Rádio Observador

Crise no GES

Salgado sai do BESI e pode abdicar do novo Conselho Estratégico

Ricardo Salgado comunicou à CMVM que sai da presidência do BESI. E estará disposto a sair do do Conselho Estratégico do BES. Plano de reestruturação pode implicar entrada na Venezuela no capital.

Ricardo Salgado reabre todo o dossiê da sucessão

Jose Sena Goulao/LUSA

Autor
  • David Dinis

O Banco Espírito Santo de Investimento anunciou na terça-feira que Ricardo Salgado renunciou ao cargo de presidente do conselho de administração do banco.

O anúncio foi feito num comunicado do BES Investimento (BESI) enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 4.º do Regulamento da CMVM n.º 5/2008, o Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. (“Banco”) informa que o Senhor Dr. Ricardo Espírito Santo Silva Salgado apresentou a sua renúncia ao cargo de Presidente do Conselho de Administração do Banco”, lê-se no comunicado enviado à CMVM.

O BESI é liderado por José Maria Ricciardi, que ontem o Observador noticiou ter vendido quase todas as ações que tinha do BES. Salgado e Ricciardi, membros da família Espírito Santo, têm estado em posições opostas no que respeita às soluções para o Grupo.

Novo Conselho Estratégico em dúvida

O Conselho Superior da família Espírito Santo reúne hoje para reabrir o dossiê do futuro do grupo. Segundo o Diário Económico, a família Espírito Santo admite sair do novo Conselho Estratégico que está previsto ser criado, como órgão consultivo. No limite poderá até deixar cair este novo organismo, num sinal de que a família está a dar novos passos para reforçar a credibilidade do projeto e tentar que os accionistas e Banco de Portugal aceitem os novos planos. Ainda não é certo se a própria solução Amílcar Pires fica como candidato à gestão do BES ou se é substituído ainda no cargo por uma solução mais consensual.

Se a ideia avançar, o apelido Espírito Santo deixará de figurar em qualquer órgão social do BES, embora o banco continue a contar com vários descendentes do fundador entre os seus altos quadros, anota o jornal.

Plano de reestruturação quase pronto

Falta ainda, para o quadro ficar completo, o GES ultimar o plano de reestruturação, urgente tendo em conta a situação financeira do grupo. A venda de ativos e a conversão de dívida em capital parece provável, sabendo-se agora que isso implicará não só o reforço da PT , mas a entrada da Petróleos da Venezuela no capital do BES, já que a petrolífera é, segundo o Jornal de Negócios, um dos maiores credores do banco.

 

 

 

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política Económica

“A embriaguez da vitória…”

Jorge Silveira Botelho

Se continuarmos embriagados com a política social de “panem et circenses”, na próxima crise vamos acabar por ficar sem passes, sem transportes e sem dinheiro para saúde, para justiça e para educação.

Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)