, como é sabido, foi excomungado pela Igreja Ortodoxa Russa por criticar duramente a sua doutrina e prática. Mas a lista de excluídos poderá ser bem mais extensa.

Num país multinacional como a Rússia, o aparecimento de semelhantes “definições” é extremamente perigoso, pois cria ou acentua novas linhas fracturantes na sociedade.

Aqui, não posso deixar dar razão ao Presidente Putin que escreveu há dois anos atrás: “Para a Rússia, com a sua multiplicidade de línguas, tradições, etnias e culturas, a questão nacional, sem qualquer tipo de exagero, tem um carácter fundamental. Qualquer político responsável, activista social, deve ter presente que a concórdia cívica e entre nacionalidades é uma das principais condições da própria existência do nosso país”.

Mas os tempos mudaram e talvez a nova definição de russo esteja mais na moda entre as elites políticas e religiosas do país. Afinal, o passado é imprevisível e os amigos de ontem são os inimigos de hoje.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

Eu não voto em João Lourenço

José Milhazes
1.283

Acreditar na justiça social em Angola é o mesmo que acreditar no “conto de fadas” sobre a Isabelinha, que começou a vida a vender ovos e hoje é a mulher mais rica de África.

Rússia

Putin desiste de Donald Trump

José Milhazes
265

Os Estados Unidos já prometeram responder à bofetada sem luva desferida pelo Kremlin, o que pode levar a uma espiral de sanções e contra-sanções pois nem Trump ou Putin quererão dar sinais de fraqueza

Geopolítica

Das narrativas morais

Diana Soller

Tanto nos preocupámos com a possibilidade do “Outro” mudar a face da nossa “civilização” que nos esquecemos que, a maioria das vezes, as civilizações se corroem por dentro.

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos 

Terrorismo

Basta!

Gonçalo Dorotea Cevada

Que suposta superioridade moral é essa que não nos permite admitir que o problema não está na suposta falta de integração social, mas na propaganda feita por certas mesquitas localizadas na Europa?

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos