O Qatar está interessado em fazer da antiga praça de touros Monumental, em Barcelona, a terceira maior mesquita do mundo e a maior da Europa. É o próprio emir do país, Tamim bin Hamad Al Zani, que está em negociações com a família proprietária do recinto – e vários jornais espanhóis dizem que está disposto a pagar 2,2 mil milhões de euros para o adquirir.

A concretizar-se o projeto, a mesquita seria a terceira maior do mundo – atrás da de Meca e da de Medina -, teria capacidade para 40 mil pessoas e ainda um minarete de 300 metros meramente decorativo. Segundo o El Mundo, já está tudo planeado: a reconversão da praça durará cinco anos e os trabalhos serão da responsabilidade de um consórcio de três empresas alemãs. Este consórcio já foi responsável pela reconversão de outros espaços em mesquitas que não integram apenas uma vertente religiosa mas também cultural e de lazer. O templo barcelonês deve seguir o mesmo modelo, complementando com lojas e restaurantes o espaço de oração.

Na Catalunha vivem perto de 400 mil muçulmanos. Barcelona é a única grande cidade espanhola que não tem uma mesquita, que vem sendo reivindicada pela Federação Islâmica da Catalunha há anos. Essa instituição, através do seu fundador e presidente Mowafak Kanfach, é que endereçou o convite aos responsáveis qataris para considerarem a praça Monumental como hipótese de futura mesquita. Kanfach diz, no entanto, que não intermediou quaisquer contactos entre o Qatar, a autarquia e a família Balañà, que é a dona da praça e também de outros equipamentos culturais e sociais na região. “Não precisávamos de algo tão grande, mas acontece que este espaço está livre”, afirmou Kanfach, que até propõe a construção de uma igreja católica junto ao recinto “como símbolo de entendimento”.

“Não conhecíamos nada de nada” do projeto, disse o presidente da câmara de Barcelona, Xavier Trias, preferindo não comentar mais o assunto enquanto não conhecer a situação pormenorizadamente. Entretanto, o responsável pelos assuntos religiosos da Generalitat da Catalunha admitiu ver como “muito lógica” a ideia de se fazer uma mesquita na capital da região.

Desde 2011 que as touradas são proibidas na Catalunha, pelo que a praça de touros Monumental tem servido apenas, desde essa altura, para albergar um museu e espetáculos esporádicos. Segundo o El Mundo, já antes tinha havido negociações com vista à adaptação da praça de touros Las Arenas em mesquita – mas o projeto não avançou e o recinto acabou por se transformar num centro comercial.