O Estado arrecadou mais 360 milhões de euros em certificados de aforro e do tesouro em junho, tendo nestes dois instrumentos de poupança das famílias mais de 14 mil milhões de euros. De acordo com os dados do Instituto de Gestão do Crédito Público (IGCP), nos seis primeiros meses do ano, o Estado tinha 10.856 milhões de euros em certificados de aforro e mais 3.151 milhões de euros em certificados do tesouro, totalizando 14.007 milhões de euros. Face ao mês anterior, em junho estavam investidos nestes dois produtos de poupança mais 360 milhões de euros.

Quanto aos certificados de aforro, em junho, os portugueses investiram 202 milhões de euros neste instrumento e amortizaram 51 milhões, ao passo que, nos certificados do tesouro, as famílias investiram 211 milhões de euros e levantaram apenas um milhão.

Desde o início do ano, o Estado arrecadou mais 1.849 milhões de euros em certificados de aforro e do tesouro, passando dos 12.158 milhões de euros nestes dois instrumentos que pretendem captar a poupança das famílias no final de 2013 para os 14.007 milhões de euros em junho deste ano.

O Governo tem vindo a tentar captar a poupança das famílias para a dívida pública. Depois de, em agosto de 2012, ter alterado as condições de remuneração dos certificados de aforro, no final de outubro de 2013 lançou os Certificados do Tesouro Poupança Mais, cujas subscrições têm feito aumentar o saldo dos certificados do tesouro.