Eleições na Grécia

Um desconhecido indesejado

Autor
120

Como detesto fingir e me recuso a pousar um olhar manso sobre o que está assanhado, só posso juntar-me ao coro onde cantam os que estão preocupados: o momento é perigoso, sob vários pontos de vista.

Aquilo com que a Europa lidou ou tem lidado nas ultimas décadas, sumiu-se do mapa político grego. A direita moderada limitou-se a resistir, o Pasok ficou reduzido à condição de sem abrigo. Não basta dizer que talvez “merecessem”, nem é fácil arranjar um descodificador: o certo é que não há referências que nos habilitem a saber lidar com isto. Um quadro “novo” feito de algumas coisas desafiantes, outras feias, outras brutais. Um desconhecido indesejado, em suma.

Como detesto fazer de conta e me recuso a pousar um olhar manso sobre o que está assanhado, só posso juntar-me ao coro onde cantam os que estão tão preocupados como eu: o momento é perigoso, sob vários pontos de vista.

É perigoso na Grécia: que estabilidade, que articulação, que jogo político sério pode resultar de tão estranha e indigesta aliança governamental, olhada – temos de o repetir mil vezes, todos os dias, a toda a hora! – com tanta e tão amorosa complacência? Um casamento sulfúrico consumado num país à beira de todos os abismos – e lembremos que um dos abismos é dentro de pouco tempo a Grécia não dispor de liquidez para que o Estado assuma as suas funções. E outro é a falta de estrutura, raiz, substância, experiência, conhecimento, passado, regras, do Syriza.

É também perigoso na União Europeia pelo trabalho (de renda ou de aço?) que vai exigir nas negociações económicas entre Bruxelas/Berlim/Atenas, tanto mais que o tom usado desde domingo pelo novo ministro grego das Finanças (ainda não lhe decorei o nome, lá chegará), é exclusivamente o preto e o branco: a Grécia ficará com os brancos perdões, os “outros”, quaisquer que sejam, com o pagamento das negras contas.

É perigoso para o euro, claro, e para a sua viabilidade e o seu futuro (como estará a Grécia face á moeda unica daqui seis, oito meses? Mantém-se no clube, está em vias de sair, já saiu?).

É ainda perigoso pelas implicações que qualquer decisão comunitária fatalmente terá no difícil equilíbrio entre os Estados membros, face às extremadas pretensões gregas, e seja num sentido ou noutro, ou mesmo num “meio caminho”. E é sobretudo perigoso porque subitamente há um parceiro político do qual quase tudo se ignora (a não ser o seu bom coração face ao sofrimento do povo grego), mas que já sinalizou ter pontos cardeais que podem desnortear – ou vir a pulverizar – as coordenadas políticas que a Europa conhece desde há décadas e “normalmente” usa e pratica.

Os ventos gregos trazem alianças e intenções de tal forma dissonantes que no fim da linha não se sabe de quem serão os despojos e as ruínas. Os mais simplistas dirão que estou “alarmada”, a má-fé vigente acusar-me-á de defender (?) a austeridade “punitiva”. É um pouco mais complicado que isso, basta saber olhar para o quadro sem o virar o contrário e já o escrevi aqui há dias: não, não está tudo do lado de Berlim/Bruxelas mesmo que pareça, está só uma parte. A maior parte, a parte de leão, está com os gregos. A história da Rússia é um mau começo e um mau sinal.

De forma quase geral – houve algumas honrosas excepções mas espantosamente só algumas – as nossas manchetes e ecrãs televisivos preferiram pôr a responsabilidade unicamente do lado de uma “Europa” obrigada a vergar perante um novo governo democraticamente eleito, colando-se festivamente ao “fim da austeridade”, discurso único da vitória grega.

Era bom mas é falso. Como se uma trapalhada daquela monta social, económica e política pudesse ser reduzida ao grito de guerra de Dario Fo “não se paga, não se paga”, declarado unilateralmente. E, logo a seguir… a trapalhada seria salvificamente resolvida por um “não pagamento” de jacto.

Falta sempre a outra metade a esta gente do Syriza, aparentemente com tanto encanto: saber quem pagará a raiva originada pelos próprios erros, mesmo que se considere e eu considero que houve erros troikianos. Ninguém? É indiferente? Logo se vê? Não é preciso? Passa (unilateralmente) a não ser preciso pagar?

Sucede que o unilateral clamor tem ainda outra desvantagem que não é de somenos: irritar em vez de, si j’ose dire, enternecer os credores para a (insustentável, é verdade), situação grega. Há dias li num estudo sobre a economia grega que os cabeleireiros e as massagistas beneficiavam de uma reforma aos (cito de memória) 52 anos por serem considerados “profissões de risco ”, parecendo-me aqui haver pouquíssima austeridade (faço ideia com idade se reformará um domador de leões…).

Mas desenganem-se: não estamos perante um vulgar exemplo de “dois pesos e duas medidas”, o que já faria suar, de tão pouco sério. Estamos diante do mais complexo caso político europeu dos últimos cinquenta anos.

Que o mesmo é dizer que, como qualquer pessoa no seu perfeito juízo, a partir daqui eu só posso fornecer muita preocupação e pouquíssimo júbilo. Quem não quiser que não se sirva.

 

2. Que será feito do Atlântico? Apetece até perguntar aos nossos dirigentes políticos – a estes mas também a outros – se se esqueceram da nossa pertença e da nossa responsabilidade para com esse mar como quem se esquece dos óculos em cima da mesa?

Talvez valesse a pena interrogarmo-nos sobre o que “se” tem andado a fazer para cuidar das obrigações que nos cabem nesse domínio que foi alias para nós uma escolha. E nem é preciso recorrer ao Conceito Estratégico de Defesa Nacional onde se certifica que a segunda opção geográfica do país em matéria de política externa é o Atlântico. E quem compreende os equívocos e zig-zag diplomáticos da nossa relação com os Estados Unidos com o recente episódio das Lajes onde se fez depender a boa saúde dessa relação transatlântica com as vantagens lusas do uso americano de uma base militar açoriana, sem perceber nem acautelar a indispensabilidade dessa mesma relação? Não fora a (obrigatória) coluna de Miguel Monjardino no Expresso e depois o texto de Teresa de Sousa (Público) revelando o desconforto face ao comportamento de Portugal na questão das Lajes, e ele teria passado como normal ou verosímil, quando não foi nem uma coisa nem outra, mas sim um péssimo sinal. E o mais revelador sintoma daquilo em que imperdoavelmente quase se tornou hoje a relação entre Lisboa e Washington

É certo que a crise e as suas exigências atiraram o país para dentro da malha apertadíssima da Europa, obrigando-nos a cuidar mais do eixo Lisboa/Berlim/Bruxelas e com isso descurando a vertente atlântica. Tendo que fazer escolhas difíceis e com recursos magros, Portugal foi mais continental que marítimo, mais europeu que atlântico.

É certo mas está errado: sem estratégia política nem substância diplomática para o resto que era imenso, o caminho ficou semeado de equívocos. Não admira que a disponibilidade dos nossos “amigos” do outro lado do Atlântico para contarem connosco seja hoje mais diminuta, mesmo tendo em conta que o mundo mudou, as prioridades geo-estratégicas são outras e a nossa irrelevância maior).

”Gostava de perceber qual é a nossa visão para o Atlântico. E, já agora, que vontade política, recursos e meios temos para um território que ainda é nosso”, dizia-me ontem o mesmo Miguel Monjardino sobre este estado de coisas.“A presença norte-americana nas Lajes teve uma consequência nefasta – anestesiou-nos em relação à necessidade de pensarmos e fazermos opções sobre o território nacional.”

Não se pode ser mais claro.

Infelizmente parece que a ninguém ocorreu que a nossa extrema atenção à crise e a uma opção externa mais “continental” fosse acompanhada por outra atenção ao “lado”atlântico, ao nível político-militar. Foi quase o contrário: Lisboa preferiu tornar a relação com os EUA refém do futuro das Lajes. Ainda Miguel Monjardino: “Ao mesmo tempo que criticava politicamente a opção do Pentágono em diminuir o contingente militar norte-americano nas Lajes, Portugal fez o mesmo silenciosamente: a presença da Força Aérea Portuguesa na BA4 resume-se agora a um destacamento que, por muito profissional que seja, só com dificuldade e sacrifício cumprirá as suas missões no Atlântico.”

Num discurso que fez no início de Janeiro, o actual titular do Palácio das Necessidades exigiu (?) três coisas distintas aos Estados Unidos: a primeira, (“maximização da utilização da Base das Lajes) estava fora de prazo já que Portugal não podia ignorar que a alteração da visão estratégica norte americana para o uso das Lajes implicava uma diminuição dos seus contingentes militares, o que colidia com o conceito de “maximização”; a segunda, (o “reforço do relacionamento estratégico entre os dois países;” ) destoava do actual momento das relações entre os dois países; e a terceira (“uma decisão que não seja penalizadora para a população da Ilha Terceira”) quase afligia um comum mortal pela confusão que fazia entre desemprego e política externa. Washington ignorou tudo. Riscos altos, consequências previsíveis.

Em resumo: o que ocorre na politica externa nacional resultará de opções políticas com consequências ao nível estratégico em que a mais óbvia – e não menos inquietante – é que a actual situação geopolítica no Atlântico parece exigir uma opção geoestratégica diferente da nossa parte.

Infelizmente tenho de concordar ainda com Miguel Monjardino quando ele “teme” que a decisão do Pentágono no dia 8 de Janeiro – apenas uns dias depois da confirmação do reforço da relação militar Washington-Madrid – “possa ser lida como uma espécie de cartão amarelo político-diplomático por parte da administração Obama a Lisboa.”

É que só a “Europa” não chega. Nunca chegou. Nem tão pouco convence como “via única” a alguns convictos atlantistas como eu (pensar que é lá, nos Estados Unidos, que temos um dos nossos melhores diplomatas, Nuno Brito de seu nome, torna o espanto maior).

 

3. Perdi tempo mas ganhei “realidade”: durante a manhã de ontem fui ouvindo inúmeros comentários radiofónicos e outros sobre a avaliação dos professores. Desabafos irados, críticas azedas, clamores raivosos, afirmações de ódio, numa avalanche – quase sem excepção – de palavras ressentidas de destinatário único: o ministério da 5 de Outubro. Fica-se de boca aberta.

Só há “um ponto”nesta triste história e não dois ou três “ângulos” de visão, interpretação ou perspectiva: nenhum professor pode dar erros. Tudo o resto que se disse e eu ouvi é mero subterfúgio (e refúgio atabalhoado para o inconcebível resultado). Mas parece que a culpa foi da prova que “não era fiável”! Entre outros exemplos de “culpa”.

Em Portugal e até dói constatar sempre o mesmo: a culpa é sempre, sempre, dos outros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A plateia dos patetas

Maria João Avillez
2.515

Um misto de leveza, manha, irresponsabilidade. Uma manipulação a partir do palco do poder para a plateia de patetas onde quem não é da geringonça é suposto estar sentado.

Pintura

Jorge à procura de bisontes

Maria João Avillez

Agora? “Agora, tal como no paleolítico os artistas pintavam bisontes, uma das funções dos artistas é encontrar os bisontes da sua época. Quais são os nossos?”.

Política

"Chatices"

Maria João Avillez
2.278

Lisboa ficará intransitável muito rapidamente. Estreitar vias, acabar com outras, fazer praças, pracetas, ciclovias desertas, relvadinhos, banquinhos onde poucos lisboetas se sentam... serve para quê?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site