Foi uma corrida fácil para o piloto da Mercedes, que partiu da pole position, liderou da primeira à última volta e terminou com mais de 20 segundos de vantagem sobre o segundo classificado, Valtteri Bottas, da Williams. Logo a seguir cruzou a meta o outro piloto da Mercedes, Lewis Hamilton. Rosberg gastou 1:33.42,914 horas para completar as 67 voltas ao circuito de Hockenheim, gastando menos 20,789 segundos do que o finlandês Bottas e 22,530 do que Hamilton.

Se Nico Rosberg teve uma corrida tranquila, em mais uma demonstração da actual superioridade da marca da estrelinha, o seu colega de equipa teve de recuperar do último lugar na grelha até ao último lugar do pódio. Com efeito, o fim de semana foi muito agitado para Hamilton, que sofreu um aparatoso acidente durante os treinos, no sábado, quando um dos travões falhou provocando um violento despiste que não permitiu ao piloto britânico obter um melhor lugar na grelha de partida. Obrigado a mudar a caixa de velocidades, foi ainda penalizado com uma descida de cinco lugares, o que o atirou para o fundo da grelha. Assim, enquanto na cabeça da corrida Rosberg ia placidamente ganhando vantagem sobre os seus perseguidores, Hamilton teve de ir ultrapassando um a um todos os pilotos que o antecediam na grelha.

Volta após volta, o campeão do mundo de 2008 foi passando pelos seus adversários, realizando manobras por vezes arriscadas, com o seu carro a raspar o Ferrari de Raikonnen e, mais tarde, com a asa da frente a ficar ligeiramente desequilibrada numa outra aproximação, desta vez ao McLaren de Jenson Button. Mesmo assim, com uma asa ligeiramente solta e sendo obrigado a mais uma paragem do que o previsto, Hamilton terminou a pressionar Bottas na luta pela segundo lugar, mas a maior velocidade de ponta do Williams e o estado de degradação dos pneus do Mercedes revelaram-se obstáculos inultrapassáveis e Hamilton teve de se contentar com a terceira posição.

A corrida de Hockenheim proporcionou mais alguns duelos interessantes, como o que opôs, na luta pelo quinto lugar, o Red Bull de Ricciardo ao Ferrari de Alonso, com este último a conseguir levar a melhor.
No circuito alemão voltou a confirmar-se a enorme vantagem competitiva dos Mercedes, equipa de Rosberg e Hamilton. Na luta pelo campeonato a vantagem vai por enquanto para Rosberg, que soma 190 pontos, mas a forma como Hamilton (que tem 176 pontos) se bateu numa corrida onde tudo lhe correu mal mostra que o campeonato vai continuar animado. No próximo domingo há corrida na Hungria.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR