Logo Observador
Manifestações

Violência policial: um novo negócio público?

Autor
404

Fica aqui a sugestão para a PSP: que tal começar a oferecer, aquando das manifestações sindicais, estudantis, professorais e outras, o serviço de prisões simbólicas, como faz a polícia de Berkeley?

A cidade de Berkeley, na Califórnia, é regularmente notícia. Por investimentos empresariais que diminuem a taxa de desemprego? Raramente. Devido a descobertas cientificas que melhoram as condições de vida da humanidade? De quando em quando. Por ocasião de protestos estudantis que degeneram em violência? Frequentemente.

Porque será que numa cidade universitária, dedicada à cultura, à arte e à ciência há tanta violência? Devido a uma grande concentração de jovens que começam a explorar o mundo sem controlo parental? Oxford, em Inglaterra, também o é, mas raramente é notícia devido a protestos ou a violência estudantil. Porque será então?

Um artigo recente do WSJ dá uma pista. Quando um grupo quer organizar uma manifestação em Berkeley deve-o comunicar à polícia. “Para facilitar a expressão pacífica de discurso protegido constitucionalmente”, o departamento da polícia de Berkeley, no seu site na net, pede aos organizadores que façam o download de um conjunto de formulários, os preencham e os entreguem do Departamento Recreativo (e o que são manifestações senão uma forma de recreação pública?). De entre a informação pedida inclui-se o seguinte:

· Objetivo do protesto
· Data e hora do protesto
· Percurso pretendido
· Estimativa do número de participantes
· Nome dos organizadores
· …
· Pretendem-se prisões simbólicas?
· Em caso positivo, as prisões simbólicas devem ser onde e quando?

Fica aqui a sugestão para a PSP: que tal começar a oferecer, aquando das manifestações sindicais, estudantis, professorais e outras, o serviço de prisões simbólicas? A polícia de Berkeley não cobra nada por estas prisões. No entanto, em Portugal, atendendo não só à situação difícil das finanças públicas (um deficitzinho de 2% do PIB por ano ainda é muito dinheiro, que acresce à dívida pública), mas também devido à tendência nacional “para aproveitar” tudo o que é de graça, seria recomendável que este serviço cobrasse taxas moderadoras do tipo:

· Prisão à frente de fotografo: €100
· Prisão à frente de camaras televisivas: €200
· Bastonada à frente de camaras televisivas: €400
· Ataque com cão polícia à frente de fotografo: €800
· etc

Repare-se que o conceito não tem de se aplicar apenas à polícia. Faculdades de Humanidades poderiam passar a cobrar a intelectuais para organizarem boicotes simbólicos às suas conferências. Assim ficam todos a ganhar: as faculdades aumentam as suas receitas e os intelectuais ganham fama de perseguidos. As forças armadas poderiam cobrar a países estrangeiros por invasões simbólicas. Se o cliente fosse a Espanha, por exemplo, podia usar a invasão como justificação para proibir referendos na Catalunha. Se fosse a Venezuela podia culpar a falta de produtos básicos ao imperialismo português. (nota: à Venezuela conviria cobrar o serviço à cabeça).

Outras possibilidades de negócio não faltarão ao Estado. Basta um pouco de imaginação e a constituição de um grupo de trabalho no Ministério da Finanças dedicado ao assunto.

Professor de Finanças, AESE Business School

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crise dos Refugiados

Se também o faisão não tivesse cantado…

José Miguel Pinto dos Santos
1.444

Para haver refugiados não é suficiente haver guerra. Ou pobreza. Basta haver dureza de coração por um lado e imprudência pelo outro. E a dureza pode estar em qualquer coração: até no dos refugiados.

Terrorismo

Sitting ducks

José Miguel Pinto dos Santos
835

É fantástico não ter medo de sheiks e de mullahs, allamahs e ayatollahs, nem dos seus rebentos, mas só se isso não impedir as acções adequadas para anular o seu potencial de destruição.

Liberdade de Expressão

Um par de bofetadas

José Miguel Pinto dos Santos
509

Ameaças de violência são a antítese de solidariedade e inclusividade, são ataque à racionalidade e à democracia e, feitas contra quem expõe um argumento, são um ataque direto à liberdade de expressão.

Fogo de Pedrógão Grande

Morrer entre brutos é triste

Alberto Gonçalves

Portugal não cede à baixa política, leia-se permite a impunidade geral. Portugal, repete-se, é uma nação muito forte, leia-se um recreio de oportunistas, desnorteados ao primeiro assomo da realidade.