Rádio Observador

Cuidados de Saúde

Tomar duche todos os dias faz bem?

1.280

A questão leva a divisões, mesmo entre especialistas, mas uma coisa parece certa: demasiada água e sabão são prejudiciais à nossa pele.

Se não consegue abdicar de alguns banhos, tenha em atenção os sabonetes que compra, a temperatura da água e as toalhas que usa

Alexander Hassenstein / Getty Images

Autor
  • Sara Otto Coelho

Há cada vez mais estudos e especialistas a desencorajarem o duche diário. Não porque os cientistas são gratuitamente contra o excesso de higiene, mas porque demasiados banhos podem ser prejudiciais à saúde.

Edwin Ruud. É a este inventor norueguês que temos de agradecer pelo engenho que nos permite, hoje, ter água quente para tomar um bom banho. Mas é também por ele ter transformado o banho numa ação tão confortável que a nossa pele sofre mais. De acordo com o jornal espanhol ABC, a culpa é do excesso de água e de produtos químicos no corpo.

No início do ano, Richard Gallo, chefe de dermatologia da Universidade da Califórnia, liderou um estudo que pretendia mostrar porque não devemos exagerar nos banhos. No estudo podia ler-se que a capa córnea, que é a mais fina da pele, e cuja função é proteger as outras camadas, pode ficar danificada pelo excesso de água e sabonetes. E, pode parecer paradoxal, mas o problema é que demasiados banhos limpam bactérias. No caso, trata-se de bactérias benignas que combatem as infeções.

Além disso, demasiados banhos secam e irritam a pele, o que causa, por exemplo, o envelhecimento precoce. A água quente também deve ser substituída pela fria ou morna. É que a invenção de Edwin Ruud, por muito bem que saiba, provoca flacidez e amolece os óleos naturais da pele (sim, a oleosidade existe por alguma razão) e retira-os mais facilmente, o que torna a pele mais seca. O teste para saber se está a tomar banho à temperatura saudável é ver se o espelho está embaciado. Se estiver, é preciso baixar a temperatura.

Mas esta argumentação não serve de desculpa para abraçar a falta de higiene. Nem o banho é uma mera imposição social. Poucos banhos aumentam os germes no corpo e podem da origem a infeções.

O máximo que deve tomar é um duche por dia. E, se tem mesmo de ser, o importante é centrar o sabonete ou gel de banho em quatro zonas chave que necessitam de mais higiene: genitais, mão, pés e axilas. O resto do corpo não necessita de ser banhado diariamente.

Os sabonetes também não são todos iguais. O ABC aconselha a utilização de sabonetes compostos por óleos vegetais, porque ajudam a regenerar o manto protetor da pele e respeitam o pH (potencial de hidrogénio).

O ABC deixa outro conselho: secar-se ao natural e evitar o uso da toalha. Se, por questões de tempo, não for possível esperar, é importante secar-se o mais suavemente possível, e com toalhas feitas de material o mais suave possível.

Desportistas e pessoas que frequentem espaços com muita gente, como o metro, devem tomar mais banhos. Há também pediatras que aconselham os pais a só dar banho aos bebés a cada dois ou três dias (até porque os bebés ficam muito em casa e, por isso mesmo, protegidos de bactérias e sujidade).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)