Logo Observador
TSU

TSU. Para lá da política, é a economia estúpido

Autor
  • Ricardo Santos

Mais do que arranjar agora um plano B para o aumento do salário mínimo, importa demonstrar que existe uma estratégia de médio prazo, algo que não parece haver no Governo e na oposição.

Com a novela das últimas semanas que culminou com o chumbo da descida da taxa social única (TSU) para as empresas, tudo se tem centrado nas implicações políticas deste cisma na maioria que apoia o governo. No entanto, este episódio revela algo ainda pior: não existe uma estratégia a prazo que conjugue um aumento do salário mínimo nacional (SMN) comportável pelas empresas e sem por em causa a competitividade da economia portuguesa. Apetece perguntar (tal como se perguntou em 2012 ao governo de então): há algum estudo por trás desta descida da TSU e do aumento do salário mínimo?

Depois de cinco anos em queda – com a exceção de 2013 devido às decisões do Tribunal Constitucional – a economia portuguesa voltou em 2016 a perder competitividade não só em termos absolutos, mas também face às outras economias da área do euro e, ainda, face às outras três economias da “periferia” (Itália, Grécia e Espanha) do sul da área do euro. Isto é visível através da análise da variação da medida mais usada: os custos unitários do trabalho, ou seja, a variação dos custos com o trabalho ajustada pela produtividade. A perda de competitividade relativa tem sido muito pouco comum ao longo dos últimos 20 anos, quer face à área do euro (não ocorria desde 2005), quer principalmente face aos outros países do sul: não ocorria desde 2001.

Claro que os aumentos acumulados do SMN, que ocorreram desde 2014, contribuíram para esta variação, principalmente tendo em conta que a percentagem de trabalhadores que recebem o salário mínimo é cada vez maior. Ora, com uma produtividade que continua praticamente estagnada – só aumentou nos piores anos da crise devido ao aumento brutal do desemprego – é fácil concluir que praticamente qualquer aumento de salários levará a uma deterioração da competitividade. E, para além do aumento do SMN, as reversões de medidas tomadas durante o programa de ajustamento decididas maioritariamente este ano (reposição de feriados, aumento do custo das horas extraordinárias, aumento dos salários e redução de horários da função publica) têm um contributo também significativo.

É compreensível, e desejável até, que depois do programa de ajustamento sejam repostos rendimentos e, ainda mais, que o salário mínimo seja aumentado. No entanto, fazer tudo rapidamente tem custos, alguns dos quais já estarão a ser sentidos, algo que até é reconhecido implicitamente pelo governo.

Em primeiro lugar, a queda do investimento durante o ano passado foi o primeiro reflexo da incerteza provocada por estas reversões e também do fim da descida gradual do IRC. Em segundo lugar, parece óbvio que até o governo reconhece que aumentar salários põe em causa não só a competitividade, mas também a criação de emprego. E digo que parece óbvio já que até o governo o reconhece ao baixar a TSU como moeda de troca para o acordo na concertação social.

Finalmente, em terceiro lugar, embora as exportações continuem a crescer, tal como tem vindo a acontecer desde o inicio do programa, esta esconde o impacto que a perda de competitividade já está a ter. Pela primeira vez desde 2005, as exportações portuguesas irão crescer menos do que os mercados de destino. Ou seja, ainda que as exportações continuem a crescer, Portugal está a perder quota de mercado internacional. Este é um fenómeno comum aos outros países da periferia, mas não é comum aos nossos vizinhos espanhóis (e, de certa forma, nossos principais concorrentes).

Por isso, não deixa de ser positiva a intenção do governo de apresentar medidas que compensem a subida do salário mínimo, especialmente medidas que reduzam os custos das empresas. O que não é desejável é que tal seja feito sem qualquer estratégia de médio prazo e apenas para remendar a subida deste ano. E, pior do que isso, não faz qualquer sentido usar o Orçamento do Estado para financiar um aumento de salários, já que qualquer margem de manobra do Estado devia ser, sim, aproveitada para melhorar a competitividade das empresas e atrair investimento.

É certo que a concertação social é agora vista como uma “feira de gado”: a forma como a negociação foi feita, sem garantias de apoio parlamentar, assim o demonstra. Mas, mais do que arranjar agora um plano B para o aumento do SMN (seja a descida do PEC ou outros custos), importa demonstrar que existe uma estratégia de médio prazo que permita conjugar aumentos de salários sem por em causa a competitividade. Algo que, em abono da verdade, não parece existir nem do lado do governo, nem do lado da oposição.

Os problemas da economia portuguesa não se esgotam nas finanças publicas – estas são aliás um reflexo da falta de crescimento e dos desequilíbrios externos. Como demonstra a experiência anterior à crise, os efeitos da perda de competitividade são graduais, mas a fatura acaba sempre por aparecer. Quando Olivier Blanchard e outros alertavam, ainda bem antes da crise, para os custos futuros da perda de competitividade, foram maioritariamente ignorados e apelidados de “cassandras” – mas será que a história se repete?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Novo Banco

Novo banco. Três mitos e três dúvidas

Ricardo Santos

A nacionalização e a liquidação do Novo Banco nunca foram, ou são, hipóteses credíveis. Foram apenas usadas como parte da estratégia negocial e, claro, para consumo interno.

Dívida Pública

Dívida pública. Plano C, de Cautelar?

Ricardo Santos
161

Mesmo que a geringonça mude de políticas e Portugal passe a ser o melhor aluno dos 19, dificilmente as taxas de juro deixarão de subir. Não será melhor evitar mais um choque contra a parede?