O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, está a trabalhar junto do governo de Israel e do Hamas no sentido de negociações, no quadro da proposta do Egito, para pôr fim ao derramamento de sangue em Gaza.

Kerry regressou hoje a Washington após uma semana de contactos no Médio Oriente e em Paris, mas que não alcançaram um cessar-fogo permanente capaz de terminar com os combates.

Desde o início da ofensiva militar de Israel contra Gaza, a 08 de julho, morreram mais de mil palestinianos, a maior parte civis, entre os quais cerca de 200 crianças.

Logo após o regresso de Kerry, e após um dia de tréguas humanitárias, Israel anunciou o regresso às operações militares depois do Hamas ter efetuado disparos de foguetes contra território israelita.

Um responsável norte-americano disse à France Press que John Kerry estava a tentar conseguir uma série de tréguas temporárias, facto que poderia conduzir a conversações entre israelitas e palestinianos no Egito, numa base permanente de diálogo.

Telavive rejeitou a proposta de cessar-fogo e insistiu na necessidade de destruir os túneis utilizados pelo Hamas nos ataques contra Israel a partir de Gaza.

Kerry esteve durante o fim de semana em Paris onde manteve encontros com os ministros dos Negócios Estrangeiros do Qatar e da Turquia, países que apoiam o Hamas considerado grupo terrorista pelos Estados Unidos.

Os diplomatas norte-americanos contactados pela France Press defenderam que os encontros com representantes da Turquia e do Qatar foram “significativos”.