O primeiro charro eletrónico do mundo já existe. Foi criado por uma empresa holandesa, que promete que este produto é “relaxante” e permite ao utilizador “expressar-se de uma forma única”, pode ler-se na página de Facebook da E-Njoint B.V..

O cigarro agora apresentado não tem nicotina nem mesmo tetra-hidrocanabinol (THC), a principal substância psicoativa da marijuana, o que leva a empresa a garantir que o produto é “100% legal”. Para já, apenas existe esta versão descartável (também com versão especial para o Mundial) – de que são produzidos 10 mil exemplares por dia, números da E-Njoint -, mas já estão planeadas versões recarregáveis, que permitirão aos consumidores colocar as suas próprias folhas de cannabis no aparelho, que tem a forma de um charro tradicional.

“A Holanda é conhecida pela sua atitude liberal e tolerante perante as drogas leves e a introdução deste produto claramente marca uma posição: desde que não chateie ou perturbe outras pessoas e se mantenha dentro dos limites legais, está tudo bem”, disse Menno Contant, presidente da E-Njoint à Yahoo.

Segundo este responsável, a E-Njoint está a negociar com a Tikun Olam, uma empresa especializada na utilização de cannabis para fins medicinais, no sentido de se perceber se o novo charro eletrónico pode ou não ser utilizado com estes fins. O charo eletrónico funciona através da vaporização de propilenoglicol e glicerina vegetal, diz o próprio presidente da companhia holandesa.

No fim de maio foi aprovada nova legislação europeia para regular os cigarros eletrónicos – que deverá ter correspondência na lei portuguesa nos próximos meses.