Crise no GES

Salgado sai do BESI e pode abdicar do novo Conselho Estratégico

Ricardo Salgado comunicou à CMVM que sai da presidência do BESI. E estará disposto a sair do do Conselho Estratégico do BES. Plano de reestruturação pode implicar entrada na Venezuela no capital.

Ricardo Salgado reabre todo o dossiê da sucessão

Jose Sena Goulao/LUSA

Autor
  • David Dinis

O Banco Espírito Santo de Investimento anunciou na terça-feira que Ricardo Salgado renunciou ao cargo de presidente do conselho de administração do banco.

O anúncio foi feito num comunicado do BES Investimento (BESI) enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 4.º do Regulamento da CMVM n.º 5/2008, o Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. (“Banco”) informa que o Senhor Dr. Ricardo Espírito Santo Silva Salgado apresentou a sua renúncia ao cargo de Presidente do Conselho de Administração do Banco”, lê-se no comunicado enviado à CMVM.

O BESI é liderado por José Maria Ricciardi, que ontem o Observador noticiou ter vendido quase todas as ações que tinha do BES. Salgado e Ricciardi, membros da família Espírito Santo, têm estado em posições opostas no que respeita às soluções para o Grupo.

Novo Conselho Estratégico em dúvida

O Conselho Superior da família Espírito Santo reúne hoje para reabrir o dossiê do futuro do grupo. Segundo o Diário Económico, a família Espírito Santo admite sair do novo Conselho Estratégico que está previsto ser criado, como órgão consultivo. No limite poderá até deixar cair este novo organismo, num sinal de que a família está a dar novos passos para reforçar a credibilidade do projeto e tentar que os accionistas e Banco de Portugal aceitem os novos planos. Ainda não é certo se a própria solução Amílcar Pires fica como candidato à gestão do BES ou se é substituído ainda no cargo por uma solução mais consensual.

Se a ideia avançar, o apelido Espírito Santo deixará de figurar em qualquer órgão social do BES, embora o banco continue a contar com vários descendentes do fundador entre os seus altos quadros, anota o jornal.

Plano de reestruturação quase pronto

Falta ainda, para o quadro ficar completo, o GES ultimar o plano de reestruturação, urgente tendo em conta a situação financeira do grupo. A venda de ativos e a conversão de dívida em capital parece provável, sabendo-se agora que isso implicará não só o reforço da PT , mas a entrada da Petróleos da Venezuela no capital do BES, já que a petrolífera é, segundo o Jornal de Negócios, um dos maiores credores do banco.

 

 

 

 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)