Rádio Observador

Crise no PS

Manifesto de apoio a Seguro para travar “o PS que conduziu o país ao desastre”

795

Manifesto assinado por um grupo de ex-dirigentes socialistas atira contra Sampaio, Alegre e Almeida Santos. Defendem Seguro e querem impedir o regresso do PS de Sócrates - o do "desastre".

Henrique Neto foi uma das vozes socialistas mais críticas no tempo de Sócrates

António Gomes

É o mais recente episódio da disputa entre António José Seguro e António Costa. Ex-dirigentes socialistas e conhecidos críticos da ala socrática do PS escreveram um manifesto em defesa de Seguro, cuja linha de argumentação se centra na oposição ao ex-primeiro-ministro José Sócrates que, dizem, “conduziu o país para o desastre”. Quem o assina é Henrique Neto, Joaquim Ventura Leite, Rómulo Machado e António Gomes Marques.

“Sejamos consequentes” foi o nome escolhido para o manifesto, que o jornal i reproduz esta quarta-feira na íntegra, e surge como resposta ao apelo feito pelos históricos socialistas Jorge Sampaio, Manuel Alegre, Almeida Santos e Vera Jardim para que houvesse “uma rápida clarificação no PS”. Admitindo terem lido com “surpresa” a declaração destas quatro personalidades “favoráveis a António Costa”, os assinantes do manifesto lamentam que as figuras históricas do partido tenham falado agora depois de, por oposição, terem estado “quase sempre caladas” durante os anos de Governo de Sócrates. Anos de, dizem, “descalabro”, onde “o interesse nacional andou a reboque dos interesses partidários do grupo no poder”.

“Infelizmente, estas quatro relevantes personalidades do Partido Socialista mantiveram-se quase sempre caladas durante esse período, ou pior, colaboraram com as diatribes do então secretário-geral e primeiro-ministro”, lê-se no texto.

Se Seguro só discretamente põe o nome de Sócrates na sua mira oficial, Henrique Neto, Ventura Leite, Rómulo Machado e Gomes Marques fazem-no por ele, afirmando mesmo que a culpa desta crise não foi da direita mas sim do anterior Governo PS, que “preparou terreno para os cortes salariais, as privatizações feitas sem critério e o descrédito das instituições”. E continuam: seria “um crime contra a Nação Portuguesa e um ultraje aos princípios e valores do Partido Socialista” voltar a fazer chegar ao poder “os mesmos que conduziram Portugal para o desastre”.

Fomos nós socialistas que o fizemos e quanto mais rapidamente o compreendermos melhor será, para o PS e para Portugal”, dizem, depois de classificarem o atual Governo como um governo “mau”, “que não sabe ou não quer evitar mais sacrifícios aos portugueses”.

Esta não é, no entanto, a primeira vez que os quatro ex-dirigentes socialistas criticam abertamente o Executivo de José Sócrates, lembra o i. O empresário Henrique Neto foi uma das vozes mais críticas de Sócrates durante a sua governação. Em 2009 chegou a dizer que o PS com José Sócrates favoreceu a corrupção, a propósito de uma alteração à lei de financiamento dos partidos, e em 2011 pediu mesmo a demissão do então líder socialista. Em 2009, Ventura Leite, então deputado sentado na bancada do PS, protagonizou um momento incomum no Parlamento ao pedir explicitamente ao Governo que mudasse de rumo e Rómulo Machado foi um dos que, no congresso socialista de 2011, subiu de tom para acusar Sócrates de ter mergulhado o país na bancarrota.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
193

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
154

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)