Conflito na Ucrânia

Rússia disparou mísseis contra Ucrânia – Imagens reveladas pelos EUA

Os EUA revelaram imagens onde mostram que houve rockets disparados pela Rússia contra unidades militares da Ucrânia nos dias seguintes ao abate do avião MH17.

Imagens de Donetsk este domingo onde se vê atividade militar

AFP/Getty Images

Os Estados Unidos não têm dúvidas: nos últimos dias houve vários rockets disparados da Rússia para a Ucrânia. E desta vez, o Departamento de Estado divulgou imagens que mostram a trajetória dos mísseis.

A administração de Barack Obama divulgou imagens de satélite que, garante o Departamento de Estado americano, evidenciam o disparo de rockets da Rússia para unidades militares na Ucrânia. A revelação  surge com fotografias que foram tiradas entre quarta (21 de julho) e sábado (26 de julho),  que indicam que a Rússia disparou mísseis do seu lado da fronteira para solo ucraniano e passou “artilharia pesada” para os separatistas através da fronteira.

russia ucarnia misseis rockets Fonte: departamento de Estado dos Estados Unidos da América.

No documento de quatro páginas, divulgado pelo Departamento de Estado, liderado por John Kerry, são visíveis as imagens com as crateras e outras marcas provocadas pelos rockets. Fonte oficial do governo norte-americano diz que as imagens mostram disparos de “armas pesadas” entre 21 e 26 de julho, depois da queda do avião MH17, a 17 de julho.

A CIA já tinha defendido que os separatistas pró-russos no leste da Ucrânia são responsáveis ​​pela queda do avião da Malaysia Airlines. Na altura, já tinham divulgado conversas intercetadas e imagens de satélite como prova de que um míssil russo, o SA-11, atingiu o MH17. Agora, estas imagens mostram atividade militar da Rússia para a Ucrânia após a queda do avião.

A 21 de julho, no comunicado avançado pelo Kremlin sobre o voo MH17, Vladimir Putin afirmou que “ninguém tem o direito de usar esta tragédia para perseguir os seus objetivos políticos”. O presidente russo garantia que a Rússia ia “fazer tudo o que estava ao seu alcance” para que o conflito no leste da Ucrânia passasse “da fase militar para a fase de negociação, através de meios pacíficos”.

O braço de ferro entre ocidente e Rússia continua há largas semanas. Depois de os países europeus terem decidido aumentar as sanções contra a Rússia, agora os EUA dão um passo além na escalada da tensão com os russos e garantem que o regime de Putin manteve atividade militar nos últimos dias na Ucrânia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)