Primeiro, as más notícias: o ator norte-americano Robin Williams foi internado num centro de reabilitação. As boas? Fê-lo com o objetivo de reforçar a sobriedade já alcançada, isto é, não teve qualquer recaída. Segundo o site TMZ, Williams vai passar algumas semanas no Hazelden Addiction Treatment Center, no Minnesota, Estados Unidos.

O representante do ator, citado pelo mesmo site, explicou que, depois de ter trabalhado em diversos projetos, Williams está simplesmente a aproveitar para concentrar-se no compromisso em questão, “do qual permanece extremamente orgulhoso”. O El País explica que o também humorista está internado desde esta terça-feira, dia 1 de julho, e que a respetiva instituição é especializada em programas de longa duração no combate ao alcoolismo.

O ator de 62 anos abordou publicamente o problema com a bebida em 2006, após um período de recuperação numa clínica. Mas este não é o único vício a registar: foi na década de 1970 que a estrela deu de caras com o mundo das drogas, considerando o álcool e a cocaína, enquanto ascendia para a fama. Os maus hábitos foram interrompidos temporariamente em 1983, após o nascimento do filho mais velho, pelo que um sóbrio Robin Williams resistiu, assim, às perigosas tentações durante cerca de 20 anos.

À revista People chegou a dizer, em 1988, que a cocaína era “um lugar para se esconder”. “A maioria das pessoas fica muito ativa com a cocaína. A mim abrandava-me. Às vezes deixava-me paranóico e impotente, mas, sobretudo, fazia-me ficar retraído. E eu era tão doido na altura — trabalhava o dia todo e saía quase todas as noites. Precisava de uma desculpa para não falar. Precisava de momentos de silêncio e utilizava a ‘coca’ para alcançá-los”.